• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2019
ISSN 1980-4288
Conteúdo exclusivo para usuário cadastrados
Fonte: Edison Vicentini Barroso

Na contra-mão de direção

A política externa brasileira, da era PT, não tem limites. De doze (12) anos para cá – desde a ascensão de Lula –, o Brasil se tem associado ao que há de pior no mundo. Não só no cenário das nações, como – o que é mais grave – no das más ações

A política externa brasileira, da era PT, não tem limites. De doze (12) anos para cá - desde a ascensão de Lula -, o Brasil se tem associado ao que há de pior no mundo. Não só no cenário das nações, como - o que é mais grave - no das más ações.  Basta lembremos do Irã, de Ahmadinejad; do falecido Kadafi (Líbia); da Venezuela, de Hugo Chávez e seu sucessor Nicolás Maduro; da Argentina, de Cristina Kirchner; da Bolívia, de Evo Morales; do Equador, de Rafael Correa; de Cuba, dos irmãos Castro - e ...

Palavras-chave: direito eleitoral