• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Segunda-feira, 19 de Novembro de 2018
ISSN 1980-4288

Áudios gravados em ramal de escritório responsável pela defesa de Lula serão destruídos

A 8ª turma do TRF da 4ª região deferiu liminar em MS para determinar a inutilização do material.

Fonte: TRF4

Comentários: (1)



Reprodução: pixabay.com

A 8ª turma do TRF da 4ª região deferiu nesta quarta-feira, 14, liminar em MS impetrada pelo escritório Teixeira, Martins %26 Advogados para determinar a destruição de áudios gravados, durante a operação Lava Jato, em um ramal da banca. O escritório é responsável pela defesa do ex-presidente Lula.


Em novembro, a defesa de Lula já havia impetrado MS questionando a decisão da 13ª vara Federal de Curitiba/PR que disponibilizou o conteúdo dos áudios para consulta em secretaria. Os advogados pediam a indisponibilização e a inutilização do material, sob alegação de que os áudios eram protegidos por sigilo entre clientes e advogados, e que a destruição havia sido determinada pelo STF, já que a disponibilização dos arquivos colocava em risco as garantias constitucionais e as prerrogativas dos advogados.


Ao analisar o pedido, o relator do caso, desembargador Federal João Gebran Neto, considerou que não houve ilegalidade na decisão da 13ª vara, já que o número grampeado havia sido fornecido pela empresa do ex-presidente como pertencente a ela em dados cadastrais informados à Receita Federal. Com esse entendimento, o colegiado negou o pedido.


Nova decisão


De acordo com o relator, após a decisão deferida em novembro, foi constatado que a linha pertencia ao escritório de advogados Teixeira, Martins %26 Advogados, não sendo de propriedade de nenhuma das partes envolvidas na investigação.


Em razão disso, em novo MS impetrado pela defesa, o relator considerou que a produção de provas através do conteúdo disponibilizado no ramal é "imprestável", já que o telefone é de titularidade de terceiro, devendo o conteúdo ser excluído dos autos e inutilizado.


O entendimento foi seguido à unanimidade pelo colegiado, que determinou a destruição dos áudios.


Intervenção


A OAB/SP atuou na causa como assistente, sendo representada pelo advogado Belisário dos Santos Jr., do escritório Rubens Naves Santos Jr. Advogados. Em nota, o causídico afirmou que o resultado do julgamento não poderia ter sido mais contundente.


Segundo ele,as gravações incidiram, por engano, sobre profissionais sem relação com o caso e que, por isso, são ilícitas, além de configurarem "violência ao Estado de direito"."Ficam, dessa maneira inequívoca no âmbito do aludido processo, preservados o Estado de Direito e a relação de Sigilo e confidencialidade entre advogados e clientes", afirmou o advogado.


Processo: 5061114-07.2017.4.04.0000

Palavras-chave: Áudios Ramal Escritório de Advocacia Operação Lava Jato Mandado de Segurança

URL Encurtada

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/audios-gravados-em-ramal-de-escritorio-responsavel-pela-defesa-de-lula-serao-destruidos

1 Comentários

Vantuil Matias Militar da reserva17/03/2018 19:20 Responder

A respostas que dou a esse alarde sobre a morte da ilustre vereadora, Alexandre Frota, já deu por mim. Acho que a vereadora é uma pessoa humana igual as outras, não é melhor nem peó, portanto a vida dela é igual a minha e do pobre gari que profissionalmente limpa as ruas das cidades. o PSOL, PT, PC do B, essa esquerda fajuta, tem que trabalhar honestamente para eleger seus candidatos, não é fazer politicagem em cima de uma desditosa vítima desse Brasil desgovernado há vários anos.

Conheça os produtos da Jurid