• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1980-4288

Médico do Rio não poderá mais se identificar como doutor

Fonte: Último Segundo

Comentários: (165)


Médico não poderá mais se identificar como doutor no Rio de Janeiro. A menos que tenha título de doutorado. Pelo menos é isso o que determina resolução do Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro), que será publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial do Estado.

?Ficam os profissionais médicos, de todas as unidades assistenciais de saúde, públicas e privadas, obrigados a portar crachá de identificação, visível e legível, que contenha o nome completo, a função e o cargo do profissional, assim como o nome da instituição", afirma o texto da resolução, que estabelece ainda: "No crachá de identificação a denominação do cargo do profissional médico deverá ser médico e não doutor".

Segundo o presidente do Cremerj, Paulo Cesar Geraldes, a iniciativa, inédita no País, visa acabar com a banalização da identificação "Doutor" nos jalecos dos profissionais de saúde. ?O paciente tem o direito de saber com que profissional está sendo atendido, se é um médico, enfermeiro, nutricionista ou assistente social", afirma. "Fonoaudiólogo, por exemplo, não é médico?, esclarece.

Ele diz que a prática de incluir todos profissionais de saúde numa mesma denominação geral confunde a população e não é justa, uma vez que é o médico quem responde civil, criminalmente e administrativamente pelos atos.

A resolução destaca que o uso do título de doutor, em relação ao diplomado por qualquer curso de nível superior, constitui uma praxe ?secularmente fundamentada nos costumes e na tradição brasileira?, mas ressalta que não existem preceitos legais que disciplinem a concessão do título de doutor. E que em razão da tradição e da universalização dos cursos de nível superior no País,? todo profissional adota a prática e o direito de usar o título de doutor, banalizando e vulgarizando esta identificação?.

O Cremerj informa ainda que tem uma série de processos contra enfermeiros, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, entre outros, que apontam a invasão de outras profissões em atos que são estritamente atribuições de médicos, como prescrever medicações, assinar laudos e outros procedimentos.

Palavras-chave:

URL Encurtada

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/medico-do-rio-nao-podera-mais-se-identificar-como-doutor

165 Comentários

U. O. Santos Professor19/01/2006 4:31 Responder

Penso que, quanto aos médicos essa medida é descabida, o que não ocorre com as outras profissões. O advogados que mal saem das faculdades ou universidades são chamados de DOUTORES por juízes e juízas. Isto, sim, é errado! Delegado de Polícia é "Doutor", só com o Curso de Bacharel em Direito ? quantos juízes ou juízas só têm Bacharelado e são chamado(a) de Excelentíssimo(a) Sr(a) Doutor(a)es... Então, vamos organizar tudo. Para se chegar a doutor, antes, tem o mestrado...

seu nome sua profissão 01/04/2011 9:17

Você esta equivocado, Juízes são chamados de Meritissimos e não de Doutores.

Ramon Barbosa sua profissão 24/11/2012 17:39

Não é obrigatório ter mestrado antes de doutorado.

CATIA MATTOS estudante 24/11/2012 19:10

Doutor é quem faz doutorado,seja médico,advogado,dentista,veterinário,etc.Só graduação,pós ou especialização,não é o suficiente para ser chamado de Doutor! eu conheço muitos professores que são doutores porque fizeram doutorado,então não é justo dar título para quem não possui.Quem quer ser chamado de DOUTOR que vá fazer DOUTORADO.

CATIA MATTOS estudante 24/11/2012 19:17

É verdade,juiz é chamado de Meritíssimo e não de Doutor! Aliais,o bacharel em direito só pode trabalhar como tal,depois que passar na prova da OAB,quanto mais ser chamado de DOUTOR!

Ricardo Moreira sua profissão 25/11/2012 14:07

Ao invés de fazer 6 anos de medicina, mais 4 de residência, vou fazer 3 de pedagogia, mais dois 2 de mestrado a distância, mais 2 de doutorado e vou ser chamado de doutor!!! Muito mais empenho e esforço pra conseguir esse nobre título!!!!

Paulo mangano biólogo 25/11/2012 18:48

o título de doutor dado pelo doutorado e os 10 anos de estudo de um médico são completamente opostos no que diz respeito à ação profissional e conteúdo. O doutorado é uma especialização de cunho acadêmico voltado à construção do conhecimento através do método científico, enquanto o bacharelado em medicina e a residência são voltadas à aplicação prática de um conhecimento já estabelecido. Nesse sentido está correta a sua comparação já que o DOUTOR é pela raiz da definição aquele que detém e produz o conhecimento e não aquele que o aplica.

Jonas Gitz sua profissão 25/11/2012 20:13

claro e essa longa formação garante que 50% do material de pesquisa dos médicos sejam descartados por erros grosseiros de estatística.... Não vá achando que tempo de formação faz alguma coisa.

Dr. Sonia doutora em genética 25/11/2012 21:22

RICARDO MOREIRA, me parece que esta um pouco revoltado com a lei, acha que é injusto? procure se informar melhor, pra nao opinar com argumentos ridículos! mestrado a distancia? doutorado 2 anos? eu nao sei onde encontrou isso, a menos q ofereça isso na sua faculdade que deve ser de quinta! pq eu defendi uma dissertação de 2 anos para obter título de mestre, mais 4 para obter o de doutor e mediante muito trabalhos publicados em revistas, fui qualificada por uma banca de alto gabarito. Minha graduação em biologia tb foram de 5 anos. Eu escolhi isso, sou doutora pq eu quis seguir em frente, batalhei, estudei, por 10 anos, e agora sou pós doc. Se vc quiser colocar no seu precioso jalequinho Dr. Ricardo faça como eu fiz, faça doutorado, se for esforçado e tiver publicações, pode ate pular a etapa de mestre, mas consiga o título de doutor por mérito, nao fiquei desmerecendo quem nao faz medicina, pq qq uma das profissões tem profissionais medíocres, como creio que vai ser. Imagino que vc é um daqueles estudantes rídiculos que anda de estetoscópio no pescoço e jaleco bordado o nome dentro dos restaurantes e lanchonetes... cresça e apareça... se quiser conseguir ESSE NOBRE TÍTULO EMPENHE-SE E ESFORCE-SE é pouco 6 anos de graduação e 4 de residencia.

Dr. Sonia doutora em genética 25/11/2012 21:25

RICARDO MOREIRA, me parece que esta um pouco revoltado com a lei, acha que é injusto? procure se informar melhor, pra nao opinar com argumentos ridículos! mestrado a distancia? doutorado 2 anos? eu nao sei onde encontrou isso, a menos q ofereça isso na sua faculdade que deve ser de quinta! pq eu defendi uma dissertação de 2 anos para obter título de mestre, mais 4 para obter o de doutor e mediante muito trabalhos publicados em revistas, fui qualificada por uma banca de alto gabarito. Minha graduação em biologia tb foram de 5 anos. Eu escolhi isso, sou doutora pq eu quis seguir em frente, batalhei, estudei, por 10 anos, e agora sou pós doc. Se vc quiser colocar no seu precioso jalequinho Dr. Ricardo faça como eu fiz, faça doutorado, se for esforçado e tiver publicações, pode ate pular a etapa de mestre, mas consiga o título de doutor por mérito, nao fiquei desmerecendo quem nao faz medicina, pq qq uma das profissões tem profissionais medíocres, como creio que vai ser. se quiser conseguir ESSE NOBRE TÍTULO EMPENHE-SE E ESFORCE-SE é pouco 6 anos de graduação e 4 de residencia.

Glauber Costa sua profissão 25/11/2012 23:55

Brilhante...

CATIA MATTOS estudante 26/11/2012 0:58

Parabéns Dr. Sonia-doutora em genética,foram sábias as suas palavras.Quem quiser conseguir esse nobre título tem que se empenhar e esforçar-se bastante.E foi uma deselegância do Sr. Ricardo Moreira falar com indiferença de uma profissão tão importante como a pedagogia.

Sr. Carvalho cientista social 26/11/2012 1:28

Entendo seu apego pelo uso do título de doutor. No entanto, não precisa desmerecer a formação acadêmica de outrem para valorizar a sua. Em geral, uma graduação dura quatro anos. Um mestrado (nunca conheci ninguém que tenha feito mestrado a distância, pra ser sincero), dura cerca de dois anos. Um doutorado, dura em média entre quatro e cinco anos. Vamos somar: 4 2 5 e teremos 11 anos de estudo para se ter um doutor. Como graduação, mestrado e doutorado não se faz atropelando (geralmente) temos um tempo até mesmo maior para se formar um Doutor de verdade. O Médico vale muito. E de fato reconhecemos o seu esforço para ser MÉDICO. Agora estudar para ter o título de Doutor é outro tipo de esforço igualmente digno, não acha?

Cássio Baptista Estudante 26/11/2012 2:08

Dra. Sônia, concordo com a Sra. ao replicar o Sr. Ricardo Moreira que desmereceu profissionais não médicos ou não bacharéis em direito, mas também acho medíocre que a Sra. tenha perdido seu tempo defendendo a \\\"nobreza\\\" do título de DOUTOR, uma vez que muitos o possuem, mas nem todos são \\\"dignos\\\" de usá-lo, pois se importam mesmo apenas com o TÍTULO.

Andre Rodrigues Biólogo 26/11/2012 14:11

6 anos de medicina não dizem nada. Na verdade você estudou 4 e ficou 2 anos em estágio, chamado de internato. 4 anos de residência? Residência é um tipo de ESPECIALIZAÇÃO, você não precisa de fazer residência pra obter registro no CRM e exercer sua profissão. Faz residência QUEM QUER. Pedagogia são 4 anos, tempo mínimo da ampla maioria dos cursos de graduação e tempo de curso não determina a sua dificuldade. Essa é uma ignorância tremenda dizer que cursos de 6 anos são mais \\\"difíceis\\\" que de 5 e os de 5 mais difíceis que de 4. Ah, e doutorado são 4 anos, que na maioria das vezes só são iniciados após concluir 2 anos de mestrado. Pare de falar asneiras. Ser chamado de doutor é tão importante para o seu ego? Faça doutorado então, meu caro.

Ivan Pachkov Médico 26/11/2012 14:46

Faz isso sim, aí você vai ser doutor em Pedagogia, e não médico, somente.

Rodrigo A. Toledo Prof. Dr. 26/11/2012 14:49

Concordo com muitas e discordo de tantas outras opiniões aqui emitidas. Tenho 5 anos de graduação, 1,5 de especialização, 2 de mestrado e 4 de doutorado. No total, são 12,5 anos de estudos de nível superior. Independentemente da carreia, o portador do título de doutor deve ter realizado pesquisa original, apresentado para uma banca de examinadores doutores e, ai sim, ter obtido o título de doutor. Todos os profissionais das outras carreiras que não tenham passado por esse, digamos, processo, não podem ostentar o título de Doutor. A diferença de um pesquisador doutor, geralmente, chega até a essa titulação não por buscar status, mas para responder a questões científicas, ou problemas relevantes para a sociedade.

Dr. Pavlov Docente 26/11/2012 19:16

Disse tudo... gostei da parte do jalequinho... poderia acrescentar o dicionário que parte dos médicos (e não doutores) mantém sobre a mesa para poder prescrever medicações.

Karen Salvador Estudante de Psicologia 26/11/2012 19:38

Me desculpe Ricardo , mas não é merito de graduação nem de profissão ser Doutor, Doutorado é um titulo que deveria ser usado somente na Academia , assim como o mestrado. Fora do meio academico eu vou ser psicologa e voce médico, o pedadogo é pedagogo fora da universidade! Simples assim. Tb não acho justo comparar tempo de graduação essa foi sua escolha mas não tira o mérito de quem passa 4 ou 5 anos na universidade. São conhecimentos diferentes e de importancias diferentes na sociedade. O mundo não vive só de médicos como muitos acham!

Adler Guilherme Viadana Geógrafo 26/11/2012 19:56

Sr. Ricardo Moreira fiz licenciatura, bacharelado em Geografia pela FFLCH da USP (5 anos). Especialização em Biogeografia (1 ano). Mestrado em Biogeografia (4 anos) na UNESP/IGCE/DG e Doutorado em Biogeografia na USP (5anos). Foram 15 anos de estudos, pesquisas e tese original. Acho uma ofensa bacharéis em Medicina, Direito, Odontologia serem chamados de Doutores. Doutor é quem fez doutorado. Tente fazê-lo. Grato.

Ana Salles pedagoga 26/11/2012 21:01

4 anos de pedagogia!

Francisco Alves professor 26/11/2012 21:08

Você está certo, porém, na maior parte dos programas de pós-graduação, no Brasil, para a admissão no doutorado é exigida a conclusão do mestrado.

Francisco Alves professor 26/11/2012 21:16

Cara colega Sonia, brilhante a sua resposta. Apenas uma pequena correção pós doc não é titulação, como graduação, mestrado, doutorado. Pós Doc é apenas um registro que suas atividades de pesquisa se estenderam para outros centros de pesquisa e não pararam com a elaboração da sua tese de doutoramento. Ele indica, assim como as publicações, que você é uma pesquisadora ativa em determinadas áreas do conhecimento. É que hoje em dia está ficando comum se perguntar a titulação e responderem 1, 2 ou 3 Pós Docs., o que é incorreto, porque um Pós.Doc numa instituição reconhecida de pesquisa no Brasil e no Exterior é feito em menos de 6 meses. Basta atestar que ficou durante um certo tempo, trabalhando com um grupo de pesquisa em determinado centro de pesquisa, que é considerado Pós doutoramento.

Guilherme Rodrigues Sociólogo 26/11/2012 21:30

Curso doutorado atualmente. Não chamo médicos e advogados de doutores por respeito ou admiração, mas apenas por convenção. E não estou nem um pouco preocupado com o tão venerado título de doutor. Para mim, isso não tem importância. Aliás, discussão idiota esta daqui. Os doutores por convenção (médicos) e os doutores por direito (aquele que tem doutorado) devem ter questões mais importantes para debater, não?!

Corneteiro Virtual sua profissão 27/11/2012 0:55

Quanto preconceito em sua colocação. Atitudes como essa só aumentam a verdadeira repulsa que a medicina, em especial os médicos, tem despertado na sociedade.

Roberta Mariano Bióloga 27/11/2012 18:04

PARABÉNS pela resposta Dra. Sônia e Andre Rodrigues! Disseram ao Ricardo Moreira tudo o que desejei dizer! Assinado: Roberta Mariano, Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas, Mestra e Doutoranda em Ecologia.

Fa goes Bióloga 27/11/2012 18:20

Para alguns cursos (no Brasil) é obrigatório sim.

Fa goes Bióloga 27/11/2012 18:27

Me desculpa Ricardo. Mas o Doutorado dura 4 anos (em alguns casos 3 e meio). Se vc somar 4 anos de graduação (geralmente) mais 2 de mestrado e 4 de doutorado dá a mesma coisa que um curso de medicina, porém o título não é por tempo de estudo mas sim pela complexidade deste. Não dá p/ comparar. De todo jeito residencia médica (muito menos graduação em medicina) é doutorado e nem tem mais importância que este. Chamar um médico de doutor é cultural, mas não correto.

Viviane Mottin Biologa 27/11/2012 18:57

Prezado Ricardo Moreira, para uma pessoa receber o titulo de Mestre é necessário que sejam realizados algumas atividades junto a uma Universidade Federal, e não a distância, ao longo de dois anos. E para o titulo de Doutor é necessário completar várias atividades vinculadas a uma Universidade Federal ao longo de quatro anos e não de dois. Sendo assim um profissional que desenvolva toda uma carreira acadêmica só o completa após os 4 ou 5 anos de graduação, 2 de mestrado e 4 de doutorado, somando de 10 a 11 anos.

karina santos silva professora 27/11/2012 19:28

também concordo, chega de míseros advogados serem chamados de doutores, mas pelo menos começa de algum lugar né..quem sabe depois dos médicos será a vez dos advogados, dos delegados, e dos juizes que não possuem o título de doutores.

José Perez professor 27/11/2012 19:45

mestrado a distância!! Doutorado em dois anos!!! Onde existe isso???? Cadê a dissertação, a tese de doutorado. a banca examinadora???? francamente...Os seis anos não mostraram muito sobre acadêmia e o que é um título acadêmico.

Cassiana Sousa Bioquímica 27/11/2012 20:10

São necessários 4 anos (e não 2) e defender um tese muito bem fundamentada para se ter doutorado. Eu fiz 4 anos de graduação, 2 de mestrado e 4 de doutorado. Tenho muito orgulho do meu título.

Bruna Almeida Nutricionista 27/11/2012 20:11

Ricardo!!! Doutor não é pronome de tratamento e sim titulo acadêmico, portanto Doutor, só quem faz Doutorado!!

Ana Souza pedagoga 27/11/2012 20:30

Sr.Ricardo Moreira,infeliz referência a sua!Não sei se o senhor estaria escrevendo aqui se não houvesse um insignificante pedagogo no seu passado. Se chegou a qualquer formação superior (já nem tenho tanta certeza),obrigatóriamente usou da formação de pedagogos. Não me sinto diminuida por ser pedadoga,mestra e doutora,sinto-me ofendida por tê-lo como semelhante! Semelhante a quê????????????

Daniela Duarte Doutoranda 27/11/2012 20:46

Muito bem Bruna. Doutor não é pronome e ponto final. Quem faz questão de te-lo, por favor, faça por merecer! Por fim, acredito que quem faça doutorado não esta preocupado com o título e sim em seguir uma carreira científica.

Rafael Bastos Engenheiro 27/11/2012 22:23

Que doutorado você cursou??? mestrado é sim pré-requisito....

Melissa Fernandes sua profissão 27/11/2012 23:06

Sobre os bacharéis em Direito: O título de doutor foi concedido aos advogados por Dom Pedro I, em 1827. Título este que não se confunde com o estabelecido pela Lei nº 9.394/96(Diretrizes e Bases da Educação), aferido e concedido pelas Universidades aos acadêmicos em geral. A Lei de diretrizes e bases da educação traça as normas que regem a avaliação de teses acadêmicas. Tese, proposições de idéias, que se expõe, que se sustenta oralmente, e ainda inédita, pessoal e intransferível. Assim, para uma pessoa com nível universitário ser considerada doutora, deverá elaborar e defender, dentro das regras acadêmicas e monográficas, no mínimo uma tese, inédita. Provar, expondo, o que pensa.A Lei do Império de 11 de agosto de 1827: ?cria dois cursos de Ciências jurídicas e Sociais; introduz regulamento, estatuto para o curso jurídico; dispõe sobre o título (grau) de doutor para o advogado?.

Mauricio Darkmonte Médico 28/11/2012 0:26

HOOOO DR SONIA!!! A SENHORA PODE ATÉ SER HONORIOS CAUSA, MAS JAMAIS, NUNCA E SOMENTE NUNCA MESMO VAI TER UMA REMUNERAÇÃO QUE SE EQUIPARE A MEDICO NENHUM... QUE ADIANTA TER ESSE TEL TÍTULO DE DRº E GANHAR UM SALÁRIO MEDÍOCRE E AINDA NÃO SER RECONHECIDA PELA SOCIEDADE... APOSTO QUE É FRUSTRADA, DEVE TER TENTADO VÁRIAS VEZES VESTIBULAR PARA MEDICINA E NUNCA CONSEGUIU PASSAR NÉ? ESTUDE MESMO, MAS ESTUDE MUITO, PORQUE COMO BIOLOGA VAI GANHAR MERRECA!!! HÁ, OS MÉDICOS SEMPRE E PARA TODO SEMPRE, SEMPRE VÃO SER CHAMADOS COMO DRº PELA SOCIEDADE E A SENHORA, NUNCA!!! A NÃO SER PELOS SEUS COLEGUINHAS DE TRABALHO....

Pedro Santos Doutorando em Medicina 28/11/2012 0:39

Pode ser feito doutorado direto. Da graduação direto para o doutorado, sem mestrado. cada Programa de Pós-Graduação tem seus requisitos, na USP onde faço Doutorado Direto eu já havia publicado um paper em revista com alto fator de impacto na graduação. Isso me proporcionou passagem para o doutorado sem ingresso no mestrado.

Juliopau Noseu Cu sua profissão 28/11/2012 0:59

ridiculo! vc esta ridicularizando essa profissão

Lucas Corrêa estudante 28/11/2012 1:38

Na verdade para se tornar juiz, não é necessário ter passado na prova da OAB, e sim trabalhar no mínimo 3 anos em qualquer atividade jurídica, para aí sim poder fazer a prova pra juiz.

Eduardo Cardoso sua profissão 28/11/2012 2:40

Prezado U. O. Santos, respeito sua opinião, mas carece de fundamentação: Há 3 tipos de doutores do Brasil, o médico, cuja origem vem do inglês \\\"doctor\\\"; o que vem do título emitido pela CAPES, para quem tem o diploma de doutorado e para o advogado e é aí que eu chamo a sua atenção. Dos três, o único título de doutor que advem de lei é o do advogado (e não para o bacharel), visto o decreto Lei de 11 de agosto de 1927, que instituiu os cursos jurídicos no Brasil. Em seu art. 9, que concede o \\\"grào de Doutor, que será conferido áquelles que se habilitarem som os requisitos que se especificarem nos Estatutos\\\". Assim, justifico que o advogado PODE sim ser chamado de doutor, pois a refereida lei NÃO FOI REVOGADA! Abraços

luiz fernando sua profissão 28/11/2012 2:59

pelo que escreveu, vc nao sabe o que é! Vc sabe o que é uma tese? onde vc faz 2 anos de dout?

Dr. Sonia doutora em genética 28/11/2012 3:14

Eu sei disso Professor, que pós doc nao é título, eu somente quis ressaltar o tempo que passei me aperfeiçoando e trabalhando em prol da pesquisa. N a verdade eu escrevi tudo aquilo no calor no momento e da raiva de ver pessoas como este estudante Ricardo desmerecendo as outras profissões. Meu título nao é status pra mim, só que tem hora que é preciso lembrar alguns, que para consegui-lo nao é fácil pra ninguem

Dr. Sonia doutora em genetica de microorganismos 28/11/2012 3:23

Realmente o Sr. Ricardo esta completamente equivocado! FAlando um absurdo desses, nota-se que trata-se de uma pessoal totalmente alienada, e ficam as perguntas . Como passou no vestibular? e que tipo de profissional será? Será que vai conseguir defender uma tese de doutorado? Pq certamente meu amigo, veras que nao é tao fácil como pensas, ou como foi seu vestibular para medicina

Dr. Sonia doutora em genetica de microorganismos 28/11/2012 3:26

Hj nao é mais pre- requisito Rafael, mas para cursar o doutorado direto, tem que ter um curriculum brilhante, com Iniciação científica, publicações, passar por um prova de conhecimentos específicos, enfim uma serie de burocracia, e o doutorado devera ser feito em 4 anos

Dr. Sonia doutora em genetica de microorganismos 28/11/2012 3:41

Medíocre meu salário? mediocre é o senhor. Respondendo suas gentis palavras, em primeiro lugar nao interessa meu salario, mas para responder a sua réplica acho que deveria se informar melhor sobre o salario de um pesquisador, posso te garantir que nao passo fome e quando precisar de um profissional da saude tenho condiçoes de ser atendida pelo melhor, o que significa que jamais vou precisar cair nas maos de um amador como o senhor se mostrou! em segundo lugar nunca prestei medicina, pelo contrario, todo ano forma turmas e turmas de medicos que espero sinceramente que nenhum seja como o senhor, que ao invés de pensar em ser um ótimo profissional pensa na remuneração. eu nao preciso mais estudar, eu ja cheguei no topo, infelizmente ja devo ter contribuído para a formação de muitos medíocres como voce, agora o senhor meu caro se quiser ser doutor de verdade e nao por convenção talvez ainda há tempo de fazer doutorado, se nao for nenhum velhote gaga, pode ser que seja capaz de defender uma tese. Por hora meus caros, eu estou com tempo para ficar debatendo, e estou AMANDO ver essa classe de hipócritas (os medicos) nao generalizando claro, mas incluindo o senhor, ve-los gritando eu sou DOUTOR SIM, dona Maria, seu Zé, sempre me chamaram assim, eu acabei acreditando!!!! Respondendo sua ultima perguntinha, vc pode ter certeza que nao sou somente reconhecida pelos meus coleguinhas, meu trabalho ajudou os seus coleguinhas, e te garanto que os mais informados me conhecem!!! Tente se informar melhor, o senhor foi totalmente infeliz no seu comentario

Dr. Sonia doutora em genetica de microorganismos 28/11/2012 3:44

quero ressaltar que todo esse discurso foi para o nobre colega Mauricio Darkmonte , que parece estar demasiadamente equivocado e totalmente infeliz

Dr. Sonia doutora em genetica ( aposentada) 28/11/2012 4:00

Engano seu Cássio Baptista, não estou defendendo a NOBREZA do titulo, estou defendendo a nobreza do esforço alcançado para atingi-lo. Pq lembro de noites mal dormidas, preocupada com experimentos que nao deram certo, se a bolsa foi aprovada, pq caso fosse negada, nao teria como continuar meus estudos, minha pesquisa, minha responsabilidade, agora meu um ZÉ RUELA desmerecer isso? E quanto ao meu tempo nao se preocupe sou aposentada e estou adorando defender minha classe!! nao é mediocridade defender o que se acha certo e justo.

Marcelo F Músico 28/11/2012 4:14

Mandou muito bem Maurício!!!!!Talvez se a Dr Sônia sair de craxá na rua ela irá ser considerada Dr.quem sabe?

Dr. Alexandre Professor Doutor 28/11/2012 8:34

Faça isso. Um profissional babaca a menos.

Marcelo F Músico 28/11/2012 10:15

Gostaria de parabenizar a todos que deram muito duro e fizeram doutorado p/se tornarem doutores,porém parabenizo também a todos os médicos por já nascerem doutores,verdadeiros guadiões da vida.

Jacques Brumatti arquiteto 28/11/2012 12:10

ahaha. Excelente resposta!!!

Laís Coelho Quintino Estudante 28/11/2012 12:29

Não desvalorize a nobre profissão de ser professor. Se não fossem eles não existiriam os médicos os advogados, os doutores. Se vc fez medicina e quer ser chamado de DOUTOR, já que é o título que te importa, faça doutorado que assim de verdade será doutor.

Maria Izabel Lopes socióloga 28/11/2012 12:51

Olá Ricardo. Talvez vc fosse um ótimo professor depois de ter estudado pedagogia e fazendo seu doutorado. Não tenha atitudes de desprezo por quem o ajudou a chegar onde chegou. É assim que nossa educação não avança. Faça bem a sua profissão e dê méritos a quem os mereçam. Isso serve também aos médicos que lidam com pessoas, muitas vezes desesperadas.

Bruno Camolezi Geógrafo 28/11/2012 13:21

Parabéns pela sua resposta, tem todo o apoio!

Paulo Engenheiro Engenheiro Civil 28/11/2012 14:11

Parei de ler no \\\"ALIAIS\\\"...

ROSA MUNIZ PROFESSORA 28/11/2012 15:45

TEM SIM, OS TAIS MINTER PARA MESTRADO E DINTER PARA DOUTORADO QUE NO MEU PONTO DE VISTA É UM DESRESPEITO COM QUEM FEZ O MESTRADO E O DOUTORADO TRADICIONAL. E O PIOR, A MAIORIA DESSES SE ACHAM OS TAIS...

ROSA MUNIZ PROFESSORA 28/11/2012 15:48

ESSE SE ACHA. DEVE SER UM DESSESMÉDICOS QUE COMETE ATROCIDADES...

Sandro Santos sua profissão 28/11/2012 16:02

Faz isso mesmo Ricardo Moreira, essa prepotência dos médicos começa por ai...se acham mais do que os outros, foda-se se é médico ou pedagogo, o titulo é igual, passam pelos mesmos processos burocráticos... Na Física, se ferram 10 vezes mais e não ficamos chorando ai, em nem fazem muita questão de ser chamados de Dr, quem realmente faz doutorado faz pela relevância na comunidade cientifica, e não por status igual os \\\"Doutores médicos\\\". Que piada

Roberto luis sua profissão 28/11/2012 17:08

que residência é essa de 4 anos?? me diz qual e onde??? sou da profissional de saúde e quero fazer..

Dr Daniel Droutor 28/11/2012 18:08

Na realidade os Juízes são chamados formalmente nas petições de, Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito....E oralmente de Meritíssimo ou Excelentíssimo.

Gilci Souza sua profissão 28/11/2012 19:04

Exato, é apenas um título, e cabe aos outros decidirem se vão te chamar de doutor ou não. Percebe-se que os \\\"doutores\\\" se importa m mais com o status que o título dá do que com as pesquisas que deveriam fazer.

Ryan Henrique Engenheiro 28/11/2012 23:03

Lamentável esse comentário. Estuda pra ter um titulo em vez de uma profissão!? E ainda menos preza o curso de pedagogia dos outros . Comentário infeliz :/

Carla Araújo sua profissão 29/11/2012 1:05

Ah, claro, porque, em sua opinião o curso de medicina é mais valioso que o de um pedagogo, não é isso? Então, só para lembrar, se não fosse a pedagoga, aquela que te ensinou a pegar um lápis e escrever o alfabeto, você não faria os 6 anos de medicina e os 4 de residência a ponto de ser chamado, do alto da sua significância, de doutor. E, por sinal, são necessários 4 anos para se concluir um doutorado e, te garanto, é tão difícil quanto uma faculdade de medicina pode ser.

Matheus Gonçalves Estudante 29/11/2012 1:28

Pois então Sr. Mauricio Darkmonte, muito me entristece um profissional com seu cargo fazer um comentário tão infantil... Ahh eu ganho mais você não... Por favor né, no minimo não deve ser médico, pois com uma mentalidade tão infantil não deva ter concluido um curso de medicina. E caso queira Saber, a Dra Sonia possa ter um reconhecimento maior que o seu pois a sociedade científica é muito superior do que o seu cargo de médico, no mínimo, si é que você é mesmo médico, deve ser reconhecido simplesmente na sua cidade ou pelos fato dos outros te apresentarem. Doutor é quem faz doutorado.

ana shirley Técnica em Radiologia 29/11/2012 1:45

Parabéns Dra. Sonia por sua resposta,acho justo essa mudança,cada um no seu espaço e identificado.

seu nome Biologo 29/11/2012 3:45

certamente você deve se chamado de Dr genio...

Albino Fonseca Médico 29/11/2012 4:51

Não existe essa obrigatoriedade. No Brasil essa prática ainda é usual. Em outros países, não. Basta fazer o doutorado e ter o \\\"PhD\\\", que significa o nosso doutorado.

Robson Medeiros Estudante de Eng. Civil 29/11/2012 14:39

Dr. Sonia, brilhante suas réplicas e argumentações. É um absurdo que existam profissionais com mentalidades semelhantes as de Ricardo Moreira e de Mauricio Darkmonte. E, por se tratarem de médicos, ou estudantes de medicina, enfim, que na sua atuação profissional têm, ou terão, uma responsabilidade enorme em tratar diretamente com vidas, creio que pelo perfil que apresentaram com o nível de seus comentários aqui, tal carreira não é a mais adequada para eles.

f. t. sua profissão 29/11/2012 15:03

Facio mihi verbum tuum Disse tudo, Doutora!

Elielton Cavalcante Acadêmico de Medicina 29/11/2012 15:18

o curso de medicina dura 6 anos e em período integral, os cursos em licenciatura em sua maioria duram 4 anos tendo aula em apenas um turno, direito dura 5 em apenas um turno. P/ uma pessoa passar em medicina numa universidade pública estuda em média 2 anos de cursinho pré-vestibular, enquanto q a grande maioria dos cursos de licenciatura e muitos dos bacharelados os vestibulandos passam de primeira e sem cursinho. Quando uma pessoa se forma em bacharel em medicina e ele estudou em média 8 anos em período integral - pq desde o preparatório pre-vestibular se estuda o dia inteiro e todos os dias - somando a residencia médica q varia de 2-6 anos mais 2 anos de mestrado e mais 2 de doutorado em média, ou seja, um médico só consegue terminar o doutorado 14 - 18 anos após o fim do ensino médio. Enquanto que os que ingressaram em outros cursos conseguem terminar o doutorado com 8-9 anos anos após o fim do ensino médio.

Carol Trindade musicista 29/11/2012 16:02

Pouco me importo do que são chamados, desde que exerçam com responsabilidade, prudência e dedicação suas respectivas funções! Mas estou achando o máximo essa disputa de egos! No fim, todo mundo quer ser aclamado. Portanto, doutores, auto proclamem-se como quiserem, mas vamos deixando de recalque... À Dra. Sônia: a senhora não precisa disso. Supera, fia! Ao Dr. Maurício: O senhor será sempre doutor pra sua mãe, seu Zé e dona Maria. Sorria, bebê! Vida que segue...

nubia lima estudante 29/11/2012 19:59

JÁ TÁ NA HORA DE CADA UM ASSUMIR DE VERDADE SUA PROFISSÃO. SOU ESTUDANTE DE FISIOTERAPIA E VOU USAR COM MUITA HORRA FISIOTERAPÊUTA NO MEU JALECO. FAÇA O MESMO AMIGO AFINAL TAMBÉM TEM MUITO MÉDICO ERRANDO E DIZENDO QUE A CULPA É DE OUTROS PROFISSIONAIS.

Odilo Kreutz sua profissão 29/11/2012 20:02

Enquanto se tratar com tal ironia os educadores, o título de doutor deverá ficar mesmo para qualquer picareta.

seu nome sua profissão 29/11/2012 21:29

Vai fazer música!! Isso ... CORRE!!

seu nome sua profissão 29/11/2012 21:30

O comentário acima foi para o dito Músico Marcelo F. rs

seu nome Doutorando 29/11/2012 21:37

Elielton Cavalcante você se esqueceiu de colocar os anos de trabalho social, as tardes que você passou no ensino fundamental praticando música, tendo inglês, e outras atividades da boa escola particular que você fez e outros médicos fizeram poxa!! Sem tirar os sábados e domingos que iam ao cinema e peças de teatro ... Olha, somando tudo dá uns 30 anos de estudo até o ensino médio viu!! Pode apostar!! rsrsrs

seu nome sua profissão 30/11/2012 1:06

Eu faço parte de uma equipe de saúde e confio mais nas enfermeiras do que nos médicos, pq vivem fazendo m.. com os pacientes

Lanuza Carnaúba Historiadora 30/11/2012 1:39

Ricardo, Só uma ressalva: uma graduação tem em média 4 anos, mestrado 2 e doutorado mais 4. Ou seja, o mesmo espaço-tempo que um médico. Não desconsidere o esforço e o estudo daqueles, que por mérito, receberam o título de Doutor. Assim como não devemos menospreza aqueles que exercem a tão nobre atividade médica. Cada um a seu modo são importantes dentro da sociedade.

Hilda Palhares Engenheira 30/11/2012 18:31

Você é um ridículo!!!Simples assim.

Célia Regina Souza odontóloga 30/11/2012 19:19

Penso que dessa maneira, um profissional deve passar pelo menos uns 15 anos até poder ser chamado de doutor. E que até lá os pacientes vão se referir a ele como? Senhor médico? Senhora dentista? Poupe-me neh. Sugiro que o atual título de DOUTOR passe a fazer parte dos PRONOMES DE TRATAMENTO a todos os profissionais da área da saúde, e aos senhores dvogados. E que para quem fizer DOUTORADO, crie-se um adendo, por ex Doutor honoris, etc. Pq não é justo nem prático, nem sensato, que uma pessoa estude dez anos e ainda não seja \\\"um doutor\\\". Para os pacientes, a pessoa que está cuidando dele é claro que é o doutor, independente dos cursos feitos. Meretissimo e Excenlentissimo tambem são pronomes de tratamento. Que o termo DOUTOR, DOUTORA tbem sejam inclusos. Cadê os reformistas da língua portuguesa, para se expressarem sobre o assunto?

Isis Barros sua profissão 30/11/2012 23:07

Que comentário preconceituoso com as demais profissões... tsi..tsi... Uma ressalva: não existe mestrado à distância nem doutorado de 2 anos... São 4 anos e uma tese para ser doutor!!!!

Luis Santos Geógrafo 30/11/2012 23:36

Não sou pedagogo, mas sei que o curso de pedagogia é de 4 anos... O de geografia tem 5 anos e saímos com 2 habilitações: bacharelado e licenciatura... depois mais 2 anos de mestrado e mais dois de doutorado... apesar de que eu já ouvi fala que tem curso de mestrado que tem mais de 2 anos....

Fabio Teixeira Adminstrador 01/12/2012 0:04

Célia Regina Souza. Doutor nunca será um pronome de tratamento justamente por ser um título acadêmico, a confusão não pode existir. \\\"Doutor\\\" começou a ser utilizado como pronome de tratamento no Brasil por motivos culturais a partir da colonização. Como a população era extremamente pobre, rural e o analfabetismo era regra, os humildes chamavam de \\\"Doutor\\\" qualquer pessoa com muito estudo, ou até mesmo que aparentava ter muito estudo. Não é coincidência que advogados, médicos e delegados passaram a ser conhecidos como \\\"Doutor\\\", esses profissionais eram os que tinham mais contato com as classes menos favorecidas. Décadas fizeram esse termo parecer normal e os profissionais, por vaidade, se apegarem a esse tratamento que, por ironia, foi concedido não por comunidades científicas e sim por analfabetos.

Antônio R. S. Eng. 01/12/2012 14:33

\\\"HONORIOS CAUSA\\\"?.... Honorios?... Bem, és \\\"médico\\\".

Célia Regina Souza odontóloga 02/12/2012 17:45

Caro Fabio, se esse termo é usado desde a colonização, são séculos. Sugiro a reforma da língua, pois como seriam tratados pelos pacientes os que se formam e desde a faculdade já estão lidando diariamente com os mesmos, no caso dos médicos, lidam com a vida e morte de pessoas. Não seria melhor alterar o nome do título acadêmico, que é usado por poucos, para evitar a confusão?

Mônica Santos sua profissão 03/12/2012 21:14

Engraçado que o cara não sabe nem a duração de um doutorado... Comentário extremamente preconceituoso o seu, como se a medicina estivesse num patamar acima. As residências de 2 anos você nem comentou, né? Minha graduação durou 5 anos, meu mestrado 2 e meu doutorado 4, totalizando 11 anos de estudos. Graduações e mestrados ruins e curtos existem em todo lugar, inclusive na medicina. Comparação ridícula a sua.

Célia Regina Souza odontóloga 03/12/2012 21:50

rss disse que sugiro a criação de um termo adicional à palavra \\\"doutor\\\", que identifique que o profissional fez o doutorado, pois é culturalmente dificil que as pessoas não tratem os medicos ou dentistas, pelo termo doutor. :)

Didz Maia Estudante 05/12/2012 19:39

Pelo visto, vc faz questão de um título e não tem qualquer interesse na profissão... PS: Não pense que é fácil fazer mestrado / doutorado. Vc simplesmente desrespeita outras profissões, hierarquizando a sua como se fosse superior. PS2: Espero mesmo que faça pedagogia, assim vc saberá quanto ganha um PROFESSOR em relação ao salário de um médico...

Diego Nunes Matemático Aplicado 06/12/2012 12:25

4 anos de doutorado!

Maria Luisa estudante 07/12/2012 1:13

sao 4 anos de doutorado.

ernani lampert professor universitário 18/12/2012 19:18

Parabéns pela excelente inciativa e coragem. O título de doutor cabe a quem defendeu tese de doutorado e foi aprovado. Este é doutor, mas não o pessoal da saúde, advogados, engenheiros. Deveria haver penalidade para estes profissionais que utilizam, de forma inadequada, o título de doutor.

José Antonio Doutor em Biologia 14/01/2013 14:55

Prezado Sr. Médico. Sua profissão é de alto valor para a sociedade, isto é inquestionável. No entanto gostaria de ressaltar que August Comte (1798-1857) dividiu a Filosofia em 7 grandes ciências, são elas: Química, Física, Matemática, Biologia, Astronomia, Sociologia e Psicologia. Não encontrei a Medicina entre estas ciências. O Sr. sabe qual a razão? Por que a medicina é a Biologia e a Química aplicadas. Retire estas duas ciências da Medicina e veja o que resta. Se o Sr. passou para uma Faculdade de Medicina, agradeça aos seus professores, inclusive os professores de Biologia que Sr. parece manter um certo desprezo. Tenho diversos alunos médicos e dentistas, e todos me chamam de Professor. Perceba que respeito se conquista e não se impõe. Um Doutor não está preocupado com salário, mas com sua contribuição para uma sociedade mais justa e igualitária. Será que seu carro, seu imóvel, seu alimento, suas roupas, a educação de seus filhos e tudo que o Sr. e sua família utilizam foram resultados da produção de médicos. É claro que não, portanto sugiro que o Sr. retorne à Academia para aprender com Doutores questões éticas e humanitárias.

Rodrigo Rodrigues Estudante. 14/01/2013 15:24

Melhor comentário até agora. :)

Alexandre Augusto Médico 14/01/2013 19:47

Não entendo qual é a mágica em torno do título de doutor... é apenas um título nada mais. Mesmo sendo médico muitos dos meus pacientes me chamam pelo nome e eu considero isso muito melhor do que ser chamado de doutor...muitos o fazem até por eu ser muito novo (26 anos). Só para esclarecer os médicos são chamados de doutores porque nos EUA os médicos bacharéis ganham o título de MD (medical doctor) o que influenciou o modo como somos tratados aqui no Brasil. Acho rídiculo essa briga para se ganhar um título que não vale nada nem impoem nem um tipo de respeito...

Alexandre Augusto Médico 14/01/2013 20:00

Outra curisiodade...quando se completa o doutorado o correto é se identificar como o José Antônio acima...Nome e area pela qual realizou doutorado. Ex: Fulano, doutor em tal area. Então quem coloca Dr. antes do nome está sendo ridiculo da mesma forma.

Rodrigo Hardt Dr. Engenharia Mecânica e Empresário 14/02/2013 3:03

Vejo um monte de médicos aqui fingindo que não ligam para a titulação e que o importânte é o salário. Estes (excluo os bons médicos que tem o dom para trabalhar com pessoas e são humanitários) que respondem desta forma são hipocritas, pois se não ligassem não estariam aqui perdendo seu tempo argumentando. Dr. Sonia, você foi excelente em suas palavras. PONTO 1___DOUTOR é que faz doutorado e isso deve ser valorizado, porque o que fica na historia são os trabalhos e pesquisas feitas por estes profissionais que dedicaram parte de suas vidas para contribuir de forma a deixar algo para as proximas gerações. Os médicos trabalham com vidas humanas e isso deve ser valorizados, mas não dá a titulação de Dr., pois apenas executa sua profissão (que é ótima por sinal). Dr. é aquele que contribui com pesquisas que possam ser usadas para melhorar o mundo, as condições de vida das pessoas, etc, seja em qualquer área., até mesmo em quem se empenha em fazer doutorado na medicina e temos muitos exemplos de profissionais médicos doutores que deixaram sua contribuição em pesquisas para a posteridade. PONTO 2 ___Agora meu caro Mauricio, se vangloriar de seu sálário de médico, como se o sálario fosse mais importante que o conhecimento, é realmente uma lástima. Tenho empresa própria e tenho até 2 médicos que trabalham para mim. O que eu ganho em um mês, possivelmente o sr. levaria no minimo meio ano para ganhar e isso chutando que você seja bem remunerado como diz, porque nem todos os médicos assim o são. Nem por isso deixei de estudar. Abri minha empresa após a graduação e continuei me dedicando aos estudos na engenharia, para melhorar meus produtos e até mesmo para contribuir com a sociedade deixando assim publicações úteis para outras pessoas, que possam ser usadas para desenvolver outros produtos ou novos processos, etc. Então não queira obter titulação de Dr. porque \\\"acha\\\" que ganha bem e melhor que os outros. Eu ficaria em depressão se recebesse seu sálário meu amigo. PONTO 3___ Também acha que é dificil medicina, pode até ser...mas não tem nem idéia o que é fazer cursos de engenharia e nem imagina o que é fazer cursos de Fisica e Matemática (parabens a estes profissionais, pq sem vocês a engenharia não seria nada). Desvaloriaza profissionais como a Dr. Sonia que contribui com certeza para a formação de diversos profissionaios. Sem a quimica e biologia atuais, e até a engenharia ( ou quem você pensa que faz toda aparelhagem dos hospitais, proteses, seringas, etc) a medicina estaria fadada a era medieval, onde xaropes e sanguessugas seriam a tecnologia dominante. Bom, desculpem os bons médicos humanistas que realmente tem o dom para ajudar as pessoas e não exercem a medicina simplesmente pelo status de Dr. e dinheiro. A estes deixo minha grande admiração e reconhecimento. Para os outros tipos de médicos só uma colocação parafraseando um filme muito conhecido \\\"Dr. Nunca serão\\\".

Aline Lopes bióloga 02/03/2013 16:42

Fazendo doutorado será doutor, fazendo medicina será medico.

Gerson Bernardo professor 03/03/2013 21:42

Não, vc pode sair direto da graduação para o doutorado...não há obrigatoriedade.

helena DIAS delegada 08/03/2013 22:47

médico é guardião de quê? Ora faça me rir senhor marcelos sei lá das quantas. Profissão mais desmoralizada atualmente, os médicos só tem valor para os da roça, analfabetos, pessoas muito humildes. Nós outros já sabemos da mediocridade dos medicos.

Bruno Carneiro Enfermeiro 04/04/2013 10:47

Brilhante, e parabéns pela determinação.

Jeferson Pereira estudante 14/07/2013 14:07

Dr. Sonia, estive lendo o comentário do Ricardo Moreira e comecei a formular uma resposta a ele. Porém acabo de ler a sua e chego a conclusão que não conseguiria elaborar algo nesse patamar. Uma bela resposta! Parabéns pela conquista de seus títulos.

seu nome sua profissão 14/07/2013 16:27

Para fazer doutorado , necessito obrigatoriamente de ter mestrado prévio . Em algumas universidades , até permitem fazer os 2 juntos; mas não é o usual. Desconheço curso sério , que não tenha esta exigência .

Daniele Rodrigues sua profissão 14/07/2013 17:03

Fico triste e ao mesmo tempo acho graça desse tamanho ego dos profissionais (e aspirantes a) de medicina. Parece que qualquer pessoa que não se formou em medicina é frustado porque não conseguiu esse \\\"mérito\\\" e não porque pode ter sido simplesmente uma questão de escolha!!! É frustrante ver que cada vez mais (não generalizando porque conheço muitos bons médicos), os médicos escolhem essa profissão apenas pelo statos e pela \\\"boa remuneração\\\"... é por isso que a saúde do Brasil está do jeito que está... Tenho vergonha de pessoas como você Maurício Darmonte e voce Ricardo Moreira... Aprendam a respeitar aqueles que não querem ser como vocês; porque ele NÃO QUEREM ser como vocês e estão muito felizes com essa decisão!!!! E não achem que são os donos da razão... porque eu, como profissional da saúde, e tendo muitooos amigos na área, vejo SEMPRE médicos fazendo milhares de prescrições e diagnósticos errados. Porém o ego de vocês nunca vai ser capaz de admitir um erro!!!! Realmente cada vez mais tenho vergonha da arrogância da maioria dessa classe!!!

Rodrigo Gomes Engenheiro 14/07/2013 23:54

Francisco Alves, parabéns pela postagem. Foi a mais consciente de todas.

Janaina Anjos Professora 15/07/2013 0:16

Pois faça!

Fulan Beltran estudanto de engenharia 15/07/2013 18:00

Para o burro que não sabe, para ser doutor tem que ter doutorado. Existe doutorado direto, portanto não é preciso necessariamente ter mestrado. E se voce acha ruim, peça pra OAB mudar, afinal já há precedente agora, burrão.

(quase)Dr. Jorge biólogo, doutorando. 26/07/2013 19:00

Palmas! É isso mesmo!

João Carvalho Estudante 22/01/2014 7:32

Sonia, não estou querendo defender esse Ricardo Moreira, mas acho que você está confundindo doutor (título acadêmico) com doutor (forma de tratamento). Essas são palavras homônimas, e não sinônimas. Como por exemplo, manga (fruta) e manga (de uma camisa). Não é obrigatório chamar médicos, advogados ou seja lá o que for, de doutores. Assim como também não é, para quem possui o titulo de doutor. Não é crime chamar ou deixar de chamar alguém de doutor. Pra mim é só uma palavra, nada mais. Ah, e você fez conta errada: 5 2 4=11, e não 10. :p

Dr. Eriques Silva Biólogo 15/04/2014 12:31

Parabéns Drª. Sonia. Pura falta de conhecimento, um titulo de doutorado demanda muito estudo e abnegação, são no minimo 7 anos além da graduação.

Alex advogado19/01/2006 12:37 Responder

Apenas para conhecimento : O Decreto Imperial (DIM), de 1º de agosto de 1825, que deu origem à Lei do Império de 11 de agosto de 1827, que "cria dois Cursos de Ciências Jurídicas e Sociais; introduz regulamento, estauto para o curso jurídico; dispõe sobre o título de doutor paro o advogado". Ou seja, os advogados são sim doutores pois ainda não houve nenhuma revogação deste decreto, e quanto aos juízes, não aconselho tratá-los de outra forma...mas se um dia o quiserem...fiquem à vontade.

thiago m carvalho físico 19/08/2010 14:05

não estamos mais no império caro senhor advogado... doutor é só quem faz doutorado. não use um título que vc não estudou para conquistar.

Ana Virginia orientadora educacional 30/03/2011 17:28

Prezado Alex, Infelizmente não estamos mais no Império e o pessoal racha de estudar para ter o título de Doutor e alguns profissionais querem usufruir apenas com a graduação? Ridículo para qualquer profissional. Não fez doutorado não é doutor. É médico, advogado, engenheiro, etc... E tenho dito!

Paulo Castro Especialista em Linguistica Aplicada - Analista de Controle 04/04/2011 20:58

Peguei um susto quando fiz a leitura desta \\\"barbarie\\\". Imagino quantos advogados com este \\\"pensar\\\" existem pelo Brasil afora. Vai ver quem nem especilização tem e nem sabem o significado de Lato Sensu e stricto sensu. Querer argumentar um assunto com uma lei datada de 11/8/1827 só pode ser anarquia ou então é burrice mesmo. Respeitem os anos de estudo dos DOUTORES e suas teses apresentadas. Advogado é Bacharel em Ciências juridicas e ponto final. Quer ser Doutor? vai estudar fazer Doutorado.

Fernando Dala Santa Filósofo 11/04/2011 14:34

Decreto imperial??!! Esse é o seu argumento para justificar a bazófia dos \\\"pseudo-doutores\\\"?? Alguns ainda falam que é uma tradição, um costume as pessoas mais simples se rerefirem a advogados e médicos como doutores. Até aí tudo bem, mas quando esses profissionais adotam o Dr. e se apresentam como tal, só existem duas explicações possíveis: ignorância ou vaidade...

Samuca Luiz notário e professor universitário 24/09/2011 23:42

Prezado Fernando, Concordo com você. Tenho formação jurídica, fiz especialização, mestrado e faço doutorado na área jurídica aqui no Brasil. Não sou advogado, pois exerço um cargo público incompatível com o exercício da advocacia, que é uma profissão brilhante. As pessoas me chamam de \\\"doutor\\\" por costume. É realmente uma tradição, assim como acontece com os médicos, dentistas etc. Todos que têm um bacharelado eu chamo de \\\"doutor\\\", até mesmo em razão da reciprocidade (se me chamam sem eu ser, por que não os chamar também?) Mas daí a se auto-intitular \\\"doutor\\\" existe uma distância considerável. Acho lamentável esse pessoal colocar o \\\"doutor\\\" na frente do nome, sem que efetivamente tenham feito o doutorado. Eu vejo com desconfiança um médico, por exemplo, que manda bordar no seu jaleco \\\"Doutor Fulano de Tal\\\". E o pior, tem uma faculdade em Minas Gerais que coloca em shopping center um mural com os formandos em Medicina, dizendo: \\\"Doutorandos 2011\\\". Vê-se que a ignorância vai se disseminando. Enfim, concordo com todos: o tratamento de doutor é somente para aqueles que fizeram o doutorado. Vamos valorizar o empenho e o esforço, sem nos apegarmos a preciosismos e \\\"tradições\\\".

Samuca Luiz notário e professor universitário 24/09/2011 23:56

Ah! Algo louvável que existe na advocacia é a submissão dos candidatos ao exame de ordem, que dá uma verdadeira \\\"peneirada\\\" nos aventureiros. O CRM federal deveria fazer o mesmo com os médicos. Quando temos o azar de pegar um mau advogado, perdemos o patrimônio. Quando pegamos um mau médico, perdemos a vida. Pensemos nisso e levantemos esta bandeira: EXAME DE ORDEM PARA O EXERCÍCIO DA MEDICINA.

Angelo A. C. adminsitrador 28/09/2011 12:45

Caro Alex, leia o comentário de Cláudio Ernst. Angelo

Luiz Machado estudante 09/03/2012 15:36

O senhor Samuca tem toda razão, é o comentário, na minha opinião, mais lúcido...quanto ao Alex, V.Senhoria deva párar de massagear o égo, talvez sofra de baixa auto-estima...sou estudante de Direito e me sinto mal quando alguém me dirigem a palavra dizendo: \\\"voce vai ser doutor\\\"?

Renato Rangel Administrador 05/05/2012 23:15

Por favor, o cidadão só faz ou deixa de fazer algo em virtude de lei. Leiam o artigo 9º do Decreto (DIM) 17874 A, ainda em vigor, para a tristeza de muitos.

Daniela Dondoni Estudante de medicina 17/06/2012 9:56

Caríssimos colegas, vocês só esquecem que um decreto permanece em vigor até o momento em que este é revogado. Como este, apesar de datar de 1827 (época imperial, como dito anteriormente), AINDA não foi revogado, continua em vigor e tem valor legal como qualquer outro.Sendo assim, não sejamos néscios, apesar da obsolência do decreto citado ( e convenhamos obsoleto por obsoleto temos nossa constituição de 88, que há tempos precisa de uma reformulação. Não reforma, REFORMULAÇÃO) este continua perfeitamente legítimo.

Daniel Vieira Enfermeiro 04/11/2012 10:55

Todos no ultimo ano de medicina são doutorandos , assim como os de enfermagem são enfermeirandos. Não tendo como eles utilizarem ou mudarem o nome para ?medicandos?, esta faze do ultimo ano é a que você passa a assumir plantões com o medico no caso de medicina e com o enfermeiro no caso de enfermagem.

WILSON FREIRE Técnico 18/11/2012 22:27

ESTA vai doer! D. Pedro I NUNCA atribiu titulo algum a advogados ou quaiquer bacharéis q NÃO q não tivessem MÉRITOS p isso!!! Caro Alex, você leu o Decreto Imperial de D. Pedrou antes de citá-lo aqui ? DUVIDO ! Então, antes de querer ser \\\"doutor\\\" ? Sugiro q o leia... OU... vc é um destes DEVOGADOS q manipulam a lei, inescrupulosamente, sem o menor carater p poder se AUTO denominar \\\"Doutor\\\", sem ter méritos p isso. Segue o link do decreto q o caro Alex citou e todos poderão observar q em momento algum D. Pedro I chama de Doutor quem não fez por merecer tal titulo: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/revista/Rev_63/Lei_1827.htm NO Art. 9 esta CLARO: DOUTOR é quem faz DOUTORADO ! Art. 9.º - Os que freqüentarem os cinco annos de qualquer dos Cursos, com approvação, conseguirão o gráo de Bachareis formados. Haverá tambem o grào de Doutor, que será conferido áquelles que se habilitarem som os requisitos que se especificarem nos Estatutos, que devem formar-se, e sò os que o obtiverem, poderão ser escolhidos para Lentes. PARABÉNs ao Samuca e ADVOGADOS, feito ele, q se orgulham do seu curso e da importancia q possuem p a sociedade e não saem descaradamente se apossando do q não possuem. Agora, aos falsos \\\"dotôs\\\", terão de conviver c o fim da MENTIRA q apregogam há gerações, se apossando de um titulo q não possuem. De mau carater o país já ta cheio, o minimo q esperamos de profissionais q representam/representarão a lei é CARATER !!! Algo q está em falta no nosso país... Talvez p isso mtos devogados e medicozinhos queiram ser dOtÔ,politicos sejam politicos e façam DIREITO !

Luciene Aguiar Mestre em Linguística - Língua Portuguesa 23/11/2012 17:59

Excelente a réplica de Paulo Castro entre outras que dialogam com a dele, assim como essa tomada de iniciativa para acabar com esse pseudoformalismo com alguns profissionais, que usam como empréstimo um título que não lhes pertence. Só acrescentaria mais uma observação para a exposição da minha indignação: Além de não suportar assistir a advogadozinhos serem chamados de Doutores, sem ao menos saber escrever, ler e falar, e assim envolvo no contexto os outros profissionais como fisioterapeutas, psicólogos, fonoaudiólogos, e outros mais, não suporto mais ainda ver pessoas que detêm um certo poder aquisitivo serem chamados de Doutores. Ou seja, a condição financeira também determina a sua titulação \\\"social\\\". E agora, com essa quantidade de faculdadezinhas espalhadas pelas esquinas afora, que funciona na base do ?entre e fique à vontade quem puder pagar?, a coisa ficou mais \\\"doutorada\\\" ainda. Vejamos um significado bem cabível para \\\"doutorada\\\"...

Mauricio Campos Passaro Engenheiro 24/11/2012 12:40

Thiago, absolutamente certo!

CATIA MATTOS estudante 24/11/2012 19:24

Bom,de qualquer forma,DOUTOR é quem faz DOUTORADO!!! Vamos estudar pessoal!

CATIA MATTOS estudante 24/11/2012 19:35

TEM GENTE QUE QUER SER DOUTOR SEM ESTUDAR .Lembrem-se, Doutor não é mérito e sim um título. O mais interessante é a arrogancia de certos profissionais que praticamente nos obrigam a chama-los de DOUTOR!

Léo Soares Advogado 25/11/2012 16:10

Wilson Freire, o grau de Doutor é conferido aos que cumprirem os requisidos especificados nos Estatutos. É isso que a lei fala. No caso, é o Estatuto da OAB. Quem passa no exame de Ordem é, sim, de acordo com a Lei, doutor. O \\\"Devogado\\\" não manipula a lei, mas tem anos de formação para conseguir interpretar um texto. Coisa que os leigos, infelizmente, tem dificuldade.

Paulo mangano biólogo 25/11/2012 18:57

desculpem a minha inabilidade jurídica mas... não é pressuposto que todos os decretos imperiais são automaticamente revogados à medida que o país deixa de ser um império? Por que pelo que eu saiba (e isso não é lá muita coisa, mas os advogados me auxiliem a esclarecer) o codigo vigente no nosso país é a constituição de 88 e suas leis regulamentadoras, se nela não está especificado que os decretos imperiais ainda vigoram então eles não vigoram certo?

Alexandre Rocha Prof. MS. História 26/11/2012 0:38

Tal decreto é na verdade uma lenda, não há registros desse documento.

Alexandre Rocha Prof. MS. História 26/11/2012 0:51

Segue link para quem tiver interesse. http://por-leitores.jusbrasil.com.br/noticias/1682209/doutor-e-quem-faz-doutorado

Marcelo Azevedo Jorge Advogado 26/11/2012 19:57

Meu amigo, quem devia estudar um pouco mais antes de expor seus argumentos, é o senhor. Na verdade, ainda que o senhor questione a validade da norma, o fato é que uma lei só pode ser revogada por outra lei, o que, no caso, não ocorreu. Portanto, tecnicamente falando, a lei continua vigendo, havendo sido recepcionada, inclusive, pela Constituição Federal de 1988, que estabelece o princípio da igualdade entre todos, eliminando, assim, qualquer diferenciação ou privilégio para profissionais formados por \\\"esta\\\" ou \\\"aquela\\\" instituição de ensino. Aliás, outro exemplo de que idade não revoga lei é o Código Comercial, que é de 1850 e continua vigendo. Diante de tal quadro, o advogado, ao menos numa análise primária, tem, sim, direito ao título de doutor.

Adler Guilherme Viadana Geógrafo 26/11/2012 20:09

Bel. Alex transcrevo o artigo 9º da Lei de 11 de agosto de 1827 que \\\"Crêa dous Cursos de sciencias Jurídicas e Sociaes; um na cidade de São Paulo e outro na de Olinda\\\". Art. 9º - Os que frequentarem os cinco anos dos Cursos, com approvação, conseguirão 0 gráo de Bacharéis formados... Caro bacharel sei de seu orgulho ferido. Por gentileza respeite o meu título verdadeiro de Doutor! Obtido na Universidade de São Paulo em 1992 com tese original. Assim sendo muito obrigado caro bacharel.

L. Caetano Doutoranda 27/11/2012 13:29

Acho muito engraçado que acima eu tenha lido algum comentário banalizando a pedagogia. E agora vejo um enfermeiro que escreve \\\"fase\\\" com \\\"Z\\\" querendo igualar um graduando a um doutorando... É para deixar a sociedade triste mesmo.

mari dos anjos A.social sanitarísta 27/11/2012 22:45

Simples e coerente a sua nobre opinião......É o suficiente para convencer ou não aqueles que têm causado tanta polêmica no assunto em pauta.....

Fabio Teixeira Adminstrador 01/12/2012 0:14

Ninguém nem se deu o trabalho de ler tal Decreto. Não dá nenhum título de Doutor para Bacharéis. WILSON FREIRE está certo.

alex advogado19/01/2006 12:43 Responder

Ainda....o dia 11 da agosto, dia da "pendura" é comemorado em face deste decreto ( 11 de agosto de 1825).

seu nome Analista de Sistemas 29/03/2011 18:25

Ou seja, mais uma idéia sem cabimento que você coloca em pauta: dia da \\\"pendura\\\" é coisa de vagabundo! Que vergonha....

Ana Virgínia orientadora educacional 30/03/2011 17:30

Mais uma coisa que já deveria ter sido abolida, não combina com um (ex-) doutô? Concorda? abraços

Alexandre Rocha Prof. MS. História 26/11/2012 0:53

Tal decreto é uma lenda. http://por-leitores.jusbrasil.com.br/noticias/1682209/doutor-e-quem-faz-doutorado

alex advogado19/01/2006 12:44 Responder

Correção : 11 de agosto de 1827.

Péricles Roberto Correia da Silva Técnico Contabilidade19/01/2006 12:52 Responder

Quero parabenizar o cremerj, uma vez que bacharel, não é doutor, a sociedade deve parabenizar os verdadeiros doutores, uma vez que o Brasil, tem potencial cientifico, OS QUE LUTARAM PARA OBTER ESTE CONHECIMENTO, DEVE SER HONRADO PELA SOCIEDADE, Pois foram anos de estudo, em busca do saber. PARABÉNS AO CREMERJ E AOS VERDADEIROS DOUTORES.

Ricardo Func. Público (Bacharel e operador do Direito)19/01/2006 13:46 Responder

Isso mesmo Sr. Dr. Alex, mostre para os profissionais da saúde de onde vem o título de Dr., afinal foi-nos consedido atraves de lei... Temos que acabar com a banalização do título, pois qualquer pessoa que veste branco é chamado de Dr... "ROTA NA RUA..."

seu nome médica 30/03/2011 21:54

Ricardo: se quer mesmo ser chamado de Doutor, aprenda a escrever: conCedido.

Sergio Alves cirurgião dentista 13/12/2011 19:59

quanta bobagem, brigando por titulo de doutor e não sabe escrever.....

Luiz Machado estudante 09/03/2012 15:38

Por acaso Vossa Senhoria é \\\"papa-maik\\\"?kkkk

Celso engenheiro19/01/2006 14:44 Responder

Decreto Imperial? Isso aqui é uma República...

Marcelo Paz Professor Doutor e pesquisador19/01/2006 14:48 Responder

Essa lei do tempo do império não foi explicitamente revogada, porém hoje quem rege a titulação de doutor é a LDB e, essa, é imperativa no fato de que doutor é quem realizou curso de doutorado. Por acaso algum advogado tem no seu diploma o título de Dr.?

Rafael Mello Advogado 27/11/2012 23:49

Concordo Marcelo. Sou advogado e quando terminei a faculdade era Bacharel, só consegui o titulo de advogado depois de fazer o exame de ordem. Depois fiz 2 anos de mestrado. E só me intitularia Doutor se fizesse Doutorado. É isto. Vale a LDB.

Fabio Teixeira Adminstrador 01/12/2012 0:19

Revogada ou não tal decreto não dá título de Doutor nenhum. É balela. Leiam o Decreto.

Cláudio Ernst Professor19/01/2006 15:22 Responder

A tal lei do império só valeria para os formados em APENAS dois cursos (um em Olinda e outro em São Paulo) - tendo que ter cursado os cinco anos da grade curricular dos mesmos (com cadeiras como Direito Público Eclesiástico e Diplomacia). E o grau de Doutor só viria depois de "se habilitarem com os requisitos que se especificarem nos Estatutos, que devem formar-se, e só os que o obtiverem, poderão ser escolhidos por Lentes" (art. 9). Era exclusivo para essas escolas, que nem existem mais. Conclusão: os advogados estão tentando ENGANAR o público interpretando a lei convenientemente. E parabéns ao CREMERJ pela dignidade em respeitar esse título que exige ainda mais estudo do que aqueles que os médicos devem se submeter!

Angelo A. C. adminsitrador 28/09/2011 12:42

Parabéns. É isto mesmo, mesmo no império, doutores não eram todos os formados e sim alguns como está no tal decreto imperial de 11 Ago 1827. Preocupa-me muito que \\\"bachareis em direito\\\" não saibam ler uma simples norma jurídica de uma só lauda. Esses bacharéis não podem esquecer que as leis não são feitas só para eles, todos temos de conhecê-las... e muitos a conhecem. Mais uma vez, parabéns. Angelo

Fabio Teixeira Adminstrador 01/12/2012 0:24

Não tenho certeza se eles querem enganar ou realmente não sabem interpretar leis.

Vanessa Administradora19/01/2006 17:23 Responder

ISSO É HILÁRIO, ...DEIXEM OS POBRES SEREM CHAMADOS DE DOUTORES, SE BEM QUE SOU CHAMADA DE DOUTORA, QUANDO: ESTACIONO O CARRO. QUANDO VOU A FEIRA. QUANDO VOU AO SHOPPING. QUANDO VOU AO MERCADO. QUANDO DOU DINHEIRO NO FAROL. QUANDO LEVO O CARRO NO LAVA RÁPIDO. QUANDO ENTRO NO TRABALHO. QUANDO SAIO DO TRABALHO.....ETC ETC ETC.ETC.ETC.ETC.´ Isso já deixou de ser costume no brasil, e se tornou um hábito, para todos. Sabemos que tudo vai acabar em Pizza, então pra que perder tempo, com coisas tão desconexas e banais??? Vamos fazer uma campanha para tirar as crianças dos maus tratos e das ruas, fazer unir nossas forças, para inverter a situação que assola esse país há mais de 50 anos....Vcs não acham????? Chega de besteira...façam alguma coisa de importante..!

Robson Medeiros Estudante de Eng. Civil 29/11/2012 14:31

É verdade, Vanessa. Ser chamado de doutor é algo realmente banalizado no Brasil. Como você lembrou, somos a todo momento tratados como \\\"doutores\\\", por questão de cortesia. Repito, banalizou-se SER CHAMADO de doutor, não o título. Não estou desmerecendo quem possui doutorado, de forma alguma, apenas acho insignificante discutir por essa questão. Se é necessário para alguns serem tratados por doutor, para assim manterem seus egos inflados, e se há pessoas que o chamam assim, não sou eu quem vai se incomodar com isso. No mais, meus agradecimentos aos verdadeiros doutores, não pelo título que carregam, mas por seus esforços e contribuição científica, como médicos, físicos, químicos, biólogos, engenheiros, pedagogos, historiadores, etc., que são.

Aloysio Reynato Beiler Engenheiro 30/01/2013 10:10

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK.. Tá certa Dotora. Eu tb sou dotô, muitas vezes. rs.

PJ Perito Criminal Federal19/01/2006 17:33 Responder

Vejo nesta quase luta em defesa deste decreto imperial, por parte de alguns advogados, nada mais que um belo exemplo de frustração e mediocridade ! Qualquer pessoa minimamente honesta percebe que: 1) O dito decreto faz referência explícita e restritiva aos 2 cursos de Direito criados nele. 2) A LDB já revogou a parte do decreto que se refere ao título de Doutor. Por outro lado, é cultural em nosso país , principalmente as pessoas mais humildes ou mais bajuladoras, chamar os aqueles com grau superior de "Dotô". Por exemplo, vários flanelinhas se dirigem as pessoas por "Dotô" antes de extorqui-las. Se uma parte considerável de determinada classe de profissionais gosta deste "Dotô", isso é mais uma indicador de uma extrema frustração e mediocridade ! Quem sabe se um assaltante se dirige a estas pessoas utilizando o "Dotô", elas fiquem mais felizes e com isso diminua as chances de uma reação. Esta é uma boa informação para os assaltantes !

Antonio Morais Doutor em Economia19/01/2006 17:58 Responder

O Mito do Doutor é um do potente elemento da mitologia sobre a qual se funda o Povo Brasileiro, bem o percebeu Marilena Chauí. O que a autora chama de “cultura senhorial” desenvolveu em nossa sociedade, segundo ela, um “fascínio pelos signos de prestígio e de poder, como se depreende do uso de títulos honoríficos sem qualquer relação com a possível pertinência de sua atribuição,” evidenciado pelo nosso grifo. (Brasil – Mito Fundador e Sociedade Autoritária, 2000). O Doutor, para o senso brasileiro comum, é aquele que está acima, que sabe mais, que pode mais ou que, freqüentemente, apenas tem mais. Ser Doutor é ser conhecedor, é ser douto, aquele que “aprendeu muito, que é muito instruído,” segundo o Aurélio. O tratamento, na forma em que é usado, reduz a educação ao poder econômico. A vesga leitura capitalista do mundo mais uma vez limita algo maior segundo sua estrita ótica econômica. Os que não conhecem, que não sabem ou não têm delimitam os limites de seu território social do mundo dos doutores com o uso da expressão. É um autêntico termo de vassalagem, de marca incontestável de submissão, de inferioridade social. Quem o usa se auto-exclui daquele mundo do qual a quem ele se dirige torna-se um símbolo. Ainda não vingou entre nós o uso oral da forma dicionarística que nos dá conta de que o Doutor, do Latim doctore, é “aquele que se formou numa universidade e recebeu a mais alta graduação desta após haver defendido tese em determinada disciplina literária, artística ou científica,” segundo nos orienta Aurélio Buarque de Holanda Ferreira. A medida em que nossa sociedade alcançar maiores padrões educacionais, o Mito do Doutor poderá ser enfraquecido quando atingirmos uma conscientização que modificará nosso modo de atuar, como ensinou Paulo Freire. A pessoa consciente verá o significado real das coisas e buscará transformá-las. Chauí define o título de Doutor como um “substituto imaginário a antigos títulos de nobreza.” Talvez esta definição, ironicamente, torne apropriado o seu uso quando o membro do Itamaraty dirigiu-se ao representante de Washington e, inconscientemente, demarcou posições de comando e de obediência. Tal como nos não tão antigos tempos em que não passávamos de uma colônia e vivíamos a olhar para a metrópole.

Bernardo Mendes Doutor em Engenharia Aeroespacial - Especialista em Fluídos Viscosos 09/04/2011 18:26

Disse tudo.

Salomão Santana Filho Eng. Agrônomo, Mestre e Doutor em Solos e Nutrição de Plantas 26/11/2012 12:45

Concordo plenamente com Antônio Morais. \\\"O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete\\\". Aristóteles

Robson Medeiros Estudante de Eng. Civil 29/11/2012 14:47

Antonio Morais, você disse tudo, meu caro. Não tenho mais nada a acrescentar.

Wayne dos Santos Lima Historiador 03/12/2012 23:08

Cursei 4,5 anos de Bacharelado e Licenciatura em História, 1,5 de Especialização em História, 1,5 de Especialização em Segurança Pública, 1,5 de MBA em Gestão de Segurança, além de dois cursos de extensão em Segurança Pública com 6 meses cada (fora milhares de horas em cursos de história e segurança). Pela lógica do Médico, posso me considerar Dr. em Segurança também? Resposta: Não! Em respeito aos Professores Doutores e sua formação específica. Do meu jeito, explico, sem citar outros autores, ou utilizar o linguajar bem elaborado do colega Prof. Dr. em Economia Antonio Morais, a origem da utilização do termo \\\"Doutor\\\" para os bacharéis em Direito e Medicina no Brasil. Se deu em virtude de os primeiros estudantes enviados a Portugal (período imperial) normalmente cursarem pelo menos 8 anos de ensino superior, sendo 4 (no mínimo) de graduação para obter o grau de BACHAREL e imediatamente mais 4 para obter o grau de DOUTOR. Assim um advogado e um médico, ao concluirem seus estudos na Europa realmente retornavam ao Brasil como Doutores, além bacharéis, sendo então associado ao termo, a idéia de alguém com \\\"estudo\\\" ou \\\"que sabe das coisas\\\" pelo povão leigo. Ocorre que muitos fazendeiros não podiam, ou queriam, mais se darem ao luxo de manter seus filhos na Europa por quase uma década para só então retornarem ao país e prover a eles o retorno financeiro, social e político (status). Muitos filhos também não desejavam mais permanecer mais tempo por lá e começavam, assim, a retornar apenas com o BACHARELADO. Nada impeditivo de exercerem suas profissões por aqui, uma vez que o título inicial já seria suficiente, tecnicamente. Contudo, por questões culturais, sociais e políticas, visando a manutenção de seu status, mantiveram o costume de se apresentarem como \\\"Doutores\\\". Uma vez que termo Bacharel não era tão popular quanto Doutor para as pessoas de baixa renda, podendo gerar confusão dentre seus clientes, assim como desmerecimento dentre a alta sociedade. De resto, a Marilena Chauí está corretíssima. Um detalhe: até recentemente em Portugal e Espanha, ainda era possível se cursar o Doutorado diretamente após a graduação com os mesmos 4 anos, sendo que em 2 vc recebia o título de Mestre, podendo parar por ali seus estudos, ou após mais 2 anos, o de Doutor, com a respectiva defesa de tese. Atualmente você deve se inscrever para o Mestrado, mas ao concluí-lo vc tem a opção de continuar seus estudos por mais 2 anos e, também após a defesa de uma tese, receber o grau de Doutor. Mudou-se um pouco a ordem, mas ao que parece, continua na mesma. Um abraço a todos os profissionais bacharéis, licenciados, técnicos, tecnólogos, especialistas, mestres e doutores que dentro de suas possibilidades e necessidades concluiram horosamente seus estudos.

Adriano Soares Martins Advogado19/01/2006 19:38 Responder

Ainda que não goste de ser chamado de "doutor", tenho percebido, principalmente nos corredores forenses, que tal denominação é utilizada como pronome de tratamento, vhaja vista que pela distância entre as pessoas dificilmente se sabe o nome de todos. É uma decisão louvável do Conselho, ainda que inócua!

joão Batista da Silva Abreu advogado20/01/2006 0:52 Responder

Realmente o único profissional que pode utilizar o título de Doutor, sem o doutorado curricular, é o advogado, pois, cada petição, cada causa, encerra uma tese, que será analizada e julgada por um especialista de notável saber jurídico ( Juizes e Desembargadores), com final conclusão da defendida tese, diuturnamente. Não é o caso do médico, que é MÉDICO e sem doutorado não cabe utilizar tal título, o que não o diminui, pois tese, não é a sua praia.

Fernando Dala Santa Filósofo 11/04/2011 14:45

Cada petição é uma tese? Vc embasamento teórico para a firmar isso ou é apenas a sua opinião? E se eu interpretar cada texto que escrevo como uma tese? Como esse que escrevo agora por exemplo, que será lido por outros foristas, entre eles, médicos advogados, administradores, físicos, entre outros \\\"doutos\\\" profissionais, posso desde já me apresentar como Dr. Fernando?

Ana Carolina Negrão bacharel em comunicação social 27/11/2012 14:01

Você escreve uma tese cada vez que faz uma petição? Está explicado porque a justiça no nosso país é tão demorada. Os advogados demoram quatro anos para escrever uma petição. Já que este é o tempo que um doutor leva para escrever sua tese. Tenho um tio biólogo, que é a única pessoa da minha família que é doutor, uma irmã que é doutoranda, e também é bióloga. E outro tio que é juiz de direito. Não é justo chamar meu tio, que é juiz e apenas tem mestrado, de doutor, enquanto outros parentes meus estudaram mais do que ele para ter formação.

20/01/2006 4:59 Responder

Daniel Vieira Enfermeiro 04/11/2012 10:51

Seus textos, são mais importantes que prontuários e do que estudo de caso que nós profissionais de saúde fazemos com cada paciente, para salvar vidas?

João Batista de Oliveira Filho Advogado e Administrador20/01/2006 17:52 Responder

Compreendo a posição do CREMERJ a respeito do assunto, no entanto considero-a inócua. Todos nós deveríamos respeitar e admirar os médicos, haja vista que são submetidos a seis longos anos na graduação e, uma vez graduados têm que ser submetidos ao Curso de Residência Médica, com dois, três ou mais anos. Creio que o CREMERJ faria melhor proveito se "queimasse suas energias" tentando junto à Rede de Saúde Municipal, Estadual e Federal, além das Fundações e Sociedades Particulares, como a PRÓ-MATRE, por exemplo, tentando aumentar o número de vagas disponibilizadas para cada especialidade médica. No RIO DE JANEIRO é risível o número de vagas disponíveis. No caso do Município do Rio de Janeiro, há somente duas (02) vagas disponíveis para Obstetrícia e Ginecologia, quando Município de São Paulo, para esta mesma especialidade, o número gira em torno de 50 vagas. Atenção Doutores e/ou Não Doutores do CREMERJ, hajam para obter mais vagas para os Médicos recém-formados e, não impliquem com o fato de serem chamados ou não de Doutores. No meu caso, sou Advogado com muito orgulho, assim como Administrador.

Cátia advogada21/01/2006 0:52 Responder

Acredito que a classe médica do Rio de Janeiro espera do CREMERJ ações mais efetivas na defesa da classe e da medicina. O título de "doutor" para quem não tem doutorado, a princípio, não me parece ser um problema que afete o exercício da profissão ou a qualidade da medicina. Mais grave, no meu entender, e que afeta a qualidade da medicina que se faz no estado, é o desrespeito por parte do poder público, que remunera mal o profissional, além de não dar as mínimas condições de trabalho nos hospitais. Assim como os planos de saúde, que mantém uma tabela de honorários INDECENTE. Isso sim, afeta a qualidade, o padrão de medicina que se faz aqui. Acho que o CREMERJ tem coisas mais importantes para defender.

José Eduardo F. C. Gardolinski Pesquisador23/01/2006 18:49 Responder

Parabéns ao Cremerj! Espero que logo, todos os outros conselhos estaduais sigam a mesma filosofia... Chega de falsos doutores, chega da banalização brasilóide do título acadêmico, chega dessa vassalagem coroneliana escondida atrás dessa tradição estúpida e segregária de chamar advogados, médicos e tantos outros de doutor! Porque aqui no Brasil, assim como no retso do mundo todo, so é DOUTOR quem tem doutorado. O resto, é , no máximo, DOTÔ ! SDS JEFCG

Edgar Estudante24/01/2006 0:08 Responder

hahahahahahahahaha Um monte de gente aqui com doutorado e tem dificuldade em interpretar um texto. Ri muito quando vi as respostas. Aí vai o pq que o Cremerj tomou essa decisão: os profissionais "para-médicos" (enfermeiros, fisioterapeutas e afins) resolveram por meio de resolução de seus conselhos que eles deveriam se identificar como doutor para tentar ficar no mesmo "nível" que o médico (pra mim isso é inveja, recalque e dor de cotovelo). Com isso esses profissionais poderiam vir a passar como sendo médicos, pois para a população uma pessoa de branco, escrito dr. no jaleco é médico. Então para parar essa confusão o Cremerj resolveu fazer isso. Inclusive por isso no final do texto está escrito que o Cremerj tem muitos processos contra os "para-médicos" por exercício ilegal da medicina. Não quero dizer que foi intencional, mas essa resolução aos olhos das pessoas mais inteligentes pode passar como provocativa. Em outras palavras, tal resolução dá o seguinte recado aos profissionais "para-médicos" que querem ter o mesmo "status" social dos médicos: "não é o dr. no carimbo que nos dá status, e sim o fato de sermos médicos, coisa que vcs nunca serão, pois passar em medicina não é para qualquer um". Ou então poderia dizer: "se vcs são chamados de doutor, nós não seremos mais". Posso apostar que se em todo o Brasil os médicos pararem de ser chamados de doutor, os "paramédicos" rapidinho pararão tbm. Aqui eu ressalto que é necessário uma divulgação maior para a população de que médico é aquele que tem no jaleco bordado a palavra MÉDICO. ENTÃO QUE FIQUE BEM CLARO: O CREMERJ NÃO TOMOU ESSA DECISÃO PQ ACHA QUE "DOUTOR É QUEM TEM DOUTORADO", MAS SIM PARA INIBIR O EXERCÍCIO ILEGAL DA MEDICINA. Uma coisa que sempre me chamou atenção: Pq o fato de a POPULAÇÃO usar o pronome de tratamento doutor para se referir aos médicos causa tanta dor de cotovelo em quase todo mundo? Só Freud explica (ele era médico).

Cris P. publicitário 29/03/2011 16:04

o REMERJ não tem q achar nada sobr eo título de doutor, que está bem regulamentado pela LDB. e não pensa que tu é grande coisa por ter passado num curso de medidcina, pois mais importante que isso é ter educação. Falou dos outros e fez a mesma coisa. Por isso que essa resolução não deveria ser do CREMERJ e sim de algum orgão governametal federal, pra acabr de vez com essa empáfica de médicos e advogados. Doutor é somente que fez doutorado.

Marcos p. estudante 02/06/2012 17:13

A defesa dos ditos doutos da área jurídica se baseia no instituto jurídico da revogação da norma onde ,a razão do desuso legal vigente, corroborando com o pensamento positivista normativo, está contido na perda da eficácia social, porém uma lei que tenha perdido esse tipo de eficácia não perderá jamais a sua eficácia jurídica, salvo se houver uma outra que a revogue parcialmente ou totalmente (ab-rogação e derrogação), perdurando, enquanto isso, no ordenamento jurídico. Não que seja a favor, é a título de informação.

PJ Perito Criminal Federal24/01/2006 4:36 Responder

Edgar, vc acha mesmo q todos aqui acreditaram nas boas intenções do Cremerj ? Claro q não ! Sua interpretação das razões motivadoras da atidude do referido conselho de tão óbvias nem foram citadas, pelo pra mim são mais q óbvias. Não sou da área médica, nem da área jurídica, considero minha vida profissional e financeira muito bem resolvidas graças a Deus. Mas, possuo o título de mestre e tenho vários amigos com Doutorado, por isso sei exatamente o quanto eh sacrificante alcançar tal título. E por isso, e nada mais que isso, digo a vc: DOUTOR É QUEM TEM DOUTORADO ! O resto é DOTÔ !

Alberto Haroldo Elias Sobrinho Advogado 06/09/2011 7:35

Bom, insigne Perito. O final de argumentação já nos ilustra seu rancor. Espero que o perito um dia possa fundamentar melhor.

Marcelo Paz Professor Universitário e pesquisador24/01/2006 16:24 Responder

Edgar, Concordo com o PJ, essa é a interpretação que querem nos fazer acreditar, porém há aí uma intenção maior, já que esse "distanciamento" que os médicos fazem questão de manter é no mínimo anti-ético, já que se trata de profissionais com o mesmo grau de importância ao paciente que os enfermeiros, farmacêuticos, etc. A intenção do conselho é mais abrangente, visa resguardar os médicos sim, mas também colocar os pingos nos "Is" de quem está realmente atendendo ao paciente. De certa forma isso vem e encontro ao "ato médico", não o original que era preconceituoso e colocava os médicos em um patamar superior aos outros profissionais de saúde, mas ao "ato médico" reformulado depois de tanta reclamação dos outros profissionais de saúde. Os piores posts aqui colocados vem justamente dos profissionais que querem manter esse falso "status" (principalmente os advogados que aqui postaram de forma tão leviana citando um decreto há muito sem valia)...

João N de Souza Jr Estudante25/01/2006 6:35 Responder

Muito bom isso. Espero que outros estados tb adotem a medida. Doutor é a pessoa que defendeu sua tese de Doutorado em uma Universidade, e não um simples graduado em Medicina ou um Advogado.

Paulo Cesar Funcionário Público Estadual / Bacharel em Direito01/02/2006 14:48 Responder

Concordo plenamente com o comentário do Sr. U. O. Santos - Professor (carlos.nit.rj@bol.com.br), pois sou da mesma opinião de que as correções devem ser feitas em todos os níveis, extirpando de vez com esse maldito hábito de se apoderar imerecidamente de um título, Apesar desse costume tão arraigado em nossa sociedade não trazer grandes prejuízos, entendo que a população menos informada deve ter ciência de quem é quem nesse mar de títulos que nos fazem reportar ao período do Brasil-Colônia, contudo, entendo que se deve fazer JUSTIÇA destinando o uso de tal título àqueles que realmente fizeram por merecê-lo através da especialização dos seus estudos, assim sendo, tal regra deve atingir à todos, gregos e troianos, sem qualquer tipo de distinção (juiz, delegado, médico, advogado, etc...), ou seja, Doutor não é que aquele que se veste de branco, que se veste de paletó e gravata, que ostenta uma excelente condição financeira, que completou os estudos universitários, mas sim, aqueles que enfretaram um curso de Doutorado, muito embora, repito, apesar de tal costume não trazer tanta gravidade, devemos sempre nos posicionar ao lado daquilo que é JUSTO.

Geraldo Alves professor/advogado01/02/2006 17:04 Responder

É como colocar os pingos nos "is". Lamento ler comentários como os da Vanessa (abaixo- São Paulo, SP - 19/1/2006). Uma coisa é um costume de se chamar a todos de "Doutor", como alhures se chamava a todos de "meu irmão", ou de "meu chapa", ou de "mestre", etc; outra coisa é chamar o Bacharel em Direito de "Doutor", ou o Bacharel em Medicina de "Doutor". Confunde. Engana. Por isso, vamos ter que mudar esse costume e tem quem já se adianta em fazer alguma coisa, como no Rio de Janeiro. Também lamentável "ouvir" quem diga o que deve ser feito, mas nada faz. Uma coisa é certa: como eu, existe muita gente que acredita que nem tudo vai acabar em Pizza, então, nem tudo é perda de tempo, mas construção paulatina para uma vida melhor aos que virão. Minhas críticas aos comentários da Vanessa também quando aduz em seus comentários como que um levante a ações necessárias e notórias, como "tirar as crianças das ruas". Agora, dizer: "Chega de besteira...façam alguma coisa de importante..!" é sem dúvida transferir responsabilidades, o que não condiz com a cidadania.

Germano ADM01/02/2006 20:41 Responder

Bom, que se diga a verdade, hoje o que mais importa é eu ser sempre melhor do você (...) a isto cabe o que se relata o colega Edgar, e o DR. Antonio Moraes, mas o que cabe no comentario resumindo, a classe médica que ora se resumia em drs. mas até entre eles não se entende, um é melhor do que o outro, - cito exemplo; chegue ao Cardiologista e o chame de Ortopedista, e você vais escutar o que não quer ouvir, isto responde o que esta acontecendo no CREMERJ, as definições de poderes, - eu sou Cardiologista, e Sr. Fulano é Pediatra, e segue-se por aí, - resumindo eu sou melhor do que aquele... é nisto que se reflete a matéria.

Juliana Bacharel em Direito01/02/2006 20:45 Responder

Muito me admira um professor defendendo a extinção do título de doutor e dizendo que doutor é quem defende o mestrado... Existe uma diferença enorme entre dissertação de mestrado, que concede o título de mestre e a TESE de DOUTORADO, que concede o título de doutor. Só lembrando, ainda, que o título de doutor ao advogado remonta a uma história ainda anterior à Lei do Império. Pros mais desavisados ainda, as leis editadas na época do Império que não tenham sido revogadas, continuam válidas (ainda que ineficazes, se é que vocês sabem fazer tal diferença no mundo jurídico), ainda que hoje vivamos em uma República. Estudar um pouco vale sempre a pena...

Fabio Teixeira Adminstrador 01/12/2012 0:33

Você provavelmente nunca leu tal Lei. Leia e descubra a verdade. Doutor é quem faz Doutorado, não Mestrado.

Jaqueline Bárbara Ferreira Bacharel em Direito02/02/2006 14:31 Responder

Gostaria de fazer um comentário sobre o texto da Cremerj, quanto ao uso do título Doutor: ocorre, que vou concordar plenamente com o estudante Edgar, que disse, com muita propriendade, que vários leitores que envergam o título de doutor, mestres, e outros mais, leram e não entenderam o teor, que diga-se de passagem, está pessimamente colocado pelo CREMERJ. Acredito eu, como o Rdgar, que a única intenção deste órgão, foi a de distanciar os demais profissionais de sáude. POis um estudante de Medicina que acaba seu curso, faz sua residência em determinada área, e até mesmo antes disso, pode trabalhar e ser chamado de doutor. que já não ocorre com os bacharéis em Direito, que além de passar 5 anos estudando e estagiando igual a condenados, ainda temos que passar por um exame, que se colocado ao pé da letra, ou melhor da Lei, seria até inconstitucional. A Cremerj apenas foi infeliz ao transmitir sua idéia no papel, pois as letras deixaram um sentido dúbio. Dá a entender que nem mesmos os médicos poderão se utilizar mais do título de doutor. Ou seja, já ganham tão mal, com doutorado ou não, já são tão sacrificados em sua profissão, e agora será que perderão também mais este direito? Pelo menos se não foi isso, o que acredito, que eles quiseram dizer, por não saber escrever, deixaram transparecer. Jaqueline ( bacharel em Direito ).

Ricardo Func. Público (Bacharel e operador do Direito)02/02/2006 15:29 Responder

A maior falta do que fazer!!! BACHARÉL E ADVOGADO SÃO DOUTORES E MÉDICOS NÃO...(Ponto final...)kkkkkkkkkkkkkkkk..... (O IMPORTANTE É O GOVERNO DE SÃO SÁO PAULO COLOCAR A ROTA NA RUA E QUE SEJA EXTINTO O EXAME DA ORDEM, POIS HÁ UM TAL DE "MEC" PARA CONTROLAR O ENSINO!!!)

FAbio Barros Advogado02/02/2006 17:26 Responder

Discodo do comentário do Sr. U.O. Santos pelo seguinte motivo: O Sr. já viu o quanto é difícil a aprovação em um concurso público para Juiz ou para Delegado? Apesar de não ter o mínimo interesse em ser Juiz ou Delegado, por ter contato diário com estes profissionais, não entendo pq muitos profissionais de outras áreas ficam tão indigandos com o uso dete título. Eu não me importo se vão me chamar de Doutor ou Fábio; o que eu quero e advogar e receber meus honorários. Se um cliente vem ao meu escritório e me chamar de Doutor ou não, vai ter que pagar do mesmo jeito.

Cris P. public. 29/03/2011 16:08

a dificuldade da prova não faz um doutor. E um advogado deveria se ro primeiro a respeitar a lei (LDB). não é o que se vê aqui.

Rodrigo Furman Compositor 24/11/2012 5:23

Você já viu o quanto é difícil escrever uma sinfonia de 65 minutos do zero? Ou marcar 1000 gols como atleta de futebol profissional? Ou levantar um carro com as próprias mãos? Ou escrever um grande romance de 2000 páginas? Todos são feitos notáveis, mas não credencia aqueles que o desempenham para se tornarem doutores, por mais louvável que sejam. Doutor é quem fez doutorado, só e somente só - a exceção seria o doutorado honoris causa. Há toda uma questão ligada à pesquisa científica (de qualquer área) e à produção de conhecimento acadêmico.

José Eduardo F. C. Gardolinski Pesquisador02/02/2006 19:46 Responder

Caros colegas, Não interessa que o curso de direito ou medicina são árduos ou longos, não interessa que provas ou concursos para OAB, procurador ou juiz são difíceis e concorridas.....NADA DISSO FAZ O GRADUADO NESSES CURSOS SUPERIOR A QUALQUER OUTRO! O FATO incontestável, é que DOUTOR é título acadêmico de quem tem DOUTORADO, em qualquer parte do mundo, e NÃO pronome de tratamento! Também não interessa qual foi a real intenção do cremerj, o que interessa é que eles estão certos ao dizer que médico é médico, E NÃO DOUTOR ! (salvo tenha doutorado!) Deixem essa tradição brasilóide elitista de lado, nós estamos em 2006, e não mais em 1930!!!!! O tempo dos CORONÉIS acabou faz tempo...o dos DOTÔRES está comçando a acabar, FINALMENTE! SDS

Marcelo Fossa da Paz Professor e pesquisador03/02/2006 0:17 Responder

Segue abaixo os links da LDB e do código de ética da OAB. Se lerem com atenção e interpretarem de forma correta verão que só se deve usar i tpitulo de doutor quem possui doutorado realizado em uma IES ( http://www.presidencia.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm ). Também verão que a OAB, em seu código de ética (art. 29) determina o seguinte: "§1º Títulos ou qualificações profissionais são os relativos à profissão de advogado, conferidos por universidades ou instituições de ensino superior, reconhecidas. §2º Especialidades são os ramos do Direito, assim entendidos pelos doutrinadores ou legalmente reconhecidos." (ver na íntegra no link: http://www.oab.org.br/CodEticaDisciplina.pdf ) Também verão que o tal decreto imperial que alguns advogados dizem dar-lhes direito de usarem o título de doutor só é válido para duas escolas. Veja o trecho: "Projeto de regulamento ou estatutos para o Curso Jurídico creado pelo Decreto de 9 de Janeiro de 1825, organizado pelo Conselheiro de Estado Visconde da Cachoeira, e mandado observar provisoriamente nos Cursos Juridicos de S. Paulo e Olinda pelo art. 10 desta lei." (na íntegra no link: http://www.presidencia.gov.br/ccivil_03/revista/Rev_63/PANTE%C3O/panteao.htm ) Portanto com todas as provas legais devo dar o asunto como esclarecido. Resumindo tudo, doutor é quem tem doutorado" o resto é corporativismo unítil, fútil e arrogante e perpetuação da ignorância por parte da população menos esclarecida.

leonor academica de direito03/02/2006 21:36 Responder

Caro DR. Marcelo Paz, interessei-me pelo tema depois q o mesmo foi assunto de uma rodada de amigos.depois de encontratr este artigo, enviei-lhe um email solicitando onde exatamente se encontra, na LDB, os fundamentos de seu entendimento. A resposta a mim enviada foi ocomentario nº 01 desta pg, ou seja: descupe-me, mas continuo sem entender sua fundamentação, apesar de me familiarizar c/ seu posicionamento.

agostinho estudante03/02/2006 21:40 Responder

Marcelo Paz, talvez se o DR nos ajudasse a interpretar o material em questao nós poderiamos alcançar o seu raciocinio.seja mais suscint, afinal somos meros estudantes.

Andrade Engenheiro04/02/2006 16:14 Responder

Doutor é quem tem DOUTORADO!

Bruno O. Costa Estudante09/02/2006 15:31 Responder

claro q sabemos q ser aprovado num concurso para juíz ou delegado é muito difícil. Mas para isso eles terão o título de Juiz e de Delegado, e assim serão reconhecidos! Para q usar Doutor, se esse é um título acadêmico de importancia totalmente diferente?

Bruno O. Costa Estudante09/02/2006 15:33 Responder

"Prezado Dr(a) Bruno O. Costa, seu comentário foi concluido com sucesso." é, até mesmo eu, q nem graduado sou..

Victor Estudante de Direito01/03/2006 12:04 Responder

Concordo com todos aqueles que defendem a idéias de que Doutor é aquele que defende uma tese de Doutorado perante uma banca de 5 doutores, sendo assim, todos os demais não são doutores, e sim, bacharéis! Quanto a lei imperial que concede o título de doutor ao advogado, tecerei alguns comentários: No Direito existe uma espécie de revogação dita tácita (para todos aqueles que esqueceram). O Estatudo da Advocacia revogou tacitamente aquela lei por tratar da matéria de forma completa e ampla. Logo, a lei supracitada foi sim revogada, de forma TÁCITA.

Jean Bacharel em Direito24/03/2006 15:36 Responder

Penso ser justo que se use o termo " Doutor" apenas para quem tenha doutorado. Afinal, o fato do médico ou advogado terem estudado muito para se graduar não tem a menor importância. Também não importa se a prova para juiz ou delegado é difícil. Estes não são doutores se não tiverem feito seu curso de doutorado. Além do mais, não é atual, nem ético, nem condizente com a moderna democracia e o princípio da dignidade da pessoa humana, que, em minha humilde opinião, mantenhamos essa distância das pessoas que auxiliamos, seja como advogado, seja como médico.

Luiz Roberto de Oliveira Func.Público e estudante de Direito25/04/2006 12:51 Responder

Com toda minha limitação, quero tecer o meu comentário: se alguém pode ser chamado de doutor ou não, de fato ou de direito, está implicito na própria sociedade, onde se repete a cada dia, quero saber se nossa SAÚDE PODE SER TRATADA COMO DOUTORA em nosso País, onde milhares de pessoas buscam auxílio em lugares que se não fosse uma discussão, para saber quem é doutor, estaria sim, em busca de uma melhor alternativa de como a saúde publica, trataria os doentes que estão nesse momento nos corredores dos hospitais.

Alex Alves Est. de Direito25/08/2006 16:47 Responder

Quanta falta do que se fazer! Pior que isso é ver essa exuberante dor de cotovelo que externam os bacharéis de outras ciências e até mesmo aqueles que atingiram o último estágio de aprendizagem, o que nos dias de hoje é completamente impossível. Que culpa temos nós? humildes advogados, promotores, juízes, delegados de policia e etc, se fomos contemplados não só com um decreto imperial, mas com o reconhecimento e respeito de um povo que tem enraizado culturalmente, a tão polemica forma de tratamento. As respectivas profissões abordadas (advogado e médico) ostentam o título de doutor por mérito paulatinamente conquistado pela dignidade e excelência de sua atuação. Assim sendo, os Doutores de DOUTORADO e Bacharéis em outras áreas: mordam-se, enforquem-se, mas o título de doutor e respeito aos respectivos profissionais, não virá ao chão jamais. Aquele que tiver dúvidas, que arrisque entrar em uma delegacia, escritório de advocacia, gabinete de um magistrado, ou na promotoria e não tratar o profissional que lá esta com o título exigido pela dignidade de sua profissão.

Luiz Machado estudante 09/03/2012 15:49

É burrisse...só os fracos e pobres de espíritios exigirão tal tramento, que ao mer ver, ilegal...

José Eduardo Gardolinski Pesquisador30/08/2006 19:48 Responder

E a celeuma continua…… É incrível como alguns advogados não conseguem se desvencilhar desse ADORNO BAJULATIVO aos seus títulos (de bacharel em direito e advogado)….Como se a ausência do tratamento como “doutor” fosse algo pejorativo que diminuísse a sua capacidade ou reconhecimento (ou seu ego!)….Batem sempre nas mesmas teclas: uma lei ultrapassada de Dom Pedro I e a tal “tradição centenária”….Pararam no tempo, e deixaram de acompanhar a evolução social…..Estamos no século XXI, e , tanto aqui, como no resto do mundo, só tem o título de DOUTOR (e suas prerrogativas legais), que concluiu doutorado !!!! Ademais, “doutor” não é nem nunca foi pronome de tratamento…Se quer ser respeitoso, que se use “Sr.” ou “Vossa Senhoria”, o resto é bajulação corporativista! Como se pertencessem a uma casta distinta, uma classe “superior” de profissionais….Muita hipocrisia! SDS JEFCG

José Eduardo Gardolinski Pesquisador30/08/2006 19:49 Responder

Apenas para finalizar a discussão sobre a questão da validade do título outorgado pelo tal decreto de Dom Pedro I aos advogados, cito o brilhante texto que acabei de desenterrar…Para quem ainda tiver alguma dúvida, basta avaliar as credenciais do autor, no final do texto…. Quanto ao “pronome de tratamento” “doutor”, sugiro consultar qualquer gramática da lingua portuguesa…. Depois disso, só resta a bajulação ornamental corporativista e o ego exacerbado de alguns advogados… Selo da vaidade O Império, os doutores e os coronéis do Brasil. por Marcelo Dolzany da Costa A propósito do artigo “Doutores e ‘Doutores’” (Consultor Jurídico de 20/9/02), indagaram-me se um decreto assinado por Dom Pedro I, em 1825, fundamentaria o emprego do título “doutor” aos bacharéis em Direito. Agradou-me o contraponto especialmente porque fundado numa visão exclusivamente legalista, daí fácil seu desate. (Nós outros da área jurídica já acreditamos que se liquidaria até inflação com um simples tiro de decreto-lei ou, se necessário, uma rajada de medidas provisórias). Os cursos jurídicos foram instituídos no Brasil por obra do decreto imperial de 1º de agosto de 1825. Um de seus artigos outorgava aos concluintes da faculdade de Direito o título de “doutor”. As oligarquias não mais precisariam enviar seus filhos à Universidade de Coimbra, mas a Pernambuco e São Paulo. Rompia-se um dos laços mais fortes com a Metrópole. O advento da República ainda esperaria a década de 30 para que se estabelecessem as bases de um sistema nacional de educação. A Constituição de 1934 explicitou a competência da União para legislar sobre as diretrizes e bases da educação nacional. A influência entre nós remonta à unificação italiana na segunda metade do século XIX. Um exemplo dessa inspiração é a lei piemontesa de 1861, cujos propósitos urgentes eram a erradicação do analfabetismo e a implantação de uma língua nacional como fator de consolidação do movimento de Garibaldi (BARBAGLI, 1974: p. 29, apud SAVIANI, 1997: p. 205). No Brasil, o espírito federativo desprezado na República Velha ressurge para reconhecer a cooperação entre os Estados-membros e a União na política de ensino. Para encurtar a referência à legislação nacional, recuo o suficiente para lembrar nossa primeira Lei de Diretrizes e Bases – LDB, a lei 4.024, de 20/12/1961. Seu artigo 69 previu que “nos estabelecimentos de ensino superior podem ser ministrados (…) os cursos de graduação, pós-graduação e de especialização”. O legislador deixou bem claro que tais cursos não eram sinônimos: graduado é graduado, pós-graduado é pós-graduado, especialista é especialista. O art. 17 da lei 5.540, de 28/11/1968, a Lei da Reforma Universitária, praticamente reiterou a classificação acima e aproveitou para acrescer o verbete ‘aperfeiçoamento’ aos cursos de especialização. Em passagem anterior, a mesma lei atribuiu à Câmara de Educação Superior, na tarefa de assessoramento ao ministro da Educação e do Desporto, o poder-dever de deliberar sobre (a) diretrizes curriculares para os cursos de graduação, e (b) os relatórios para reconhecimento periódico de cursos de mestrado e doutorado (art. 9º, § 2º, letras ‘c’ e ‘g’). Como se vê, a distinção entre os três graus acadêmicos continuou. A vigente LDB – a lei 9.394, de 20/12/1996, promulgada exatamente 35 anos depois da lei 4.024 – classifica a educação superior e cursos e programas (a) seqüenciais, (b) de graduação, (c) de pós-graduação (mestrado e doutorado, especialização, aperfeiçoamento e outros), e (d) extensão (art. 44, nºs I a IV). A nova LDB reafirma a necessidade de reconhecimento de diplomas de mestrado e doutorado expedidos por universidades estrangeiras (art. 48, § 3º). A pretexto de qualificar o corpo docente, taxativamente exigiu que pelo menos um terço contasse com “titulação acadêmica de mestrado ou doutorado” (art. 52, º II, e art. 66). Temos leis em abundância – todas posteriores, específicas, hierarquicamente superiores e expressamente incompatíveis com a ordem constitucional do Império – para concluir que não faz sentido a titulação de “doutor” outorgada no decreto de 1825. Está revogado o vetusto decreto (art. 2º, § 1º, do decreto-lei 4.657, de 4/9/1942, ou Lei de Introdução ao Código Civil). Um caso de revogação semelhante se registra com um decreto da Regência em 1831. A deposição de Pedro I precipitou a formação de uma guarda nacional cujos postos militares eram colocados à venda. Proprietários e afins, mediante paga de até 200 mil réis anuais, eram agraciados com os títulos de tenente, capitão, major, tenente-coronel e coronel. Aí se enraíza legalmente o instituto do coronelismo tão caro à democracia brasileira. Ninguém duvida que os subseqüentes Estatutos Militares da vida republicana revogaram tais titulações. Portanto, senhores doutores e “doutores”: coronéis hoje, por lei, só nas Forças Armadas; para os outros “coronéis” e “doutores”, lei para quê? Revista Consultor Jurídico, 3 de outubro de 2002 Marcelo Dolzany da Costa: é juiz federal em Belo Horizonte, ex-diretor da Associação dos Juízes Federais do Brasil e ex-juiz do Tribunal da ONU para Timor Leste fonte: (http://conjur.estadao.com.br/static/text/9821,1)

LUIZ DE CARVALHO RAMOS Advogado04/11/2006 12:25 Responder

"Doutor" , mesmo, é o profissional íntegro, moral e eticamente, além de competente naquele ramo da ciência que escolheu para a sua lida. Agora, p. ex., o eminente dicionarista Aurélio, nos diz que doutor: 1. Aquele que se formou numa universidade e recebeu a mais alta graduação desta após haver defendido tese em determinada disciplina literária, artística ou científica. 2. P. ext. Aquele que se diplomou numa universidade. Cita, então, 3. o Médico, esculápio. 4. Homem muito sábio, douto, erudito (Machado de Assis, tinha o curso primário, morava numa favela, era mulato na terra dos preconceitos, colossal escritor e fundador da ABL). Ainda temos o Doutor Honoris Causa, um dos títulos do presidente Lula. Quando fala em Licenciatura, além de dizer que significa: 2. Grau universitário que dá ao seu portador a faculdade de exercer o magistéro do ensi médio, nos diz: 5. (Bras) Aquele que exerce profissão liberal devidamente autorizado, embora não haja cursado o ensino superior. Quanto ao título de Mestre, o nosso mais festejado lexicógrafo, começa dizendo: 1. Homem que ensina; professor; 2. Aquele que é perito ou versado numa ciência ou arte; Homem superior e de muito saber. E, aí, vamos encontrar mais 30 definições de Mestre. Ufa! Enfim, essa discussão tem muito de corporativismo e de alguns "pecados capitais". Quanto a mim, gosto mesmo é de me sentir útil, solidário e respeitado.

Luiz Cláudio Barreto Silva Advogadp25/02/2007 5:15 Responder

Sugiro leitura nos artigos a seguir descritos. Neles encontrarão os leitores posicionamentos favoráveis e contrários ao uso do "doutor": _________________________________________________________ BEGARA, Thalula. OUTRO IDIOMA: SE VOCÊ AINDA NÃO SABE, APRENDA!. Disponível em: < http://www.catho.com.br/jcs/inputer_view.phtml?id=8087&print=1 > Acesso em: 13 set. 2006. ____________________________________________________ CAMPESTRINI, Hildebrando e FLORENCE, Ruy Celso Barbosa. Como redigir petição inicial. São Paulo: Saraiva, 2002, p. 68. _________________________________________________________ CARDELLA, Júlio. ADVOGADO É DOUTOR POR DIREITO E TRADIÇÃO. Disponível em: http://www.vrnet.com.br/oabeunapolis/artigo-doutor.html . Acesso em: 19 set. 2006. __________________________________________________________ CRUZ, Denis C. da. Advogado é Doutor? Disponível em: < http://http://www.recantodasletras.com.br/textosjuridicos/129934 . Acesso em: 13 set.2006. _________________________________________________________ GOMES, Victor André Liuzzi. O País dos doutores. Disponível em: < http://www.escritorioonline.com/webnews/noticia.php?id_noticia=6483& > Acesso em: 10 set. 2006). __________________________________________________________ MACHIONI, Jarbas Andrade. Advogados e o tratamento de doutor . Disponível em:< http://ultimainstancia.uol.com.br/noticia/27093.shtml > Acesso em: 13 set.2006. _________________________________________________________ MENDES, Gilmar Ferreira et. al. Manual de Redação da Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/ManualRedPR2aEd.PDF. Acesso em: 13 set.2006. __________________________________________________________ MORENO, Cláudio Sua Língua. Disponível em: http://www.sualingua.com.br/ Acesso em: 11.06.2005. ___________________________________________________________ PIACENTINI, Maria Tereza de Queiroz. Não tropece na língua. ATRAVÉS DA CHEFE, DA PRESIDENTE E DO SENHOR DOUTOR. disponível em: http://www.linguabrasil.com.br/ Acesso em: 11.06.2005. __________________________________________________________ RESENHAS.COM - Instituito Difusor da Língua Portugues. Disponível em: < http://www.resenhas.com/resenhas/ver.asp?id=1041&auth=38741& > Acesso em> 13 set. 2006. _____________________________________________________ SANTIAGO, Ronaldo Manoel. “Dr.”?? Ser ou não ser? Eis a questão...Disponível em: http://www.boletimjuridico.com.br/doutrina/texto.asp?id=814 . Acesso em: 13 set. 2006. ___________________________________________________________ SCARTON, Gilberto. Todos nós somos doutores. Disponível em: http://www.pucrs.br/manualred/textos/texto8.php . Acesso em: 11.06.2005 __________________________________________________________ SILVA, Luiz Cláudio Barreto. A polêmica sobre o uso no meio forense do qualificativo de ordem pessoal “doutor”. Juristas.com.br, João Pessoa a. III, n. 90, Disponível em: http://www.juristas.com.br/ . Acesso em: 10 set.2006). __________________________________________________________ VIANA, Joseval. As técnicas redacionais e a prática forense. Disponível em http://www.abdir.com.br/ Acesso em :10 de setembro de 2006. ___________________________________________________________ ____________________________________________________________ O assunto em Portugal Doutor e professor doutor. Disponível em: http://ciberduvidas.sapo.pt/php/resposta.php?id=1658 . Acesso em: 12 set.2006. _________________________________________________________ Doutor, dr. e licenciado. Disponível em: http://ciberduvidas.sapo.pt/php/resposta.php?id=123 [/b]

Andre estudante13/07/2007 17:44 Responder

Ocorre que, em se tratando de advogado, ainda está em vigência a LEI DO IMPÉRIO DE 11 DE AGOSTO DE 1827, que cria dois cursos de Ciências Jurídicas e Sociais, introduz regulamento, estatuto para o curso jurídico e, em seu artigo 9º dispõe sobre o Título (grau) de doutor para o Advogado. Eis o texto: “Art. 9.º - Os que freqüentarem os cinco annos de qualquer dos Cursos, com approvação, conseguirão o gráo de Bachareis formados. Haverá tambem o gráo de Doutor, que será conferido áquelles que se habilitarem com os requisitos que se especificarem nos Estatutos, que devem formar-se, e sò os que o obtiverem, poderão ser escolhidos para Lentes.” (sic) Segundo a lei em pauta, o título de Doutor é destinado ao bacharel em direito que se habilitar ao exercício da advocacia conforme os requisitos destinados. Explico: atualmente, o Estatuto da OAB determina a necessidade de, além de preencher uma série de requisitos, ser aprovado em Exame de Ordem, para, só então, o bacharel em Direito poder ser considerado Advogado. Portanto, legalmente falando, o Advogado, habilitado segundo o Estatuto da OAB, é Doutor. Porém, não fiquei muito à vontade em justificar o título de Doutor de minha classe profissional unicamente em uma lei sancionada em 1827. Aprofundei, então, o estudo sobre o tema, e descobri que não se trata de uma mera questão de lei, mas de tradição. E referida tradição não é da história contemporânea ou exclusiva de nosso país, mas tem seu nascedouro em tempos antigos. Antes de tudo, cumpre esclarecer que a tradição é também fonte legítima de Direito. Segundo a História, somente se outorgou pela primeira vez o título aos filósofos, chamados de “doctores sapientiae”. Os que promoviam conferências públicas sobre temas filosóficos, também eram chamados doutores. Aos advogados e juristas era atribuído o título de “jus respondendi”, ou seja, o direito de responder. Pelas Universidades o título foi outorgado pela primeira vez, a um advogado, que passou a ostentar o título de “doctor legum”, em Bolonha. Existia também o título denominado “doctores es loix”, que só era conferido àqueles versados na ciência do Direito. Depois disso, a Universidade de Paris passou a conceder a honraria somente aos diplomados em Direito, chamando-os de “doctores canonun et decretalium”. Após a fusão do Direito com o Direito Canônico, os diplomados eram chamados de “doctores utruisque juris”. Nas palavras do Advogado Júlio Cardella, “honraria legítima e originária dos Advogados ou Juristas, e não de qualquer outra profissão. Os próprios Juizes, uns duzentos anos mais tarde, protestaram (eles também recebiam o título de Doutor tanto das Faculdades Jurídicas como das de Teologia) contra os médicos que na época se apoderavam do título, reservado aos homens que reservam as ciências do espírito, à frente das quais cintila a do Direito! Não é sem razão que a Bíblia – livro de Sabedoria - se refere aos DOUTORES DA LEI, referindo-se aos jurisconsultos que interpretavam a Lei de Moisés, e PHISICUM aos curandeiros e médicos da época, antes de usucapido o nosso título!” (Tribuna do Advogado de Outubro de 1986, pág. 5) Em continuidade ao artigo supra citado, o Dr. Júlio Cardella arremata: “Sendo essa honraria autêntica por tradição dos Advogados e Juristas, entendemos que a mesma só poderia ser estendida aos diplomados por Escola Superior, após a defesa da tese doutoral. Agora, o bacharel em Direito, que efetivamente milita e exerce a profissão de Advogado, por direito lhe é atribuída a qualidade de Doutor. Se não vejamos: O Dicionário de Tecnologia Jurídica de Pedro Nune, coloca muito bem a matéria. Eis o verbete: BACHAREL EM DIREITO - Primeiro grau acadêmico, conferido aquém se forma numa Faculdade de Direito. O portador deste título, que exerce o ofício de Advogado, goza do privilégio de DOUTOR.” idem Demais disso, se para ser Doutor há a necessidade de defesa de “tese”, é justamente este o trabalho diário de todo advogado perante os Juízos das Comarcas e Tribunais. Todo operador do Direito tem como tarefa diária a defesa de teses: o advogado propõe teses para oferecer uma ação, para defender um cliente, para contrariar o conteúdo de uma decisão judicial (recursos), etc. Referidas teses são constantemente avaliadas pelos Juizes e, em alguns casos, apreciadas pelo Ministério Público. Vale lembrar que os Juizes constróem suas teses nas decisões que proferem, decisões estas que são avaliadas e as vezes contrariadas pelos advogados que interpõem recursos. Os próprios Tribunais Superiores são órgãos avaliadores e construtores de teses jurídicas (jurisprudência). Os Promotores de Justiça, por seu turno, expões suas teses dentro de todo o tipo de ação que propõem ou que se manifestam. Teses, teses e mais teses, eis a função diária de todo operador do Direito. Por isso, o juslaborista é um Doutor por excelência. Ainda citando o Dr. Júlio Cardella, cumpre anotar o seguinte trecho de seu artigo sobre o tema: “Muitos colegas não têm o hábito de antepor ao próprio nome, em seus cartões e impressos, o título de DOUTOR, quando em verdade, devem faze-lo, porque a História nos ensina que somos os donos de tal título, por DIREITO E TRADIÇÃO, e está chegada a hora de reivindicarmos o que é nosso; este título constitui adorno por excelência da classe advocatícia.” idem Não apenas pelo Direito, mas pela Tradição, o título de Doutor pertence aos Advogados. Apenas para reflexão, vale anotar que não basta ter o legítimo direito de sermos chamados de Doutor, mas há a necessidade de que cada Advogado entenda qual o verdadeiro significado de tal título. Mas isto seria um tema para uma outra discussão. Definitivamente, o Advogado é Doutor, sm

Adv. Linda Ostjen Couto - http://www.linda.adv.br Advogada16/07/2007 23:43 Responder

O hábito de chamar de "Dr." médicos e advogados é enraizado na nossa cultura. Ser chamado de Dr. não significa ser Dr., pois todos sabem que é um hábito cultural. Só o tempo pode modificar a cultura dos "doutores", vamos chamar os médicos de doutores por muito tempo. E nós, advogados, amos ser chamados de doutores por outro tanto espaço de tempo. Como diz o poeta: Haja hoje para tanto ontem.

Pedro avogado29/07/2007 21:18 Responder

Primeiramente devo concordar com meu colega q deixou seu comentário no sentido de que o referido decreto não fora revogado, e saliente-se q nunca será , pois nós advogados somos sim doutores, independente da inveja dos outros profissionais. Perdoem a importância da mais bela das profissões que é a advocacia, e se quiserem ser chamados como nós... bom, vcs sim deverão procurar um DOUTORADO!

Eduardo Antonelli Engenheiro 11/07/2013 17:14

Você é Ridículo Sr. Pedro Pra mim você não é doutor nem aqui nem na China! Inveja eu não tenho de ti.. pois sou Engenheiro e não doutor! Pra mim você é um recalcado nesta história toda!

Marcelo G S Bruno Professor04/08/2007 10:38 Responder

Embora o Direito não seja a minha especialidade, parece-me que a leitura que se faz da famosa Lei Imperial de 11 de agosto de 1827 é equivocada. O que a Lei diz, de forma bem clara, é que , aos aprovados em cursos de graduação de cinco anos nas recém-criadas faculdades de São Paulo e Olinda, se concederia o grau de "Bacharel em Direito". Além disso, as faculdades poderiam ainda outorgar o título de Doutor, não a todos os seus graduados, mas àqueles que se habilitassem, segundo os "Estatutos", e que esse título seria condição necessária para tornar-se "Lente" (isto é, professor) proprietário ou substituto de uma cátedra. Notem que os "Estatutos" a que se refere a Lei não são, como dizem os ilustres advogados neste fórum, os estatutos da OAB, mas sim os estatutos das faculdades que, segundo a própria Lei Imperial afirma logo a seguir, deveriam ser definidos o mais breve possível pela "Congregação dos Lentes". Notem ainda que a Lei Imperial reflete apenas o que era a prática comum nas universidades européias desde a Idade Média. Nas universidades medievais inglesas por exemplo (Cambridge e Oxford), havia uma "faculdade inferior", normalmente designada Faculdade de Artes (onde se estudavam as "sete artes" do "trivium" e o "quadrivium"), e faculdades superiores onde se estudavam Teologia, Direito, ou Medicina. Tanto faculdades inferiores quanto superiores outorgavam títulos de bacharel, os quais entretanto não autorizavam o portador a lecionar na universidade. Vários anos após a formatura porém, era possível um indivíduo ser promovido a um grau universitário superior que lhe conferia o direito de tornar-se docente. Na Faculdade de Artes, esse título superior era designado como "mestre de artes" ("Magister Artium"), enquanto nas faculdades superiores, usava-se a designação de "doutor" (por exemplo, "Legum Doctor", ou "Divinitatis Doctor", ou "Medicinae Doctor").

Marcelo G S Bruno Professor04/08/2007 11:06 Responder

Continuando meu comentário, como o ingresso como aluno de graduação nas faculdades superiores exigia que o aluno se formasse primeiro na Faculdade de Artes , o grau de mestre, concedido pela última, passou com o tempo a ser visto como inferior ao grau de doutor concedido pelas primeiras. O moderno "doutorado de pesquisa" como conhecemos hoje é por sua vez uma inovação posterior aos antigos "doutorados superiores" medievais. Ele surgiu na Alemanha (especificamente na Universidade de Berlim) no início do século XIX, de onde foi depois exportado para os Estados Unidos, na segunda metade do século XIX (dando origem ao grau moderno de "Philosophiae Doctor" ou Ph.D), e, finalmente, para a Inglaterra apenas no início do século XX. Os doutorados de pesquisa, como o Ph.D, distinguem-se dos doutorados antigos (LL.D, Litt.D, D.D, etc.) na medida em que são outorgados a "junior scholars" em reconhecimento pela conclusão de um programa de estudos avançado centrado em um extenso trabalho individual de pesquisa científica que represente uma contribuição original e significativa ao estado atual do conhecimento na área em que se insere. Tal contribuição deve significar normalmente a criação de "novo conhecimento" ou a revisão/reinterpretação do conhecimento existente na literatura e, em geral, deve ser passível de publicação externa. Em contraste, os doutorados superiores antigos eram concedidos a "senior scholars", não por um trabalho de pesquisa específico, mas em reconhecimento por sua produção (intelectual ou artística) cumulativa quando se julgava que essa atingia um nível tal que permitia atribuir ao candidato ao grau o status de autoridade na sua respectiva área de atuação. Nos dias de hoje, quase todos os doutorados são por pesquisa e são atribuídos, não só em direito e medicina, mas em todas as áreas de artes, ciências, humanidades, e engenharia. Já os antigos doutorados superiores são majoritariamente honorários.

Marcelo Bruno Professor04/08/2007 11:27 Responder

Finalmente, apenas concluindo, notem que a palavra "Tese" no sentido usado nos doutorados de pesquisa não significa o mesmo que as "teses" que, como se diz neste fórum, os advogados supostamente "defendem todos os dias perante os tribunais". "Tese" na universidade é apenas um documento, em formato de monografia, que sistematiza as conclusões, resultados e contribuições de um trabalho de pesquisa de doutorado, além de incluir também em geral uma revisão da literatura científica pré-existente na área. Em muitos países aliás, esse documento não é chamado "tese", recebendo outras denominações. Por exemplo, nos Estados Unidos se diz "Ph.D Dissertation" (dissertação), enquanto na Alemanha se costuma usar o termo "Doktorarbeit" (literalmente, "trabalho de doutor"). No final, a solução da polêmica resume-se a um único ponto central: "doutor", assim como "mestre", "bacharel" ou "licenciado", são graus acadêmicos que, portanto, só podem ser usados por quem os recebe de uma instituição (por exemplo universidade) legalmente autorizada a conceder esses títulos. No mundo em geral, as Faculdades de Direito há vários séculos concedem graus de Doutor, mas não a todos os alunos que completam a graduação, e sim apenas a um grupo seleto que satisfazia/satisfaz critérios adicionais (seja aqueles dos antigos "doutorados superiores" ou do moderno "doutorado de pesquisa"). Assim é e sempre foi no Brasil, onde a massa dos graduados em Faculdades de Direito são "bacharéis " e apenas alguns poucos tornam-se elegíveis também para um doutorado, qualificação que, como vimos, está historicamente ligada ao direito de dar aula em cursos superiores. Atenciosamente, Marcelo G.S Bruno, Ph.D Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Luiz de Carvalho Ramos advogado02/11/2007 6:34 Responder

Vou mudar de múnus. Agora, estarei "perdoador". Vou perdoar a todos, mesmo sem o rogo deles. Mas, como dizia o coronel Ramiro, de Ilhéus, do cacau, antes da vassoura-de-bruxa, este fungo "plantado": "O mundo está dividido entre os que têm e os que querem tomar". Essa preocupação ("Ser ou não ser, eis a questão") é uma canseira só. Nem Shakespeare quer mais repetir. É assim mesmo - eu sempre disse -, o brasileiro é muito exigente!...

Maria helena advogada04/11/2007 18:01 Responder

Acho essa discussão uma perca.O Rio de Janeiro deveria se preocupar com outros problemas sérios da área da saúde.Esta proibição em nada vai melhorar o acesso ao tratamento médico do usuário.

Maria helena advogada04/11/2007 18:02 Responder

Acho essa discussão uma perca.O Rio de Janeiro deveria se preocupar com outros problemas sérios da área da saúde.Esta proibição em nada vai melhorar o acesso ao tratamento médico do usuário.

Maria helena advogada04/11/2007 18:03 Responder

Acho essa discussão uma perca.O Rio de Janeiro deveria se preocupar com outros problemas sérios da área da saúde.Esta proibição em nada vai melhorar o acesso ao tratamento médico do usuário.

Maria helena advogada04/11/2007 18:04 Responder

Acho essa discussão uma perca.O Rio de Janeiro deveria se preocupar com outros problemas sérios da área da saúde.Esta proibição em nada vai melhorar o acesso ao tratamento médico do usuário.

Maria helena advogada04/11/2007 18:07 Responder

Acho essa discussão uma perca.O Rio de Janeiro deveria se preocupar com outros problemas sérios da área da saúde.Esta proibição em nada vai melhorar o acesso ao tratamento médico do usuário.

rogerio médico07/06/2008 20:06 Responder

O comentário vai com dois anos de atraso, mas é só para deixar registrado que esse " presidente de conselho" nunca foi prestigiado pela classe médica e já foi substituído por outro que valorisa mais os seus colegas. abraços.

gisele Bacharel em Direito21/06/2008 4:05 Responder

Sinceramente, quanto à matéria, a discussão para mim é completamente irrelevante. Mas o que mais me chamou entristeceu, foi ver um médico escrever valoriza com "s" e uma advogada escrever que trata-se de uma "perca" e não perda.

gisele Bacharel em Direito21/06/2008 4:11 Responder

Fiquei tão desnorteada, que uma das frases saiu incompleta. Eu quero dizer que o que mais me chamou à atenção, me entristeceu...

04/08/2008 16:00 Responder

Cristina Professora04/01/2009 17:12 Responder

O termo Doutor é algo cultural e ultrapassado , não é justo um bacharel receber tal titulação sendo que para se chegar ao doutorado levamos mais 5 anos após a graduação. Só aqui no Brasil mesmo!!

Carlos Professor08/02/2009 16:15 Responder

Só tenho uma palavra: PEDANTISMO! Tem gente aqui até apelando pra legislação imperial xD, é patético. Um paisinho de Terceiro Mundo que em nada substancial contribui para a evolução da Ciência, sendo assim, deve possuir o dobro de doutores do Irã, que já lançou com técnologia própria um satélite em órbita - detalhe, somente 9 países realizaram tal façanha. Oh, povinho!

Carlos Professor08/02/2009 16:38 Responder

E também apelam para a Bíblia, mas vejam o que Jesus falou sobre esses tais Doutores da Lei - que são os Rabinos: Então, falou Jesus às multidões e aos seus discípulos: Na cadeira de Moisés, se assentaram os escribas e os fariseus. Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem, porém não os imiteis nas suas obras; porque dizem e não fazem. Atam fardos pesados [e difíceis de carregar] e os põem sobre os ombros dos homens; entretanto, eles mesmos nem com o dedo querem movê-los. Praticam, porém, todas as suas obras com o fim de serem vistos dos homens; pois alargam os seus filactérios e alongam as suas franjas. Amam o primeiro lugar nos banquetes e as primeiras cadeiras nas sinagogas, as saudações nas praças e o serem chamados mestres pelos homens. (...) Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas! Guias cegos, que coais o mosquito e engolis o camelo! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, mas estes, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança! Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo, para que também o seu exterior fique limpo! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia! Parece que as lições de Jesus ainda não foram aprendidas...

EgxjiJoAfTKuxgq zrDTEJJgJrqEMSUXui22/05/2010 5:45 Responder

quo8DE uwoxhygvfldw, [url=http://weaqnvccytun.com/]weaqnvccytun[/url], [link=http://evzvexgqmsmw.com/]evzvexgqmsmw[/link], http://thswzjbkeecr.com/

22/05/2010 5:45 Responder

Alberto Haroldo Elias Sobrinho Advogado08/06/2010 10:19 Responder

Prezados Leitores, bom dia. Em minha época acadêmica fui o ultimo estagiário do Dr. Julio Cardella. A interpretação exposta é falha. O diplomado e militante mestre apenas informou a origem do termo, pois está havendo inversão de prenomes de tratamento. Doutor é aquele que defende teses. Fora os nobres acadêmicos, a única profissão que atinge tal prerrogativa é o ADVOGADO, pois cada trabalho é uma tese, em sintese. Daí a preocupação. Nós, advogados, de fato, não damos a devida importancia ao prenome, mas o título foi usurpado para uma série de áreas, daí o problema. Leiam o texto do fallecido mestre e entenderemos melhor. O importante foi mostrar que os advogados possuem tal honraria, só isso. Daqui pra frente os costumes mudam...

thiago m carvalho físico 19/08/2010 15:17

Advogado não é doutor se não fez doutorado! Pare com essa insistência! Se vc fosse um cara que não tivesse estudo, eu até entenderia... isso é falsidade ideológica. E essa história de que cada trabalho é uma tese... que besteira! Tese é um trabalho original e tem que ser defendido perante uma banca de 5 doutores e não para um juíz que se acha Deus e na maioria das vezes só tem título de bacharel em direito. Me desculpe... mas aquele que não contribui para o desenvolvimento científico, que não pesquisa, não merece tal título. Pessoas como médicos e advogados que só aplicam conhecimento não são doutores. Doutor é quem PRODUZ CONHECIMENTO!

Alberto H E Sobrinho sua profissão 19/09/2010 9:13

NOTA DO AUTOR: Nada, absolutamente nada, tenho contra a laboriosa classe médica. Apenas procurei evidenciar o que a lei e a tradição revelam, sem quebra de ética em nossa conduta. Serve entretanto este articulado, de endereço certo aos que, por ignorância ou má-fé, teimam em não se curvar à evidência dos fatos...\\\"

lr nutrição17/09/2010 20:33 Responder

queria dizer ao Edgar que eu como nutricionista não acho que um médico estude mas que eu,acho que todos os cursos da área da saúde são muito puxados como enfermagem,odontologia,nutrição,fisioterapia e afins...acho que antes de vc sair por aí dizendo o que não deveria procuarar se informar melhor e parar com esse endeusamento que se dão aos médicos ,e pensar que os profissionais da área da saúde que seguem outros caminhos que não medicina querem se passar por médicos...acho que respeito cabe a todos os profissionais e a antes de fazer um comentário grosseiro e desrespeitosos vc deveria se informar melhor sobre os cursos da área da saúde pois eu estudo o mesmo tanto que um médico ,tenho que fazer residência assim como ele é acho totalmente desnecessário o ´título de doutor para qualquer profissional ,a não ser que ele tenha feito por merece o título ou seja através do doutorado..temos que mudar e deixar de ser proviciando dando títulos a quem não tem...

Alberto H E Sobrinho sua profissão19/09/2010 9:20 Responder

Percebe-se daí, que, pelas suas origens, o título de Doutor é honraria legítima e originária dos Advogados ou Juristas, e não de qualquer outra profissão. Os próprios Juízes, uns duzentos anos mais tarde, protestaram (eles também recebiam o título de Doutor tanto das Faculdades Jurídicas como das de Teologia) contra os médicos que na época se apoderavam do título, reservado aos homens que reservam as ciências do espírito, à frente das quais cintila a do Direito! Não é sem razão que a Bíblia - livro de Sabedoria - se refere aos DOUTORES DA LEI, referindo-se aos jurisconsultos que interpretavam a Lei de Moisés, e PHISICUM aos curandeiros e médicos da época, antes de usucapido o nosso título! Houve, portanto, como afirmamos, um caso de \\\"usucapião por posse violenta\\\" por parte dos médicos que passaram aostentar a honraria, que no Brasil, é uma espécie de \\\"collier a toutes les bêtes\\\", pois qualquer um que se vê possuidor de um diploma universitário, se auto-doutora... Sendo essa honraria autêntica por tradição dos Advogados e Juristas, entendemos que a mesma só poderia ser estendida aos diplomados por Escola Superior, após a defesa da tese doutoral. Agora, o bacharel em Direito, que efetivamente milita e exerce a profissão de Advogado, por direito lhe é atribuída a qualidade de Doutor. Se não vejamos: O Dicionário de Tecnologia Jurídica de Pedro Nune, coloca muito bem a matéria. Eis o verbete: BACHAREL EM DIREITO - Primeito grau acadêmico, conferido aquém se forma numa Faculdade de Direito. O portador deste título, que exerce o ofício de Advogado, goza do privilégio de DOUTOR. (aos que gostam de pesquisar citamos as fontes dessa definição: Ord. L. 1° Tit. 66§42; Pereira e Souza, Crim. 75. e not. 188; Trindade, pág. 157, nota 143 in fine, e pág. 529 § 2°; Aux. Jur., pág. 355 Ass93) O decano dos advogados de Campinas - Dr. João Ribeiro Nogueira - estimado amigo, pesquisador incansável, lembra muito bem em artigo publicado no \\\"Correio Popular\\\" de 3 de agosto de 1971, um alvará régio editado por D. Maria I, a Pia, de Portugal, pelo qual os bacharéis em Direito, passaram a ter o direito ao tratamento de DOUTORES! Ora, todos sabem que uma lei só perde sua vigência quando revogada por outra lei. Assim, está plenamente em vigor no Brasil esse alvará que outorgou o título de DOUTOR aos advogados! Não consta nesse porque a História nos ensina que somos os donos de tal título, por DIREITO E TRADIÇÃO, e está chegada a hora de reivindicarmos o que é nosso; este título constitui adorno por excelência da classe advocatícia.

Danilo R. professor 25/10/2010 22:12

Se você está certo, então por que no seu diploma consta bacharel e não doutor em direito?? Por que o MEC (único orgão do nosso país responsável pela emissão de diplomas) não emite o diploma dos advogado já com o título de doutor??? Por que vocês não processam o MEC afinal ele não está respeitando essa \\\"lei\\\"? Você se julga doutor só com o gogó??? Assim fica fácil! Qualquer um pode gritar por aí que é doutor também!

Alberto H E Sobrinho Advogado 06/07/2011 8:35

Nossa, que argumento. Olha, vou pensar bastante em suas palavras! Muito obrigado.

Ana nutrição27/09/2010 12:47 Responder

Concordo com IR. Também sou nutricionista, respeito profundamente o papel do médico, assim como o do advogado, pscólogo, gari, padeiro, açougueito, etc... Estudei e continuo estudando para tentar ser uma profissional que atenda bem as pessoas que procuram minha ajuda. Estudei em uma instituição de ensino superior federal e sou de uma época em que o ensino superior não era ainda uma banalização, com é atualmente. Acho uma grande limitação ver o título como algo mais importante do que a propria atuação do profissional, acho certo apenas aqueles que merecem o título, usa-lo, acho respeitoso para aqueles que realmente fizeram um doutorado ou são advogados. Mais açõa e qualidade e menos aparencias, fariam de vc(medico?) alguém mais útil a sociedade. Caso contrario, ficará junto a essa infinidade de médicos sem qualquer preparo que por ai encontramos.

Pablo Siqueira Psicólogo15/10/2010 13:15 Responder

Concordo com a resolução do conselho regional do Rio, acho que esta prática deveria ocorrer em todos conselhos profissionais do pais, a todas profissões. É doutor quem faz doutorado, do mesmo modo que é mestre aquele quem faz o mestrado. O graduado é um profissional titulado, restrito ao seu curso. Acredito que mais coisas deveriam ser organizadas, como a questão dos laudos. O médico não é o unico profissional da saúde, do mesmo modo que esta categoria atua na promoção da saúde da população, outras categorias também o fazem, em diferentes áreas ou focos diferentes, como é o caso do psicologo, nutricionista, fonaudiologo entre outros. Acredito que deve ser definido o papel do médico e os procedimentos restritos a ele, como deve ser feito a outras profissões. Mas laudos, cada profissional assina o seu e faz as orientações necessárias de acordo com bagagem técnica da categoria que cursou. O laudo não é uma prática exclusiva do médico, assim como o diagnóstico também não é.

José Carlos Servidor Federal e bacharel16/10/2010 15:56 Responder

Os advogados , como sempre, querem se passar por autoridade sem fazer concurso público. São meros prestadores de serviços, autônomos como queiram. É impressionante, parece que eles queriam ser autoridades mas não conseguem ingressar em uma carreira pública. Advogado não manda em nada. Um guarda de trânsito tem mais poder que um advogado. A única coisa em comum entre juízes, promotores e advogados é o terninho e o curso de direito.

Alberto H E Sobrinho Advogado 06/07/2011 9:20

Uma certa oportunidade, na minha fase de estágio (ha uns 13 anos atras) fui aperfeiçoar meus humildes conhecimentos em uma delegacia. Um advogado, já com certa bagagem e, aparentemente, muito racional, foi acompanhar o depoimento de seu cliente. Um delegado, novo no oficio e na idade, se irritou com o advogado e o ameaçou prende-lo por desacato. Este advogado, respondeu: \\\"Olha, o Dr. pode até me prender, mas já parou para pensar na sua defesa quando eu sair?\\\" Indignado o jovem delegado foi procurar o delegado titular. Após ouvi-lo disse: \\\"Por que voce ameaçou? Volte e termine seu trabalho.\\\" Daquele dia eu percebi que existem verdadeiros advogados. Perante a lei, somos todos iguais. Podem existir até advogados que não cumprem suas prerrogativas, mas sempre qualquer autoridade que abusar, vai encontrar seu devido orientador. Ninguém tem poder absoluto, todos devem seguir a lei.

José Carlos Servidor federal e bacharel16/10/2010 16:27 Responder

Senhores, uma correção: as únicas coisas em comum são o terninho e o curso de direito.

Danilo advogado25/10/2010 21:57 Responder

Bem, vamos aos fatos, que não podem ser negados: 1º As pessoas confundem título com pronome de tratamento! Procurem no dicionário a palavra doutor! Doutor é um título! Ou seja, não é por que profissional a ou b julga sua profissão importante que lhe dá direito de ser tratado por algo que não tem, neste caso o título! 2º a tal lei imperial que alguns advogados justificam (acredito que sejam a minoria desinformada) já foi revogada pela lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, onde consta que o título de doutor só será concedido à pessoa que defender uma tese de doutorado, perante uma banca julgadora em curso reconhecido pelo mec. Ou seja, ganhar causas difíceis não dá direito de ser reconhecido como doutor, nem salvar vidas, nem nada! Só defendendo a tese de doutorado! é a lei! 3º lógico, o mais óbvio, todos os advogados que se graduaram e receberam diploma tiveram a curiosidade de ler os mesmos??? Se vocês estiver assustado, se a sua faculdade lhe disse que você é doutor, você está sendo enganado! Estará escrito lá: este diploma lhe confere o título de: bacharel (título conferido a graduados) em direito. Está escrito doutor? Se sim, você é doutor do contrário não é! Assim hoje em dia, nos tempos modernos e não nos tempos imperiais em que 0,1 % da população possuia diploma de nível superior e o resto era analfabeto, temos obrigatoriamente que defender uma tese. Se vocês se julgam mais importantes do que qualquer outro profissional graduado, tenho uma idéia interessante, processem o mec! Isso mesmo! Pois se vocês estão certos, seus diplomas estão sendo expedidos com a titulação errada. Tem que ter diploma de doutor para ser chamado de doutor! Não precisa nem pensar muito para saber disso, agora tem gente que faz questão de não ver, nem ouvir, nem pensar um pouco, assim ficar mais fácil obrigar (nem se tiver título pode obrigar) algum desinformado a lhe chamar de doutor, só para crescer em cima do coitado! Abraços!

Alberto Haroldo Elias Sobrinho advogado 24/03/2011 11:00

Eu tenho conhecimento da lei entabulada. Não vi nenhuma regovagação expressa. Eu creio que o colega deveria defender sua tese na OAB para atualizarmos nossos conhecimentos, já que a convicção é nítida. Sugestão apenas, a lei é expressa na revogação de leis anteriores no art.92. Sabe-se que existe uma diferenciação enorme em Doutor acadêmico e prenome de tratamento. Escrevi o artigo no interesse de colaborar com o fórum e não de ser avacalhado como \\\"desinformado\\\". Aliais as palavras proferidas não são minhas, mas compactuo com a idéia. Deve ser díficil ler a opinião de outrem até o final. Mas acredite, não faço questão da merecida honraria, mas preservo a luta de nossos antecessores que tornaram as ciências jurídicas dígna de respeito. Aceito a opinião do colega e desejo boa sorte. Só um detalhe, como todo bom advogado deve ser, quando tiver um parente com problemas de saúde ou precisar de um decano para afiar sua ferramenta, mantenha a postura e chamem os profissionais de Senhores, inclusive os Insignes Promotores, Delegados, Juizes e outras autoridades. O colega vai demonstrar um diferencial inovador e digno de aplausos. Cordialmente, Alberto.

Danilo professor25/10/2010 22:05 Responder

Bem, vamos aos fatos, que não podem ser negados: 1º As pessoas confundem título com pronome de tratamento! Procurem no dicionário a palavra doutor! Doutor é um título! Ou seja, não é por que profissional a ou b julga sua profissão importante que lhe dá direito de ser tratado por algo que não tem, neste caso o título! 2º A tal lei imperial que alguns advogados justificam (acredito que sejam a minoria desinformada) já foi revogada pela lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, onde consta que o título de doutor só será concedido à pessoa que defender uma tese de doutorado, perante uma banca julgadora em curso reconhecido pelo MEC. Ou seja, ganhar causas difíceis não dá direito de ser reconhecido como doutor, nem salvar vidas, nem nada! Só defendendo a tese de doutorado! É a lei! 3º Lógico, o mais óbvio, todos os advogados que se graduaram e receberam diploma tiveram a CURIOSIDADE de ler os mesmos??? Se vocês estiverem assustados, pois a sua faculdade lhe disse que você é doutor, você está sendo ENGANADO! Estará escrito lá: este diploma lhe confere o título de: bacharel (título conferido a graduados) em direito. Está escrito doutor? Se sim, você é doutor do contrário não é! Assim hoje em dia, nos tempos modernos e não nos tempos imperiais em que 0,1 % da população possuia diploma de nível superior e o resto era analfabeto, temos obrigatoriamente que defender uma tese. Se vocês se julgam mais importantes do que qualquer outro profissional graduado, tenho uma idéia interessante, PROCESSEM O MEC! Isso mesmo! Pois este é o único orgão credenciado a emitir diplomas em nosso país! Se vocês estão certos, seus diplomas estão sendo expedidos com a titulação errada. É isso mesmo que vocês estão alegando! Não dá para ter um título sem diploma! Ou dá???? Não precisa nem pensar muito para saber disso, agora existem \\\"profissionais\\\" que fazem questão de não ver, nem ouvir, nem pensar um pouco, assim ficar mais fácil obrigar (nem se tiver título pode obrigar) algum desinformado a lhe chamar de doutor. Abraços!

Alberto Haroldo Elias Sobrinho advogado 24/03/2011 11:36

Professor Danilo, me espanta palavras tão asperas provindas de um educador, formador de opiniões e despertador de mentes. Sua conduta não modificou o apreço que tenho por sua profissão e nem por você. Contudo, cabe a mim esclarece-lo, longe de duvidar da sua imensa sabedoria, sobre o texto. Gostaria de informá-lo que o texto exposto não me pertence, como já dito, pertence ao Jurista Julio Cardella (já falecido). Para conhecimento dos leitores, não se faz necessário oferecermos um dicionário ao autor, pois o mesmo foi formado em Letras pela PUCCAMP, sendo premiado em diversas ocasiões, e depois se tornou Jurista, onde passou em primeiro lugar na magistratura de São Paulo. Digno de um vocabulário invejavel e conhecimento admiravel, foi um dos maiores advogados de Campinas. Foi presidente da OAB por dois mandados consecutivos. Ele não era desinformado, era um grande estudioso e trouxe muita tranquilidade ao povo Campineiro. Seus feitos, mesmo fazendo dez anos de falecimento, não homenageados até hoje. Seu texto é uma expressão de opinião, sendo que deveria receber o mesmo respeito que qualquer cidadão deveria ser recebido com urbanidade. Quanto as suas questões do MEC, apesar de não ser porta voz da classe, trata-se de uma entidade que luta pela moralização da educação e, com todo respeito, estamos nos furtando da principal indagação. O Doutorado, que existe também no Direito, é uma honraria suprema. Digo mais, existem diplomas pós doutorado, sendo nosso ultimo degrau o título de Doutor Honorário, onde o Jurista esta capacitado para ministrar aulas em todas as matérias relativas ao Direito. Os advogados, assim como os demais aplicadores da lei, não trabalham sobre uma falsidade ideológica, sendo que me mantenho a disposição para que o Nobre Professor faça um BO sobre o assunto. Falsidade Ideológica é outra coisa, sugiro que procure um advogado para saber do que se trata antes de responder por imputação caluniosa. Enfim, apresentei meus argumentos e espero ser correspondido a altura, que o Professor tem capacidade técnica e inteligencia para discutirmos o assunto, afinal estamos em um Fórum de debates. Cordialmente, Alberto.

Herculano Sobreira Professor29/03/2011 19:28 Responder

Num posto de saúde uma enfermeira chamou um médico recém formado pelo nome... Esse infurecido chamou a atenção da enfermeira e que daquele momento em diante era deveria chamá-lo de Dr. Fulano... Pacientemente a enfermeira indagou se ele possuia doutorado? Ele dise: Não! Então ela respondeu: Pois eu tenho mestrado e doutorado e pós doutorado e a partir deste momento não quero mais que me chame pelo meu nome e sim de doutora fulana de tal... Preocupam-se com títutulos e deixam os pacientes a míngua. O nome paramedico foi abolido pelos próprios médicos aqui no Brasil. É bem engraçado quando participo de algum congresso e vem o nome do profissional: Dr. Professor fulano de tal... A verdade é que os outros conselhos de profissionais da área da saúde autorizaram os psicólogos, enfermeiras, fisioterapeutas e outros a usarem o título de doutor... Na verdade há muita confusão nos hospitais quando todos os profissionais da área de saúde usam o branco, poderia ser diferenciada as cores das roupas...

Alberto H E Sobrinho Advogado 06/07/2011 9:00

Caro Professor Herculano, meu pai é professor de matemática, mas abandonou para ser enfermeiro, na verdade auxiliar de enfermagem, pois não possui aptidão para ministrar aulas. Sempre foi um grande estudioso, mas a carreira de matemático não abre muitos leques. Já está no emprego atual ha mais de 15 anos, no Hospital Mario Gatti de Campinas. Não se sente diminuido e muito menos revoltado em chamar seus superiores pelos prenomes de pratica. Aliais, as vezes por presenciar tantas vidas serem salvas (creio), tem até uma certa admiração. Sempre ajudou e nunca ligou para formalidades, apesar de sempre cumpri-las. Sei lá, discussão em hospital...quem ganha com isto?

Jorge Médico30/03/2011 13:03 Responder

Acho uma bobagem essa discussão.

Herculano Sobreira Professor30/03/2011 14:51 Responder

Jorge, Se achas uma bobagem, porque respondestes, então? Nós, chamodos leigos não sabemos distinguir, dentro do hospital, quem é médico, enfermeiro, fisioterapeuta, etc, pois todos usam a roupa da mesma cor. A única diferença em que vejo alguma diferença é quando percebo que o médico esta usando o estetoscópio no pescoço. Será que estou errado? AH! Geralemtne os médicos são mal educados quando questionados sobre algum tipo de medicamento e também pela escrita inconfundível... Achoo que o CRM poderia formentar alguma resolução nesse sentido e se já o fez poderia reforçá-la, pois isso tem sido a causa de muitos enganos ao comprar os medicamentos. Sugiro um curso de caligrafia para todos os médicos, o mesmo da minha época.

Herculano Sobreira Professor30/03/2011 14:58 Responder

Jorge, Também acho. O CRM então deveria cuidar de coisas mais sérias e não de bobagens como estas... Honoris causa, abreviado como h.c., é uma locução latina (em português: \\\"por causa de honra\\\") usada em títulos honoríficos concedidos por universidades a pessoas eminentes, que não necessariamente sejam portadoras de um diploma universitário mas que se tenham destacado em determinada área (artes, ciências, filosofia, letras, promoção da paz, de causas humanitárias, etc), por sua boa reputação, virtude, mérito ou ações de serviço que transcendam famílias, pessoas ou instituições. Historicamente um Doutor honoris causa (ou Doctor honoris causa) recebe o mesmo tratamento e privilégios que aqueles que obtiveram um doutorado acadêmico de forma convencional - a menos que se especifique o contrário. A pessoa que recebe o título de \\\"doutor honoris causa\\\" pode usar a abreviação \\\"Dr. h. c.\\\". Caso já tenha um título de doutorado acadêmico, poderá utilizar a abreviação \\\"Dr. Dr. h. c.\\\". A pessoa honrada com mais de um título de doutor honoris causa, poderá usar a abreviação \\\"Dr. h. c. mult.\\\" (Doutor honoris causa multiplex). Um exemplo de pessoa agraciada com esse título é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que mesmo não tendo estudado em nenhuma universidade recebeu o título de doutor honoris causa da faculdade de Direito da Universidade de Coimbra em 30 de Março de 2011. Outro exemplo de pessoa agraciada é com o título de Doutor Honoris Causa é o ex-presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso. Ele recebeu o título de Doutor Honoris Causa de mais de 20 universidades em todo o mundo [1] . Em julho de 1995, Fernando Henrique Cardoso foi homenageado com os graus de doutor honoris causa da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e da Faculdade de Economia da Universidade do Porto. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso recebeu no dia 14 de novembro de 2002 o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Oxford. \\\"Pela primeira vez um governante brasileiro é agraciado com o título da mais antiga universidade de língua inglesa do mundo. Fernando Henrique é também o único governante latino-americano a ser reconhecido no grau de Doctor of Civil Law, concedido pelos britânicos a estadistas estrangeiros.\\\" [2]. Em 2005 tornou-se Doutor Honoris Causa pela Universidade de Montreal. Doutor Honoris Causa pela Universidade Rutgers (Nova Jérsei - Estados Unidos), Doutor Honoris Causa pela Universidade de Notre Dame (Indiana - Estados Unidos), Doutor Honoris Causa pela Universidade Central da Venezuela (Venezuela), Doutor Honoris Causa pela Universidade do Chile, Doutor Honoris Causa pela Universidade do Porto e Universidade de Coimbra (Portugal), Doutor Honoris Causa pela Universidade Livre de Berlim (Alemanha), Doutor Honoris Causa pela Universidade Sofia (Japão). Doutor Honoris Causa pela Université Lumière Lyon 2 (França), Doutor Honoris Causa pela Universidade de Bolonha (Itália), Doutor Honoris Causa pela Constantine the Philosopher University (Eslováquia), Doutor Honoris Causa pela Universidade de Oxford (Inglaterra), Doutor Honoris Causa pela Universidade de Cambridge (Inglaterra), Doutor Honoris Causa pela Universidade Hebraica de Jerusalém (Israel) Doutor Honoris Causa pela Universidade de Moscou (Rússia).

Alberto H E Sobrinho Advogado 06/07/2011 8:44

Caro Professor e excelente pesquisador. Gostei muito de sua resposta, bem redigida, fundamentada e com exemplos (que confesso não confirmá-los), mas dignos de respeito. Muito obrigado pelo esclarecimento. Só gostaria de saber qual a area de atuação do insigne Mestre? Aliais, uma pergunta pessoal: Não conheço seu grau, mas acredita que uma professora do primario não deva ser chamada de mestre?

Célia A. psicologa01/04/2011 13:50 Responder

\\\"Dê a Cesar o que é de Cesar\\\".

ediane do lar24/04/2011 2:40 Responder

o Brazil é a terra dos doutores. Ninguém mais sabe quem é doutorado porque aqui \\\"doutor\\\" é pra todo mundo. Em qualquer outro país só é doutor quem faz doutoramento e quem termina o curso de medicina é o \\\"medical doctor\\\". Engenheiro é engenheiro, advogado é advogado, psicóloga é psicóloga , fisioterapeuta é fisioterapeuta, etc. Enfermeira, vá fazer um curso lá fora e diga que voce é doutora. Vão rir na sua cara. Eta nóis!!!!!!!

Marcelo Biólogo01/05/2011 0:54 Responder

Por favor, leiam esse link: http://www.jusbrasil.com.br/noticias/1682209/doutor-e-quem-faz-doutorado aqui tudo se elucida

Marcelo Fossa da Paz Professor Doutor e pesquisador 01/05/2011 1:19

Parabéns pelo artigo!!!

Marcelo Paz Professor Doutor e pesquisador01/05/2011 1:17 Responder

Fazia tempo qne não entrava nesse tópico e ví que a coisa \\\"involuiu\\\" muito. Depois de tantas explicações elucidativas postadas por vários profissionais ainda vejo a insistência dos advogados em relação à suposta não revogação da lei de 1827. Ainda que não tivesse sido revogada e, portanto vigente quero transcrever ípsis literis o único artigo que fala sobre o título de doutor: \\\"Art. 9.º - Os que freqüentarem os cinco annos de qualquer dos Cursos, com approvação, conseguirão o gráo de Bachareis formados. Haverá tambem o grào de Doutor, que será conferido áquelles que se habilitarem som os requisitos que se especificarem nos Estatutos, que devem formar-se, e sò os que o obtiverem, poderão ser escolhidos para Lentes.\\\" Portanto \\\"Doutor é quem tem doutorado\\\" será que dá pra ser mais claro??? Saber interpretar uma lei é OBRIGAÇÂO de um advogado. Usar esse argumento para validar o uso do título acadêmico \\\"Doutor\\\" como \\\"pronome de tratamento\\\" (asmem, Doutor nunca foi pronome de tratamento) é RIDÍCULO!!!

Marcelo Fossa da Paz Professor Doutor e pesquisador 01/05/2011 1:21

Corrigindo: \\\"...(Pasmem, Doutor nunca foi pronome de tratamento) ...

Alberto H E Sobrinho Advogado 06/07/2011 8:47

Não? É uma honraria pelo reconhecimento dos avanços acadêmicos? Apenas isso?

Marcelo Paz sua profissão 03/12/2011 15:50

Não Alberto, não é honraria é título acadêmico!!

Alberto H E Sobrinho Advogado 02/03/2012 5:46

Então, tá! Contudo a resposta do Professor Herculano Sobreira, independente de minha posição, me aparenta ser mais completa e digna de atenção. Dê uma lidinha, antes de afirmar algo tão resumido e pontiagudo, que nenhuma mão de sabedoria seja tola de socar. Aliais, já que se trata de um Doutor Acadêmico e Pesquisador, poderia enriquecer com mais informações nosso debate, não ficar movendo suas paixões sem apresentar um texto a sua altura, como um dogma. Eu apresentei uma perspectiva, fundamentada juridicamente, pode ser que todos nós advogados nos equivocamos, daí a necessidade do educador, culto, respeitoso e seguro, para elucidar nossas cabeças ignorantes. Todos apresentaram suas opiniões, assim como eu. Caso o Doutor tenha um posicionamento diferente, por favor, mostre sua fundamentação, baseando-se em nossa extensa literatura, que foi pesquisada pelo jurista, também formado em Letras (que se for da mesma área do insigne Doutor, foi também seu colega de profissão), que utilizei. Estamos sedentos por sua sapiência.

Luiz Machado estudante 09/03/2012 15:45

Senhor Marcelo, tem toda razão... se a lei ainda não foi revogada expressamente, é certo que, tacitamente foi, pelo não uso, pois legalmente não há obrigação em usá-la...questão de interpretação, como o senhor mesmo disse, é OBRIGAÇÃO de todo Advogado saber!

daniel estudante medicina veterinária05/10/2011 23:36 Responder

doutor só quem tem doutorado.....

TITUS ANDRONICUS ADVOGADO01/09/2012 13:39 Responder

Eu acho incrível a capacidade das pessoas de perder tempo discutindo algo inócuo. O Decreto Imperial não foi revogado, e tal reconhecimento se observa pela forma como os ministros do Supremo Tribunal Federal, a mais alta corte do país, guardiã da Constituição, chama esses profissionais do direito de doutor. O que quero dizer é que chamar ou não o advogado de doutor não altera em nada, o que realmente interessa é a competência do profissional. Conheci muitos profissionais que ostentavam o título de doutor, pois efetivamente havia completado o doutorado, que são o cúmulo da incompetência. Titulo não significa nada sem competência.

Fernando Biólogo, Ph.D.05/09/2012 0:44 Responder

Amiguinhos, a questão é: Vc fez doutorado? Não??? Então não é doutor. Pode até ser chamado de doutor. Ou mesmo, exigir que seja chamado de doutor. Mas vai sempre saber que não tem doutorado e que portanto não é doutor. Não há mal nenhum nisso, é uma forma de querer respeitar ou ser respeitado, mas o título na parede não tem. Pronto!

Viviane Moura de Otero Fisioterapeuta06/09/2012 12:27 Responder

O estudante Edgar está ceto, o que o cremerj quer com esta resolução é mostrar para população os profissionais que a estão atendendo, pois, todos com jaleco branco e somente com o Dr na frente para ela é médico. Sou fisioterapeuta e sei a importância do meu trabalho na sociedade, que não pode ser substiruído pelo atendimento médico e não quero que me confunda como tal.

Miranda bióloga14/09/2012 2:01 Responder

Caríssimos advogados e médicos. Sei que e duro admitir para si mesmo diante do espelho que não conseguiram ir além do bacharelado em direito e medicina respectivamente... Gostem ou não concluir e defender um tese de doutorado ainda é para poucos... Passar em medicina é difícil, não resta a menor dúvida , na prova da OAB nem se fala... Mas isso , nem de longe os \\\"habilita\\\" a ostentarem o titulo de Doutor. Se cursar direito e medicina não é para qualquer um (como vocês mesmos dizem), imaginem defender um doutoramento....

dra adriana enfermeira doutorada15/11/2012 3:35 Responder

drº adriana lima enfermeira com mestrado e doutorado e pós em urgência emergência e uti olha gente creio que isso é ridículo eu pra ser chama de doutora fiz minha pós meu mestrado doutorado e ainda tem gente que me chama de enfermeira creio que médico que se acha o tál tem que fazer doutorado e apoio a lei que permite enfermeiros e outros profissionais da saúde use o título doutor pois estudei 14 anos da minha vida a pois quero respeito a todas as areas

Geyson S. Florêncio Acad.Medicina 28/11/2012 5:09

Dra. Adriana, Como acadêmico de medicina, posso garantir que dentre meus pares, o título de Dr. não nos salta aos olhos em nada, tendo em vista que, como já foi dito, qualquer profissional dentro de um hospital de jaleco é referenciado pela grande maioria dos paciente como Dr. Isto é errado, pois confundi o mesmo e não o norteia quanto a quem procurar e a quem se referir quando necessitar de atendimento médico, por exemplo. Concordo com o CREMERJ e apoio que esteja explícito a formação acadêmico em todas as formas de identificação, quer elas crachás, jalecos ou carimbos. Só assim poderemos realizar a distinção de competências de forma clara e objetiva.

José Professor23/11/2012 19:42 Responder

Usar ou não usar \\\"doutor\\\" melhora a qualidade do atendimento profissional? É só uma questão de ego, para alguns muitos, principalmente advogados.

Moisés Clemente M. Cavalcante Doutor em Bioquímica - Professor pesquisador23/11/2012 19:57 Responder

Rsrsrsrsrs... Sou doutor e estou achando tudo isso aqui uma bizarrice das melhores do mundo. Queridos Dotôs, estudem mais quatro anos e virem meus colegas. Apesar de ter concluído o meu doutorado em tres anos. Rsrsrsrsrsrsrs.... Qualquer coisa olhem o meu curriculun Lattes no site do CNPq.

Daniel Médico24/11/2012 0:54 Responder

Eu acho tão ridícula essa exigência por parte de alguns de ser chamado de doutor...A galera brandindo um pedaço de papel da época do império ou invocando o uso habitual...Ser chamado de Doutor não te torna mais culto ou um profissional melhor (no máximo alimenta o pedantismo).É claro que Doutor é quem tem doutorado, mas tambem me parece estranho o interesse dos verdadeiros doutores na forma com que eles ou os outros são tratados (Alguém acha que o Messi exige ser chamado de craque ou perde a cabeça se um perna de pau for chamado da mesma forma?)

João Timóteo Médico com Doutorado24/11/2012 0:56 Responder

Gostaria de Dizer aqui que os Advogados são Doutores sem ter feito Doutorado porque existe a Lei Imperial Brasileira que otorga esse direito aos advogados. Os Médicos são Doutores porque no Diploma está escrito que a Faculdade Otorga a Fulano o Título de Doutor em Medicina (vem escrito assim no Diploma) Então meus caros somos Doutores. Já qualquer educador Físico é chamado de Professor (e a maioria não fez Mestrado). Tirem vcs suas próprias conclusões!

Priscila S professora 27/11/2012 1:05

Para ser chamado de professor basta ter licenciatura, não mestrado.

Marcelo Nogueira Biólogo (Doutorando) 29/11/2012 5:27

Leia o que já foi discutido ... Você está \\\"comendo\\\" boa e mal informado!

Marcelo Nogueira Biólogo (Doutorando) 29/11/2012 5:29

corrigindo: \\\"comendo bola\\\" ... fui até didático errando e mostrando o que você fez ... rs

Ricardo Estudante24/11/2012 3:10 Responder

Ahhh o ser humano, sempre querendo se por acima dos demais. lógico que o título é mérito da quele que contribui para o desenvolvimento científico do país, e na maioria das vezes quem contribui para isso não faz questão do título. Afinal ,muitos preferem ser chamado de PROFESSOR. Quem se importa em ser chamado de DOUTOR é o Zé, que quer ser mais que o outro, quer ser mostrar superior, ou acha que é deus por ter feito DIREITO ou MEDICINA.... Alias, o que tem de médico e aDvogado burro não se encontra no gibi !!!!!

Renato Médico24/11/2012 20:35 Responder

Acho que todos vocês tem que procurar um chão pra varrer em vez de ficar discutido essas coisas inuteis. Essa discussão só deixa mais evidente que o que move o mundo não é o sexo nem o dinheiro, mas a vaidade e o orgulho. Foda-se todos, Abraços Renato

Bernardo Silveira Mendes Estudante de Engenharia Aeroespacial25/11/2012 21:07 Responder

Quanto ego daqueles que falam com tanto vigor que \\\"estudariam menos em outro curso para atingir o nível de doutorado\\\". Todos sabemos que medicina é difícil, ninguém está falando que não é, mas a lei abrange o aspecto do engano ao usuário quanto à saber por quem está sendo atendido. Um título de doutorado é acadêmico, e não folclórico, não é simplesmente colocar um Dr. na frente do nome para que se tenha tanto tempo empregado na academia quanto um doutor, que passou por todos os processos até conseguir tal título. Mas entendo vocês, atacar a vaidade de uma classe inteira justamente no ponto mais fraco, com tanto vigor, exaltaria o ego até mesmo dos mais simples médicos.

Dr. Sonia doutora em genética25/11/2012 21:16 Responder

essa é para o RICARDO MOREIRA, me parece que esta um pouco revoltado com a lei, acha que é injusto? procure se informar melhor, pra nao opinar com argumentos ridículos! mestrado a distancia? doutorado 2 anos? eu nao sei onde encontrou isso, a menos q ofereça isso na sua faculdade que deve ser de quinta! pq eu defendi uma dissertação de 2 anos para obter título de mestre, mais 4 para obter o de doutor e mediante muito trabalhos publicados em revistas, fui qualificada por uma banca de alto gabarito. Minha graduação em biologia tb foram de 5 anos. Eu escolhi isso, sou doutora pq eu quis seguir em frente, batalhei, estudei, por 10 anos, e agora sou pós doc. Se vc quiser colocar no seu precioso jalequinho Dr. Ricardo faça como eu fiz, faça doutorado, se for esforçado e tiver publicações, pode ate pular a etapa de mestre, mas consiga o título de doutor por mérito, nao fiquei desmerecendo quem nao faz medicina, pq qq uma das profissões tem profissionais medíocres, como creio que vai ser. Imagino que vc é um daqueles estudantes rídiculos que anda de estetoscópio no pescoço e jaleco bordado o nome dentro dos restaurantes e lanchonetes... cresça e apareça... se quiser conseguir ESSE NOBRE TÍTULO EMPENHE-SE E ESFORCE-SE é pouco 6 anos de graduação e 4 de residencia.

Tiago Lopes sua profissão25/11/2012 22:23 Responder

Voltamos ao século IX, onde as pessoas eram reconhecidas apenas por seus títulos, como os barões e os nobres, que por sinal eram comprados. Na verdade nunca saímos dele. Pra que servem os títulos se nesse país, me refiro ao Brasil, não há meritocracia? Mesmo que a lei entre em vigor, isso não mudará a visão do simples trabalhador que não teve tempo de estudar, não é graduado, não sabe o que é strictu senso nem lactu senso, mas infelizmente sabe que ainda existe a infeliz hierarquia social e qualquer um que o mesmo reconheça que é \\\"melhor\\\" do que ele, o mesmo o chamará de doutor. Pensem mais distante, todos devem ser valorizados pelas suas conquistas, mas o detalhe é que nosso país não reconhece.

Saulo Advogado26/11/2012 3:58 Responder

Se até o Lula é Doutor. No meu meio de trabalho somos assim tratados por todos as partes processuais/juridicas, e não serão vcs a mudar essa pratica que existe em praticamente TODOS OS PAÍSES. A formalidade no meio juridico me encanta. Quanto ao tratamento no dia a dia, fora do meu trabalho, não obrigado, não gosto de ser chamado de Doutor.

Luciana Nicacio Mestranda em Engenharia Elétrica 27/11/2012 21:42

Sr. Saulo, o ex-presidente Lula é Doutor Honoris Causa que, de acordo com o Wikipédia, é um título honorífico concedido por universidades a pessoas eminentes, que não necessariamente sejam portadoras de um diploma universitário mas que se tenham destacado em determinada área (artes, ciências, filosofia, letras, promoção da paz, de causas humanitárias, etc), por sua boa reputação, virtude, mérito ou ações de serviço que transcendam famílias, pessoas ou instituições. Portanto, o Lula é sim um doutor, mas honoris causa, bem diferente do título que muitos médicos e advogados usam sem merecê-lo!! Muitos dizem que se formar em medicina não é fácil, assim como passar numa prova da OAB, e eu acredito, mas não são as dificuldades que faz uma pessoa merecedora do título de doutor. Merece o título de doutor aquele que fez doutorado, ninguém mais!!!

NO WIKIPÉdia NO WIKIPÉDIA 30/11/2012 18:34

NO WIKIPÉDIA

Rodrigo A. Toledo Prof. Dr.26/11/2012 14:46 Responder

Concordo com muitas e discordo de tantas outras opiniões aqui emitidas. Tenho 5 anos de graduação, 1,5 de especialização, 2 de mestrado e 4 de doutorado. No total, são 12,5 anos de estudos de nível superior. Independentemente da carreia, o portador do título de doutor deve ter realizado pesquisa original, apresentado para uma banca de examinadores doutores e, ai sim, ter obtido o título de doutor. Todos os profissionais das outras carreiras que não tenham passado por esse, digamos, processo, não podem ostentar o título de Doutor. A diferença de um pesquisador doutor, geralmente, chega até a essa titulação não por buscar status, mas para responder a questões científicas, ou problemas relevantes para a sociedade.

Marcelo estudante26/11/2012 19:22 Responder

Ainda esta discussão?? Simples!!! Doutor é quem tem doutorado. Tente fazer um concurso público que exija o título de Doutor para ver se a inscrição é deferida apenas com o bacharel!? Agora lei imperial?? Ahh vá!! Você está de brincadeira?? Mas se vocês quiserem ler a explicação de um advogado, com uma carreira brilhante matando de vez essa balela de dizer que bacharéis de qualquer curso podem ser chamados de Doutores vejam o texto clicando ou colando o link abaixo: http://por-leitores.jusbrasil.com.br/noticias/1682209/doutor-e-quem-faz-doutorado Parte do seu texto \\\"Quando coordenador de Curso tive o desprazer de chamar a atenção de (in) docentes que mentiam aos alunos dessa maneira. Eu lhes disse, inclusive, que, em vez de espalharem mentiras ouvidas de outros, melhor seria ensinarem seus alunos a escreverem, mas que essa minha esperança não se concretizaria porque nem mesmo eles sabiam escrever\\\". Divirtam-se!! Abraço a todos!!

Adler Guilherme Viadana Geógrafo26/11/2012 20:34 Responder

Bacharéis principalmente advogados, médicos e dentistas: querem ser tratados por \\\"doutores\\\"? Simples, façam doutorado! Obrigado. Dr. Adler Guilherme Viadana.

Gustavo Professor26/11/2012 22:09 Responder

Eu, que tenho doutorado em conceituada Universidade Federal, não uso o Título para me apresentar. Afinal, Doutor já está ficando pejorativo. Vestiu jaleco branco, é doutor (pelo menos assim eles se acham).

Pedro ENGENHEIRO DE ALIMENTOS27/11/2012 10:22 Responder

Sou engenheiro, professor, pesquisador e mestre e quando começam a me chamar de \\\"doutor\\\", logo replico: não tenho doutorado, pode me chamar pelo nome. Simples assim. Acabamos com a prepotência de classes que se acham acima das outras.

RAMON Eng. agrônomo27/11/2012 13:00 Responder

PARA ACABAR \\\" DOUTOR É QUEM TEM DOUTORADO O RESTO É SÓ GRADUADO\\\" RAMON SANTOS DE MINAS DOUTOR EM PRODUÇÃO VEGETAL

Juvandi de Souza Santos Prof. Dr. Arqueologia27/11/2012 13:47 Responder

A merda é que tem um monte de medicozinho e advogadozinho de quinta que se acam o máximo serem chamados de DOTOR. É assim mesmo: DOTOR, seu o U. kakkkkkkk. Eita país de merda.

Renato Fisioterapeuta (não me considero dr e nem tenho doutorado)27/11/2012 15:30 Responder

Não vou entrar no mérito de quem deve ser chamado ou não de \\\"doutor\\\", só acho extremamente idiota esse tipo de discussão gerada entre as profissões, que é basicamente uma disputa de \\\"egos\\\". Seja reconhecido pela sua competência profissional e não pelo seu título...

Rodrigo Rodrigues Professor27/11/2012 18:07 Responder

Ser Chamado de Médico ou DR. não importa, o importante e resolver o problema da Saúde Publica no Brasil , besteira perder tempo com estas coisas

Janaína Doutoranda em Produção Vegetal27/11/2012 19:44 Responder

Quer ser chamado de doutor? então faça mestrado de 2 anos ganhando uma bolsa do governo de 1200 reais por mês, com dedicações exclusiva, sem direito de receber 13º salário, férias ou qualquer outro benefício, depois faça doutorado por 4 anos recebendo uma bolsa de 2100 reais nas mesmas condições. Eu duvido muito, que um médico ou advogado aceite receber estas remunerações por 6 anos para se obter um título de doutor. Então respeitem as pessoas que se dedicam a vida acadêmica e que são responsáveis pela maioria das pesquisas do pais.

Pedro Saraquino Médico (com mt orgulho)27/11/2012 20:15 Responder

Uma verdadeira briga de egos. Dá vontade de interromper o meu doutorado pra nao ser comparado aos péssimos exemplos de doutores que infelizmente vi por aki. Ser reconhecido com alguem que promova o bem é mais importante que qquer título besta desse. Eu nunca pedi pra ser chamado de doutor por ser médico, mas é uma maneira gentil que as pessoas, principalmente as mais humildes, tem de demonstrar seu respeito. Algumas dessas q nem sabem ler, e por isso nao conseguem saber o nome do profissional que os atende, restando a denominação DOUTOR para haver essa relação. O que realmente é importante aki é debater sobre profissionais não médicos que insistem em adentrar na área restrita ao médico. Isso é crime. Isso sim é importante. Os mais ignorantes nem percebem que estão exercendo a medicina ilegalmente.

Marcela estudante27/11/2012 22:20 Responder

Meu Deus que briga de egos mais boba. Um médico ser chamado de Doutor é uma prática cultural e mundial, não é apenas no Brasil, e não tem nada a ver com título ou não de doutorado. Independente da graduação, todos deveriam estar mais preocupados em exercer sua profissão com dignidade e excelência sem considerar que título vem antes do nome. Como disse o colega acima, o Brasil tem muitos problemas a serem resolvidos, é perda de tempo discutir que merece ou não ser chamado do que.

Rafael Bastos Engenheiro27/11/2012 22:26 Responder

Sou pós-graduado e ganho muito mais que muito doutor....

Fabio Teixeira Adminstrador 01/12/2012 1:19

Ainda não encontramos que te perguntou isso. As buscas continuam...

Bruno Costa Medico27/11/2012 23:21 Responder

Eu sou médico, com muito orgulho, e não peço que seja chamado, nem vejo outros colegas exigindo que sejam chamados de doutor. O que acontece é que o paciente tem que interagir com uma pessoa (medico) numa emergencia ou mesmo numa consulta, que as vezes ele nem sabe o nome do profissional! Aí sai um sonoro DOUTOR! É apenas cultural! NÒS NÂO PEDIMOS ISSO, NEM NOS IMPORTAMOS COM ISSO! Agora a horda de gente complexada que fez doutorado e gostaria de ser chamada de doutor (mas não é) não está no gibi! Imaginem esse experimento antropologico: se colocarem profissionais de varias areas numa festa com população comun, os profissionais da area da saude, principalmente os medicos, tem uma maior chance de amealhar atenção devido a sua profissão e ao fato do população querer falar de suas doenças ou algo parecido. Acabamos por monopolizar conversas e coisas do genero e chamam logo a gente de doutor. Isso incomoda bastante quem fez Doutorado, por que a mesma pessoa que me chama de DOUTOR, não a chama, mesmo tendo feito doutorado e tudo mais e eu ainda tenho muito mais a atenção dela! NÓS NÃO PEDIMOS PARA SERMOS CHAMADOS DE DOUTORES! Nós ajudamos pessoas, as vezes em situações extremas, e a forma mais fácil do paciente nos chamar é dessa forma!

Gilberto L.M. Médico 28/11/2012 17:09

Excelente comentário Bruno Costa. A diferença está justamente neste ponto; eu não peço pra ser chamado de Doutor, mas a população, por educação e tradição nos chama assim... paciência... Dra. Sônia (aposentada) pare de falar asneiras e vá cuidar da sua fazendinha do facebook e do orkut vá... Lembre-se de se consultar com seu Dr. Geriatra. Abraço.

Marcelo Nogueira Biólogo (Doutorando) 29/11/2012 5:07

Que deselegante!! (FATO) Que exemplo de profissional. (IRONIA)

Marcelo Nogueira Biólogo (Doutorando) 29/11/2012 8:38

Refiro-me ao Sr. Gilberto.

Chfa estudante28/11/2012 1:17 Responder

Fulano estudou dez, quinze anos pra ficar de picuinha na internet? Eu gostaria de acreditar que alguém supostamente tão inteligente teria preocupações menos banais que afagar o próprio ego. Uma grande bobagem essa resolução que para o paciente mesmo não fará a menor diferença. Tendo um nutricionista phd com um belo crachá e o infeliz vai achar que está falando com médico. Pura questão de ego.

Dr. Sonia doutora em genetica ( aposentada) 28/11/2012 4:04

Chfa vc provavelmente deve ser estudante de medicina e deve estar doidinha pra se formar para ser chamada de doutora nao é mesmo querida? poupe-me de hipocresia

Lilian Estudante de medicina28/11/2012 2:06 Responder

Parabéns Dr. Sonia, Bcharel, nem advogado é ainda. Quanto aos senhor Ricardo. O senhor deveria saber que que se acha tão inteligente que uma pessoa que faz pedagogia com mestrado e doutorado é mais doutor que um medico sim. O curso não determina inteligência e sim vocação. Estuda um pouco mais ai sim seja Doutor.

Lilian Estudante de medicina28/11/2012 2:06 Responder

Parabéns Dr. Sonia, Bcharel, nem advogado é ainda. Quanto aos senhor Ricardo. O senhor deveria saber que que se acha tão inteligente que uma pessoa que faz pedagogia com mestrado e doutorado é mais doutor que um medico sim. O curso não determina inteligência e sim vocação. Estuda um pouco mais ai sim seja Doutor.

DOUTOR? TANTO FAZ... O IMPORTANTE É A REMUNERAÇÃO!! MÉDICO28/11/2012 2:15 Responder

Eu pouco me importo se me chamem ou não de \\\"Doutor\\\" !! Agora quando recebo meu salário e vejo que posso pagar minhas contas, viajar, fazer uma boa reserva e gastar com o que quiser, sem me preocupar se vai dar ou não para passar o mês todo, fico feliz em ter escolhido a medicina como profissão e embora esteja desvalorizada, ainda vale muito a pena... melhor remunerada que muuuuitas profissões onde os doutores de verdade - com doutorado- ficam chorando e fazendo greves para ver se aumenta a miséria de salários que recebem!!!! Podem me chamar do que quiserem - médico, doutor, pelo nome, fulando, cicrano, beltrano... o importante é a remuneração no final do mês!!! Sem mais, beijos e abraços!!!

Lucinda Pedrosa Professora28/11/2012 2:57 Responder

Pelo que está na resolução, a denominação de médico, se refere ao cargo que o funcionário exerce na instituição, para que os profissionais sejam corretamente identificados.Do contrário teria restrição ao promome de tratamento também. Chamar um médico de doutor é uma questão cultural que está enraizada nas pessoas. Essa é mudança que será lenta e gradativa. Não precisamos ficar com despeito, raiva, ou outro sentimento negativo, basta usar Sr. ou Sra, ao nos referirmos a eles.

Dr. Bruno Andrade Professor Universitário28/11/2012 3:17 Responder

Prezados colegas, Doutor é que fez Doutorado, ponto final! Obter um título de doutorado é muito mais do que uma graduação em Medicina (ou qualquer outra). Então, vamos parar de banalizar o título de doutor e dar valor ao esforço de tantas pessoas que constroem o conhecimento nesse país!

Teo Landis Biologo28/11/2012 4:00 Responder

Isso é um absurdo! Eu me lasquei fazendo mestrado e doutorado e ninguem me chama de doutor! Aí vem um qualquer um que fez medicina e logo é chamado de DOUTOR! Absurdo! Eu fiz e publiquei um trabalho inédito sobre Ciclo de vida da Brachyspiraceae e ninguem me chama de doutor! Vou a reuniões e basta um cretin. de branco para roubar a atenção e ser chamado de DOUTOR! Doutor sou eu que fiz doutorado! Chego numa padaria e me chamam SEU TEO! Seu Teo uma por#@! ME CHAME DE DR. TEO! Já não basta esses cretin.s receberem salários maiores, agora vão roubar MEU titulo de DOUTOR! ISSO É U M ABSURDO ! È POR ISSO QUE ESSE PAIS NAO VAI PRA FRENTE!!

Maria Eduarda Médica28/11/2012 4:44 Responder

Só uma pergunta, como você chama o médico em INGLÊS? Doctor. Pois é minha gente, isso é por tanto uma questão de respeito e carinho por quem cuida da saúde e estuda para o resto da vida muito mais do que um doutorado poderia trazer. Não estou desmerecendo todos aqueles que fizeram e fazem doutorados e tem o título. Apenas compreendam que o título \\\"dado\\\" aos médicos é mais antigo do que a maioria dos cursos existentes hoje. O médico vale muito mais do que toda essa discussão.

Leonardo Fialho Pesquisador associado 28/11/2012 6:52

Prezada Maria Eduarda, veja bem... o médico vale muito, pois salva vidas, pelo menos essa é ideia. Mas o engenheiro também não vale tanto quanto? Afinal engenheiros projetam carros, sistemas de comunicação, edifícios... Falando nisso, o pedreiro é importantíssimo, pois ele foi fundamental para construir a casa que a Sra. mora! Já pensou em viver em um local onde não existem lixeiros? Todos são igualmente importantes. Mas isso não tem nada a ver com o pronome de tratamento, certo? A Sra. é médica, pois estudou medicina. Os doutores são assim chamados porque fizeram doutorado. Quanto ao \\\"estudar para o resto da vida\\\", pense bem, voce está estudando algo que alguém criou, certo? Eu posso imaginar que quem criou este conhecimento que voce estuda foi um doutor...

Marcelo Nogueira Biólogo (Doutorando) 29/11/2012 7:59

Sra. Maria ... Todos os bons profissionais estudam a vida inteira ... Ou pelo menos deveriam!! Isso não é exclusividade de uma só profissão. Apenas compreenda que as pessoas precisam ser informadas que só é Doutor quem tem doutorado ... Claro que isso não vai ser de um dia para o outro, mas cabe a nós pessoas esclarecidas, esclarecer ... Quem sabe despertamos cada vez mais e mais nas pessoas o gosto pela ciência e a vontade destas de se tornarem doutores e não somente um graduando!! Veja que bacana ... Quem sabe você não vire uma Doutora também ??

Geyson S. Florêncio Acad.Medicina28/11/2012 4:45 Responder

Não faço a mínima questão de exibir o Dr. antes de meu nome! Pelo contrário, acho até justo apenas quem possui a graduação de Doutor possui-lo. Creio que esta nomenclatura perpetuou-se por período longo de mais. Pra mim, torna-se realmente seguro, que exija-se DE TODOS OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE, que coloquem a FORMAÇÃO na sua identificação. Isto evitaria uma boa parte de profissionais não médicos que a seu bom grado, se passam de forma criminosa por médicos. Apesar de achar que jamais um paciente me tratará de outra forma diferente de Dr.

Ana Paula Ferreira Rangel Médica28/11/2012 8:44 Responder

Nossa! A vaidade é tanta que parecem que nem leram todo o artigo. O objetivo na verdade é fazer com que a população passe a identificar quem realmente é graduado em medicina devido a massiva banalização do título. Essa determinação já veio tarde. Trabalho em um hospital escola e nossos laudos já há anos não trazem títulos, apenas nosso nome e o número de inscrição no CREMERJ e todos os pacientes nos identificam como médicos, pois o diferencial em todas as áreas, na minha opinião, é a competência, postura profissional e qualidade de atendimento. Penso que o conhecimento GERAL das ciências da saúde é mais acessível aos médicos em sua formação, vide o volume de conteúdo e carga horária imensos na graduação. Existem profissionais dedicados à formação acadêmica em todas as áreas, mas não são melhores nem piores do que quem se dedica à aplicação prática de conhecimentos. É uma questão de vocação, ou ambição de conhecimento ou vaidade em ostentar um título, as motiações são diversas e essa discussão é absurda. Mas se a população um dia aprender no meio de tantos doutores a identificar os verdadeiros graduados em medicina e entender o significado dessa profissã, a sociedade terá muito a ganhar. Abraço a todos e parabéns aos estudiosos, dedicados e esforçados, independente de títulos.

Fabiano professor universitário28/11/2012 16:06 Responder

Pois é, médico em inglês é doctor. Médico em português é ... médico. Título de doutorado em português (o que vem DEPOIS de mestrado), é doutor, e em inglês é PhD. Doutor é quem faz doutorado, defendendo tese com uma banca e duração de 04 anos (depois da graduação e mestrado).

Leandro Looben Teologo28/11/2012 17:12 Responder

Simples! Apenas olhem o que aparece em seus DIPLOMAS. Ou o MEC está equivocado??

Wonei VItal Farmaceutico Bioquímico28/11/2012 20:43 Responder

Ao SEnhor: Guilherme Rodrigues- Sociologo....segundo ele... O Senhor está totalmente desatualizado e fora do contexto, a discussão aqui seve pra diremir idéias e formar opiniões, oque é papel fundamental do meio acadêmico, me parece que o senhor desconhece a qualidade das idéias das quais faz uso!

ana shirley Técnica em Radiologia29/11/2012 1:55 Responder

So quero dizer algo aos Senhores Médicos,que estude mas para diagnosticar e tratar o ser humano que vos procuram para se tratar cm qualidade e responsabilidade com o próximo,pq infelizmente o que presencia-mos são Médicos com diplomas brincando com a vida do próximo.Deixo claro que serve para aqueles que não levam a serio sua profissão,fazendo com que a classe seja vista com irresponsabilidade.

Jean Leo Testut Médico29/11/2012 5:06 Responder

Quanta bobeira. Por mim, pode me chamar de mané. Não precisa me chamar de Doutor. Basta pagar a minha consulta que não é barata. Prefiro ser um mané com dinheiro do que um Doutor frustrado pedindo financiamento para a CAPES e etc. Não sou Doutor, sou Médico. Bem diferente.

Marcelo Nogueira Biólogo (Doutorando) 29/11/2012 8:12

Eu quase que nada não sei. Mas desconfio de muita coisa. (Guimarães Rosa). Com este seu comentário desconfio o \\\"ótimo\\\" profissional que você deve ser!! Se existe remédios para receitar, equipamentos para fazer exames e outros, é devido a Doutores que recebem bolsas da Fapesp, CAPES e outros órgãos de fomento para que isso aconteça!! Agora frustado pelo jeito, deve ficar seus pacientes, após saírem do seu consultório ...

Rodrigo Hardt Dr. Engenharia Mecânica e Empresário 14/02/2013 3:16

REPOSTANDO Vejo um monte de médicos aqui fingindo que não ligam para a titulação e que o importânte é o salário. Estes (excluo os bons médicos que tem o dom para trabalhar com pessoas e são humanitários) que respondem desta forma são hipocritas, pois se não ligassem não estariam aqui perdendo seu tempo argumentando. Dr. Sonia, você foi excelente em suas palavras. PONTO 1___DOUTOR é que faz doutorado e isso deve ser valorizado, porque o que fica na historia são os trabalhos e pesquisas feitas por estes profissionais que dedicaram parte de suas vidas para contribuir de forma a deixar algo para as proximas gerações. Os médicos trabalham com vidas humanas e isso deve ser valorizados, mas não dá a titulação de Dr., pois apenas executa sua profissão (que é ótima por sinal). Dr. é aquele que contribui com pesquisas que possam ser usadas para melhorar o mundo, as condições de vida das pessoas, etc, seja em qualquer área., até mesmo em quem se empenha em fazer doutorado na medicina e temos muitos exemplos de profissionais médicos doutores que deixaram sua contribuição em pesquisas para a posteridade. PONTO 2 ___Agora meu caro Mauricio, se vangloriar de seu sálário de médico, como se o sálario fosse mais importante que o conhecimento, é realmente uma lástima. Tenho empresa própria e tenho até 2 médicos que trabalham para mim. O que eu ganho em um mês, possivelmente o sr. levaria no minimo meio ano para ganhar e isso chutando que você seja bem remunerado como diz, porque nem todos os médicos assim o são. Nem por isso deixei de estudar. Abri minha empresa após a graduação e continuei me dedicando aos estudos na engenharia, para melhorar meus produtos e até mesmo para contribuir com a sociedade deixando assim publicações úteis para outras pessoas, que possam ser usadas para desenvolver outros produtos ou novos processos, etc. Então não queira obter titulação de Dr. porque \\\"acha\\\" que ganha bem e melhor que os outros. Eu ficaria em depressão se recebesse seu sálário meu amigo. PONTO 3___ Também acha que é dificil medicina, pode até ser...mas não tem nem idéia o que é fazer cursos de engenharia e nem imagina o que é fazer cursos de Fisica e Matemática (parabens a estes profissionais, pq sem vocês a engenharia não seria nada). Desvaloriaza profissionais como a Dr. Sonia que contribui com certeza para a formação de diversos profissionaios. Sem a quimica e biologia atuais, e até a engenharia ( ou quem você pensa que faz toda aparelhagem dos hospitais, proteses, seringas, etc) a medicina estaria fadada a era medieval, onde xaropes e sanguessugas seriam a tecnologia dominante. Bom, desculpem os bons médicos humanistas que realmente tem o dom para ajudar as pessoas e não exercem a medicina simplesmente pelo status de Dr. e dinheiro. A estes deixo minha grande admiração e reconhecimento. Para os outros tipos de médicos só uma colocação parafraseando um filme muito conhecido \\\"Dr. Nunca serão\\\".

Izabela Fernandes Cardiologista29/11/2012 13:45 Responder

Quantas besteiras ditas, como as pessoas se preocupam com títulos, poderiam se preocupar que o nosso país está em penúltimo lugar do mundo em educação, a saúde está cada vez pior, sem profissionais qualificados e que tudo na vida precisamos de uma equipe , o médico não faz plantão sozinho no hospital, o advogado precisa de seus auxiliares, como as demais profissões. E quem só tem a ganhar é a população, o titulo ou a forma de tratamento só serve para aumentar o ego ou diminuir os outros, pq um excelente profissional não se faz com titulo ou pronome de tratamento, se faz com estudo e muito conhecimento.

seu nome sua profissão 29/11/2012 20:18

Olha chegou a \\\"dona da verdade\\\" ... Comentário às 10h45 ... Não conseguiu plantão hoje?

Izabela Fernandes Cardiologista 30/11/2012 13:26

Não sou dona da verdade o que acontece nesse país é uma grande hipocrisia, todo mundo brigando para ser chamado de doutor e para seu governo anonimo, não sobrevivo com plantões tenho minha própria clinica e aonde respeito os meus colegas de profissão e os pacientes que lá se tratam, conhece uma coisa chamada de tratamento humanizado, provavelmente não, os grandes médicos estão preocupados em estudar e defender suas teses e não brigando por bobagem, afinal não é o titulo que faz um grande cientista.

seu nome sua profissão 01/12/2012 0:36

Conheço sim o que é tratamento humanizado. E você conhece o que é ponto de interrogação ? Aliás acho que me enganei ... Você não faz plantão, apenas já devia ter atendido os dois ou três pacientes que tem por dia ... Agora tenha dó ... Os verdadeiros médicos estão preocupados ... trá lá lá trá lá lá !! Quer classe mais corporativista que a classe médica? Não faça eu citar exemplos aqui hein?? E vai fazer doutorado (se ainda não tem), quem sabe você não consegue mais pacientes!!

Daniele Bióloga29/11/2012 14:12 Responder

Sou mestre e faço doutorado na área de Ciências Biológicas, porém sei que chamar os médicos , apenas os médicos e não os outros profissionais da área da saúde de doutor, vem da nossa cultura é cultura popular e isso não pode ser mudado do dia para noite, tantas coisas para mudar em nosso país e gerar uma polêmica desse tamanho se deve ou não chamar médico de doutor? por favor gente vamos se preocupar e fazer polêmica frente a outras necessidades, como educação que estamos quase em último lugar no ranking mundial, com a fome, miséria, entre outros. Concordo com o conselho de medicina do rj de identificar os profissionais da área da saúde, já que vários se dizem serem doutores, mas médicos, impossível a população deixar de chamar um médico de doutor, faz parte da nossa cultura e eu como futura doutora vou continuar chamando os meus médicos de doutores. Eles também estudam tanto quanto nós, se para ter um doutorado no final são 10 anos de estudo, eles também estudam 10 anos e lhe dar com a vida realmente tem que merecer o nome doutor.

seu nome Biólogo (Doutorando) 29/11/2012 20:11

Daniele você me envergonha!! Não por defender que um Médico seja chamado de doutor, mas pelos argumentos que você, diga-se de passagem fracos, ignorantes e impróprios para uma pessoa que se diz doutoranda na área de Ciências Biológicas ... Será mesmo que é??? Parafraseando Guimarães Rosa: Eu quase que nada não sei. Mas desconfio de muita coisa.

seu nome Biólogo (Doutorando) 29/11/2012 20:12

* que você utiliza ...

Marco Funcionário Público29/11/2012 17:15 Responder

Perdão por discordar de você Daniele. O que você chama de \\\"cultura popular\\\" deve ser colocada no devido lugar sempre que esta \\\"cultura\\\" estiver equivocada. Poderia citar diversos exemplos : bater em filho, apologias equivocadas ( fumo, álcool, etc). Logo, é precisamente pelo alicerce que se devem mudar todas as \\\"culturas\\\" equivocadas.

Adalberto Pereira Pedreiro29/11/2012 21:35 Responder

Pelo que eu emtemdi o povo que feiz doutorado é puto da vida por que as pessoa não chamam eles de dotor, e chama os medico de dotor!

João N. Ajudante de Pedreiro 29/11/2012 22:02

Oi Adalberto ... Acho que não é bem isso a discussão ... Meu professor da faculdade que é químico não se importa com o título de Doutor, mas acha injusto que outro profissionais com apenas a faculdade, sejam chamados assim ou possam ser considerados assim ou tenham a petulância de colocarem em placas de clinicas ou no jaleco a denominação ... Ele me disse numa prosa que tivemos que isso é enganar a população e propagar a ignorância da maneira mais cruel ... que é se omitir e mentir!! acho que foi mais ou menos isso que ele falou cumpadi ... Mas no meio de tanta pessoa graduada eu não vou dar minha opinião, pois tenho medo de ser humilhado!! Desculpe se ofendi alguém ... abraço e paz a todos!!

Marilúcia Barros de Almeida Guia de Turismo30/11/2012 6:03 Responder

Acho muito louvável o esclarecimento em questão. Já era tempo de sabermos com clareza o que significa cada grau de estudo. A Dra. Sônia me esclareceu muito bem , com sabedoria e elegância. Infelizmente as coisas vão longe demais e se tornam incontroláveis. Impressiona-me o linguajar de pessoas tão estudadas,com erros gritantes , ofensas gratuitas e teimosia em se intitular como algo que não é ! Na minha opinião,a confusão começa com essas \\\"portinhas\\\" de cursos que formam em tudo,em pouco tempo e com um forte despreparo. Se cada curso tem sua dinâmica,é muito difícil sabermos quem se formou em quê,pois não há uma ordem! Acho muito louvável os Doutores exigirem o respeito ao título,afinal requer muito esforço,estudo, noites mal dormidas e dedicação total, prá depois haver toda essa confusão! Sou a favor do esclarecimento,erro zero e cada um no seu quadrado! Sou formada em Guia de Turismo,o qual existem vários cursos distintos,o meu é pós-médio,no entanto há quem pense que fiz a Faculdade de Turismo...mas o requisito é o mesmo: Amar,cuidar e realizar o sonho do ser humano!

Dr. Doutorando em doutorado30/11/2012 18:48 Responder

Notícia de Quarta Feira, 18 de Janeiro de 2006 e os Doutores com doutorado ainda estão discutindo?

Fabio Teixeira Adminstrador 01/12/2012 1:09

Isso aí Doctor!!! A Intenet é capaz de fazer notícias velhas virarem novidades. Fui enganado pela data de cima e só depois vi que alguns comentários tinham anos de vida. Parece que essa Resolução não foi posta em prática.

e seis anos passaram estivador 01/12/2012 23:18

ehehehehehe, Quanto mais popular for, mais tempo se perde a volta

thiago advogado03/12/2012 17:17 Responder

Voces quer queira quer nao, advogado pode ser chamado de doutor sem ser porque tem LEI que diz isso. Engulam essa.

Marcio Enfermeiro18/12/2012 3:00 Responder

Acho correto o não uso da desinencia doutor a quem não fez um doutorado. O que me incomoda é o fato da classe médica usa-la a décadas e agora porque outros profissionais da saúde o fazem, tornou-se algo repugnante. Embora não sejam todos é claro esta classe ainda tenta nos impor regras e costumes do século passado, coagindo ou tentando demonstrar que outros profissionais que adquirem tanto ou mais conhecimento que os mesmos durante anos de estudos, não são tão capazes. Se outros vem para agregar qual é o problema? quem ganha é a população. Por que atitudes como a do Ato Médico? no intuíto de defender a população de iatrogênias? isso ocorre a cada segundo e na mior parte cometida por tais profissionais. Data venia o resultado: mais da metade dos médicos recém-formados é reprovada no exame do Cremesp. A sociedade não deve aceitar este retrocesso.

ernani lampert professor universitário18/12/2012 19:20 Responder

Parabéns pela louvável iniciativa. Doutor é titulo para quem defendeu tese de doutorado e não qualquer graduado, por favor.

ALMEIDA ...28/12/2012 21:47 Responder

Me parece pura frustração de quem não é médico... Nem sou médico, nem tenho nenhuma pretenção de ser... Sou Doutor de fato e de direito. Não me sinto ofendido quando vejo as pessoas apenas graduadas sendo chamadas de Drº... Vejo os \\\"Drºs de jaleco\\\" como um simples pronome de tratmanento como Srº, Srª coisas do tipo... Ao invés de se preocuar com isso, deveriam se preocupar com outras coisas bem mais importantes... Aff!!! E que porcaria isso, afinal, pode sair portarias, leis o que for... O costume popular vai sempre permitir que os \\\"Drºs de jaleco\\\" sejam respeitados como tal... E os \\\"Drºs\\\" de fato e direito não passarão de pessoas normais, onde seus títulos servirão apenas para ele e seus orientandos... Isso é besteira!

Cida professora11/01/2013 23:51 Responder

Caro senhor Jean Leo Testut - , mereces realmente ser chamado de MANÉ. SE O NEGÓCIO É O SALÁRIO, RONALDINHO ,NEYMAR OU MESSI, CERTAMNENTE POSSUEM APENAS A EDUCAÇÃO BÁSICA E GANHAM muuuuuuito mais que você. Prá seu governo, os melhores salários não são os dos médicos e sim os dos jogadores de futebol... Se o que você queria era só grana, não deverias ter cursado medicina: ganharias melhor se tivesses treinado em campinhos de pelada. Que ridículo, uma pessoa que lida com vidas, falar que o mais importante é o dinheiro no final do mês.

Ezequiel Médico13/01/2013 20:48 Responder

Sou médico a acho esta discussão sem sentido. Garanto uma coisa. Quando uma pessoa leva um tiro, nem ela, nem o médico que a atende vai se preocupar com essas bobagens!!

Rosana R. Gomes Enfermeira 28/01/2013 5:40

Concordo com o Ezequiel , tudo isso é uma grande bobagem , ninguem é melhor ou pior por usar ou não o Dr. O que realmente importa é a vida , na hora de um acidente ninguem vai se importar se o bombeiro tem nivel superior ou apenas o nivel medio, mas, todos esperam pela sua ajuda.

Lincoln Médico26/01/2013 3:13 Responder

Doutor, assim como várias palavras na nossa Língua tem vários significados. É óbvio que um médico não coloca o pronome Dr. no jaleco achando que isso é um título acadêmico. Para os médicos tem outro significado, o que sempre existiu, como um sinônimo popular de médico pelo fato desse ser chamado de doutor antes de existir doutorado. E isso não vem do médico, vem da população, é cultural, seja na música, nas conversas das pessoas, quando alguém precisa de um doutor, elas tão falando do médico, culturalmente. E cultura, independente de ser de pobre, tem que ser respeitada. Agora só porque o médico é tão respeitado popularmente ele não pode usar uma palavra que SEMPRE lhe foi atribuída, mesmo não tendo o mesmo significado acadêmico?

Lincoln M?dico26/01/2013 3:29 Responder

Só falta proibirem os mestres de bateria, ou mestres de obra usarem o pronome mestre por não terem mestrado! Entendam, tanto o médico quanto a população sabem que existe o doutorado e quem o conclui é doutor. O significado doutor para o médico é um sinônimo popular, porque todos ão de convir que popularmente ( a grande maioria, rico ou pobre) considera o título de médico por si só uma carreira profissional de excelência, assim como um juiz, um professor titular de uma boa universidade, um empresário de respeito, etc. É só ver a concorrência absurda nos vestibulares. E como doutor sempre foi sinônimo de médico aqui e em outros países até bem mais ricos que o nosso, não se importem com esse significado cultural ser mantido aos médicos, não ganharão nada em procurar tirar o doutor=médico da população.

Lincoln Médico26/01/2013 3:50 Responder

Ah e pra terminar meu comentário, não é o médico em geral que força ser chamado de doutor, é a população que insiste no sinônimo médico=doutor. Seja rico ou pobre, há quem te pergunte, quando o \\\"Dr.\\\" não está no jaleco ou carimbo, se você é médico de verdade. Tem gente que acha que residente não é médico devido a maioria não colocar \\\"Dr.\\\" no carimbo. Dr. do doutorado não é o mesmo Dr. do médico, como várias palavras da nossa Língua. Minha mãe vive falando \\\"Jesus é meu mestre\\\". Se depender de alguns, o Messias terá que ter seu significado rebaixado!

Aloysio Reynato Beiler Técnico em Telecomunicações e Engenheiro30/01/2013 10:27 Responder

Sábia decisão do CREMERJ. Tomara que seja adotada pelo CFM, a fim de que o brasileiro possa concluir que doutor, não é sinônimo de Deus e sim, de um título banalizado há muito tempo, por caçadores de títulos acadêmicos. A palavra doctoris (mestre, o que ensina), foi a última variante em latim, antes de entrar para a língua portuguesa, como doutor, e se fôssemos coerentes, conferiríamos tal título aos filósofos e professores de graduação máxima, ou seja: nossos mestres e doutores, que na maioria das vezes, nem exigem tal tratamento. Não é por acaso que no Reino Unido e analogamente nos EUA, há o grau de Doctor of Philosophy, abreviado em inglês britânico PhD, conferido após conclusão de um programa de doutorado por pesquisa em qualquer área de estudos. Que tal uma provinha de conhecimentos básicos aos \\\"Bacharéis em Medicina\\\", a exemplo das que são aplicadas aos Bacharéis em Direito? A propósito! Quantos doutores podem explicar a grosso modo, o lançamento e o funcionamento de um satélite de telecomunicações, situado em órbita geoestacionária a 36.000 Km de altitude, sobre a linha do equador? Eu sou apenas um técnico em telecomunicações e engenheiro civil, que sabe um pouquinho sobre este e outros assuntos, a exemplo da fibra óptica, tão aplicada em medicina . Quanto estudo, pesquisa, trabalho e orgulho, por ter participado ativamente da implantação da Internet no Brasil, a fim de poder estar aqui comentando sobre essa tão importante resolução do CREMERJ, divulgada por este excelente jornal eletrônico: Jornal Jurid. Os \\\"doutores\\\" que se entendam!!!

ROBSON auditor03/03/2013 22:46 Responder

O termo Doutor para advogados e médicos, vem de uma época que essas eram as profissões mais nobres e quase únicas, este termo foi utilizado pelos menos providos, como forma de tratamento, por isso a ideia de doutor, ser superior a vc, tratamento de respeito pelos menos providos.Doutor do latim DOCTORE, MESTRE, AQUELE QUE ENSINA!

Aldemir Ferreira Administrador03/03/2013 23:02 Responder

Me sinto extremamente importante quando estaciono o carro e o flanelinha me aborda: - Fica tranquilo, dotô! Eu dou uma olhadinha no possante. Rssss Parabéns a todos que fazem jus à titulação acadêmica, pois certamente, muitos serão beneficiados por suas pesquisas. Ah... quanto aos médicos e advogados, é só estudar mais um pouquinho!

Cabral servente30/04/2013 19:57 Responder

Nunca se inicia uma frase com PRONOME, foi isso que aprendi no curso primário. Sou quase analfabeto, mas tenho observado verdadeira matança do coitadinho do VERNÁCULO, principalmente por parte dos pseudointelectuais; DOUTOS EM GAFES ESTRONDOROSAS.

cabral servente30/04/2013 20:08 Responder

Nunca se inicia uma frase com PRONOME, foi isso que aprendi no curso primário. Sou quase analfabeto, mas tenho observado verdadeira matança do coitadinho do VERNÁCULO, principalmente por parte dos pseudointelectuais; DOUTOS EM GAFES \\\"ESTRONDOROSAS\\\". (ESTRONDOSO)

cabral servente30/04/2013 20:54 Responder

Doutor ou não doutor, mas que pelo menos olhem na cara do infeliz do paciente antes de dizer: \\\"isso é VIROSE\\\"; é a resposta que sempre nos espera quando recorremos a um Posto de Saúde, notadamente quando dos plantões - noturnos - onde nos deparamos com um profissional de olhos inchados e com uma carranca que nos faz até bem, pois, assustados, nos livramos do mal menor que nos afligia. Em contrapartida, nunca vi um profissional da limpeza pública mal-humorado, coisa que um verdadeiro Doutor talvez possa explicar, mas que eu, na minha \\\"tabaroisse\\\", presumo que seja devido a antevisão do porvir, dom que todos nós deveriamos ter, assim, seriamos mais empáticos, não fazendo descaso daqueles estão em patamares inferiores na famigerada piramide social.

valmir psicólogo19/05/2013 12:47 Responder

Sou psicólogo não digo a ninguém que sou Doutor, mas na clínica em que trabalho todos me dão esse titulo e não vou desapontar ninguém por me dar esse apelido. Não é culpa de ninguém é a própria cultura brasileira relacionada a entrada na faculdade/universidade, agora que o povão esta entrando em quantidade maior nas instituições superiores e agora esse titulo esta sendo questionado pq o povo simples agora esta virando Doutor isso é fato. Conhecendo a história do nosso povo, então se entende melhor esse tal titulo. Veja o trecho do livro O Brasil no pensamento brasileiro e a história da Pós-graduação no Brasil: formação e desafios. ?No século XIX tornou-se mais comum o filho doutor: bacharel ou médico, principalmente o bacharel, filho de senhor-de-engenho, já com a carreira política traçada no dia em que entrava na faculdade. O culto do doutor e a caça ao diploma. É um velho defeito da cultura brasileira. As nossas escolas superiores até agora só têm \\\"fabricado\\\" doutores. Isto é: profissionais, munidos de diploma e anel. \\\"Sabe com quem está falando?\\\", é outro slogan brasileiro. Todo o mundo é doutor, mesmo os que não o são e ocupam um lugar de proeminência no cenário nacional. O objetivo dos estudos superiores, nestas condições, não é a aquisição de uma cultura \\\"superior\\\", mas a caça ao diploma, seja por que meio for. Sobrevivência do amor primitivo aos enfeites, aos adornos, símbolos de poder e de dominação.? \\\" A gestão e avaliação da PG são realizadas, pelo MEC, via CAPES, Agência Executiva do Ministério da Educação, órgão responsável pela elaboração de Planos Nacional de Pós-Graduação Stricto Sensu. A CAPES foi criada em 11 de julho de 1951 (Decreto no 29.741) com o objetivo de \\\"assegurar a existência de pessoal especializado em quantidade e qualidade suficientes para atender às necessidades dos empreendimentos públicos e privados que visam ao desenvolvimento do país\\\" (CAPES,\\\" fonte http://www.riseu.unam.mx/documentos/acervo_documental/txtid0070.pdf MENDES, Dijarci. O Brasil no pensamento brasileiro, introdução, seleção organização. (coleção brasileira Brasil 500 anos). Senado Federal, Brasília. 1998

Marcus médico19/06/2013 22:54 Responder

Então, todo mundo veio aqui e falou que é Doutor aqui, doutor ali...alguém já leu dicionário? Então sugiro que leiam..ia economizar tempo pra muita gente! Homônimos são palavras que são escritas de forma igual, mas têm significados diferentes, no caso Doutor!! Doutor: 1. Aquele que se formou em medicina; MÉDICO 2. Aquele que completou o doutorado. 3. Aquele que se formou numa universidade. 4. Fig. Homem muito douto, culto, erudito. 5. Joc. Indivíduo que tem a facilidade e o costume de praticar certos atos, ter certo procedimento (ger. negativos): Ele é doutor em colar na prova sem que ninguém perceba. 6. Título conferido a magistrado judiciário.

Eduardo M. Engenheiro 11/07/2013 17:28

Sr. Marcus, Doutor é para quem fez Doutorado e larga a mão de querer ser o que você não é! Os coitados que não tem estudo de chamam de doutor, assim como eu que sou Engenheiro sou tratado como Doutor nas minhas Obras, mas eu logo digo que não sou Doutor, e que gosto sim é de ser chamado pelo meu nome! O senhor acha que estudou mais que um Engenheiro, Físico, Matemático etc etc ? Não ser reconhecido como doutor vai te Desmerecer ? Você acha justo o cara que ralou mais de 10 anos fazendo mestrado e doutorado ter o mesmo título que você ? Minha esposa é médica, fez mestrado e está fazendo doutorado. Rapaz, o que esta mulher rala fazendo pesquisa na área de Biologia não é brincadeira. Eu como Engenheiro tenho até vergonha, mas eu ajudo ela nos cálculos !!! Você não tem vergonha de exigir tanto o título de Doutor e colocar ele no jaléco pra todo mundo ver ? Acho que está na hora de vocês Médicos mudarem de atitude !!!

fabio tardeli advogado pós graduado24/06/2013 15:06 Responder

Eis o posicionamento da vertente favorável ao uso do ?doutor? para médicos e advogados Gilberto Scarton, em estudo direcionado para diversas áreas, conclui, com fundamentos legais históricos, que o ?doutor? do advogado e do médico é legítimo, pois, surgiu, se fixou e se mantém por longa tradição, por especial e espontânea deferência dos cidadãos: ?Os advogados? O título de \\\"doutor\\\" foi outorgado, pela primeira vez, por uma universidade, a um advogado, em Bolonha, que passou a ostentar o título de ?Doctor Legum?. Temos que no próprio Livro Sagrado, a Bíblia, assim eram chamados os advogados do Templo: Doutores da Lei. Ou seja, sempre houve a ligação entre Lei Doutor. Entre nós, a tradição de se chamar o advogado de \\\"doutor\\\" remonta ao Brasil Colônia. Naquela época, as famílias ricas prezavam sobremaneira ter em seu meio um advogado (e também um padre e um político). O meio de acesso a esses postos era a educação. O advogado - conhecedor de leis, detentor de certo poder de libertar e de prender - assenhorava-se desse poder mediante formação privilegiada. A tradição logo transformou o termo em sinônimo de posição superior dentro da escala social. Há que se mencionar ainda o Alvará Régio, editado por D. Maria, a Pia, de Portugal, pelo qual os bacharéis em Direito passaram a ter o direito ao tratamento de \\\"doutor\\\". E o Decreto Imperial (DIM), de 1º de agosto de 1825, que deu origem à Lei do Império de 11 de agosto de 1827, que \\\"cria dois Cursos de Ciências Jurídicas e Sociais; introduz regulamento, estatuto para o curso jurídico; dispõe sobre o título de doutor para o advogado\\\". Detalhe: esta legislação está em vigor, basta digitar no Googlee vc será direcionado ao site do Planalto em \\\"legislação\\\". Entre os advogados, há quem pense que os médicos pretendem monopolizar o título de doutor, primeiramente empregado por advogados. Entre médicos, há quem considere que enfermeiros e fisioterapeutas que se intitulam \\\"doutores\\\" fazem propaganda enganosa, dando a impressão de serem médicos. Entre os pós-graduados que cursam doutorado e defendem tese há quem julgue que somente eles podem ser chamados de doutores. Constatada a polêmica, e depois do que se escreveu até aqui, apresentam-se algumas conclusões, abertas a críticas e a outros considerandos. 1. O \\\"doutor\\\" do advogado e do médico surgiu, se fixou e se mantém por longa tradição, por especial e espontânea deferência dos cidadãos, dos utentes da língua. Uso legítimo, pois, \\\"O que o simples bom senso diz é que não se repreende de leve num povo o que geralmente agrada a todos\\\", disse o poeta Gonçalves Dias. Bem mais antiga é a sentença de Horácio ao se referir ao uso, que ele considera preponderante na interação lingüística : \\\"Jus et norma loquendi\\\" (A lei é a norma da linguagem.) 2. Entende-se, pois, que a língua é uma questão de usos e costumes. Que os falantes são os senhores absolutos de seu idioma. Que os usos lingüísticos não se regulamentam por decretos, por imposição de resoluções. A lei, em questões lingüísticas, é ilegal. Quem ousa legislar sobre o que se deve e o que não se deve dizer incorre em abuso de poder. É uma atitude irracional e irrealista, pois nada altera o que é de uso consagrado. Aos que se insurgem e vociferam contra tais usos, que têm direitos de cidadania, Mestre Luft lembrava a frase: \\\"Os cães ladram e a caravana passa\\\". Em igual sentido, mas em posicionamento específico para a área jurídica, as considerações de Joseval Viana. ?A primeira informação inconsistente que ouvi é de que não se pode colocar a palavra ?doutor? no cabeçalho, porque ?doutor? é título acadêmico e o juiz de direito não tem doutorado. Já escrevi sobre este assunto. Reforço minha posição: nas petições, a palavra doutor é pronome de tratamento que foi, por lei, atribuído ao operador do Direito. Mesmo que se descartasse o Decreto n. 17.874ª de 09 de agosto de 1827, o pronome de tratamento ?doutor? sempre, mas sempre, foi utilizado no cabeçalho das petições. Não se pode tirá-lo somente porque algum desconhecido disse que não se deve usar a palavra ?doutor?. Nunca li um artigo que fundamentasse a exclusão da palavra ?doutor? do endereçamento?. O debate sempre é rico, posto que abre fronteiras e dissemina ideias.

Eduardo Engenheiro08/07/2013 16:07 Responder

Dra Sônia, Concordo plenamente com você. Eu sou Engenheiro Pós Graduado e minha esposa é Médica Veterinária, com Mestrado e terminando Doutorado na Unicamp/Embrapa. Eu jamais vi minha esposa utilizar o título de doutora no \\\"jaléquinho\\\" risos, pois ela acha também acha que não é devido o título enquanto ela não terminar o doutorado de fato! Infelizmente, a grande maioria dos médicos nos empurram este Doutor guéla abaixo e se acham os únicos estudados no Brasil. Bando de medíocres ao meu ver!!!! Eu estudei muito também.. Além do que eu disse acima, eu também fiz escola técnica em Mecatrônica dos 14 aos 16 anos de idade. Um médico medíocre disse aqui nesta discussão que ele estudou 10 anos e que não é igual aos outros!!! Foi isto que ele quis dizer!!! Ele se acha superior porque estudou Medicina... Olha a minha resposta pra ti seu Médicusinho !!! risos, Vai a merda !!!

Eduardo M. Engenheiro11/07/2013 17:44 Responder

Gostei muito deste fato que aconteceu no Rio de Janeiro, e quem sabe aconteça também em São Paulo. E como tem muita gente estudando hoje em dia, quem sabe logo logo os Médicos e Advogados terão que estudar mais 7 anos para então serem de fatos doutores! Doutor para quem tem Doutorado! O doutor dos médicos e advogados é motivo de muita arrogância para pouco conhecimento! Então que o título seja de quem merece de fato!! Médicos e Advogados, são somente simples bacharéis e basta!!!

uma médica médica14/07/2013 23:29 Responder

O que importa mais? A vida humana poder ser vivida com dignidade ou a afirmação de um status que diferencia ainda mais as pessoas? Sou médica, todos esses anos de formação aí citados, dois de mestrado, em breve, um doutorado. Jamais pus \\\"Dra.\\\" no jaleco, não vou botar. Isso tudo é irrisório perto da precariedade da vida que encontramos no caminho. Sem mais.

Rodrigo Gomes Engenheiro14/07/2013 23:59 Responder

A educação do país anda tão mal que os comentários daqui refletem isso: são vários profissionais de nível superior, às vezes com mestrado ou doutorado, que nem ao menos sabem escrever de forma clara. É triste.

Jacqueline Advogada16/07/2013 14:44 Responder

Antes de tudo, cumpre anotar que, atualmente, conforme estabelecido pela Lei nº 9.394/96 (Diretrizes e Bases da Educação), o título de Doutor é conferido pelas universidades aos estudiosos que, após concluírem curso de graduação, ingressam em curso de pós-graduação (doutorado) e, mediante defesa de uma tese, adquirem o título em questão, passando ou não pelo mestrado ou outro curso de especialização. Academicamente falando, esta é a forma de se conseguir o título de ?Doutor?, que não se confunde com o título de doutor concedido aos advogados por Dom Pedro I, em 1827. Em que pese a resistência ao tratamento do tema, mister referir que o Decreto Imperial de 1.° de agosto de 1825 mantém-se em vigor, posto que não revogado < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/revista/Rev_63/Lei_1827.htm>. E, para aqueles que insistem em ressaltar a idade centenário do dispositivo, diga-se que não é o único, já que o nosso Código Comercial, datado de 25 de junho de 1850, também segue vigendo. A Lei do Império de 11 de agosto de 1827, jamais foi revogada, por óbvio! já que tal legislação Imperial constitui pedra fundamental que criou os cursos jurídicos no país. A título de informação, o Decreto n.º. 17874A - 09/08/1927 declarou feriado o dia 11/08/1827, data em que se comemora o centenário da criação dos cursos jurídicos no Brasil, todavia, este dispositivo sim, encontra-se revogado. Ocorre, pois, que em se tratando de advogado, conforme dito, ainda está em vigência a LEI DO IMPÉRIO DE 11 DE AGOSTO DE 1827, que cria dois cursos de Ciências Jurídicas e Sociais, introduz regulamento, estatuto para o curso jurídico e, em seu artigo 9º dispõe sobre o Título (grau) de doutor para o Advogado. Eis o texto: ?Art. 9.º - Os que freqüentarem os cinco annos de qualquer dos Cursos, com approvação, conseguirão o gráo de Bachareis formados. Haverá tambem o gráo de Doutor, que será conferido áquelles que se habilitarem com os requisitos que se especificarem nos Estatutos, que devem formar-se, e sò os que o obtiverem, poderão ser escolhidos para Lentes.? (sic) Segundo a lei em pauta, o título de Doutor é destinado ao bacharel em direito que se habilitar ao exercício da advocacia conforme os requisitos destinados. Explico: atualmente, o Estatuto da OAB determina a necessidade de, além de preencher uma série de requisitos, ser aprovado em Exame de Ordem, para, só então, o bacharel em Direito poder ser considerado Advogado. Portanto, legalmente falando, o Advogado, habilitado segundo o Estatuto da OAB, é Doutor. Nas palavras do colega, Advogado Júlio Cardella, ?honraria legítima e originária dos Advogados ou Juristas, e não de qualquer outra profissão. Os próprios Juizes, uns duzentos anos mais tarde, protestaram (eles também recebiam o título de Doutor tanto das Faculdades Jurídicas como das de Teologia) contra os médicos que na época se apoderavam do título, reservado aos homens que reservam as ciências do espírito, à frente das quais cintila a do Direito! Não é sem razão que a Bíblia ? livro de Sabedoria ? se refere aos DOUTORES DA LEI, referindo-se aos jurisconsultos que interpretavam a Lei de Moisés, e PHISICUM aos curandeiros e médicos da época, antes de usucapido o nosso título!? (Tribuna do Advogado de Outubro de 1986, pág. 5) Em continuidade ao artigo supra citado, o Dr. Júlio Cardella arremata: ?Sendo essa honraria autêntica por tradição dos Advogados e Juristas, entendemos que a mesma só poderia ser estendida aos diplomados por Escola Superior, após a defesa da tese doutoral. Agora, o bacharel em Direito, que efetivamente milita e exerce a profissão de Advogado, por direito lhe é atribuída a qualidade de Doutor. Se não vejamos: O Dicionário de Tecnologia Jurídica de Pedro Nune, coloca muito bem a matéria. Eis o verbete: BACHAREL EM DIREITO - Primeiro grau acadêmico, conferido aquém se forma numa Faculdade de Direito. O portador deste título, que exerce o ofício de Advogado, goza do privilégio de DOUTOR.? Demais disso, se para ser Doutor há a necessidade de defesa de ?tese?, é justamente este o trabalho diário de todo advogado perante os Juízos das Comarcas e Tribunais. Todo operador do Direito tem como tarefa diária a defesa de teses: o advogado propõe teses para oferecer uma ação, para defender um cliente, para contrariar o conteúdo de uma decisão judicial (recursos), etc. Referidas teses são constantemente avaliadas pelos Juízes e, em alguns casos, apreciadas pelo Ministério Público. Vale lembrar que os Juízes constroem suas teses nas decisões que proferem, decisões estas que são avaliadas e às vezes contrariadas pelos advogados que interpõem recursos. Os próprios Tribunais Superiores são órgãos avaliadores e construtores de teses jurídicas (jurisprudência). Os Promotores de Justiça, por seu turno, expõem suas teses dentro de todo o tipo de ação que propõem ou que se manifestam. Teses, teses e mais teses, eis a função diária de todo operador do Direito. Por isso, o juslaborista é Doutor por excelência. Ainda citando o Dr. Júlio Cardella, cumpre anotar o seguinte trecho de seu artigo sobre o tema: ?Muitos colegas não têm o hábito de antepor ao próprio nome, em seus cartões e impressos, o título de DOUTOR, quando em verdade, devem fazê-lo, porque a História nos ensina que somos os donos de tal título, por DIREITO E TRADIÇÃO, e está chegada a hora de reivindicarmos o que é nosso; este título constitui adorno por excelência da classe advocatícia.? Não apenas pelo Direito, mas pela Tradição/Costume, que também é fonte legítima de Direito, o título de Doutor pertence aos Advogados, haja vista que a tradição. Não obstante, o referido título não se reveste de mera benesse monárquica. O exercício da advocacia consubstancia-se essencialmente na formação de teses, na articulação de argumentos possíveis juridicamente, em concatenar idéias na defesa de interesses legítimos que sejam compatíveis com o ordenamento jurídico pátrio. Não basta, portanto, possuir formação intelectual e elaborar apenas uma tese, como ocorre com o doutorado disposto na lei 9.394/96. Apenas para reflexão, vale anotar que não basta ter o legítimo direito de sermos chamados de Doutor, mas há a necessidade de que cada Advogado entenda qual o verdadeiro significado de tal título. Fontes: http://www.overmundo.com.br/banco/advogado-e-doutor http://www.oab.org.br/editora/revista/users/revista/1211290605174218181901.pdf http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/revista/Rev_63/Lei_1827.htm

Mellynda Marian Psicanalista17/07/2013 0:38 Responder

Ricardo Moreira e Maurício Darkmonte, faço do convite para lerem o seguinte artigo que coloco à disposição http://revistaepoca.globo.com/Sociedade/eliane-brum/noticia/2012/09/doutor-advogado-e-doutor-medico-ate- Convido aos outros que fizeram os comentários para lerem também. Acho que uma melhor reflexão a respeito do assunto, especialmente tentando compreender os verdadeiros motivos de nos acharmos pessoalmente ameaçados apenas pela mudança de um prenome, pode nos livrar de muitas situações ridículas e até mesmo vexatórias.

neto ESTUDANTE22/07/2013 19:02 Responder

O termo Doutor vem do verbo latino doc?re (ensinar). No fim do estudo universitátio nas universidades da idade média de acordo com as tradições da escolástica obtinha-se a licença para ensinar (licentia doscendi) originalmente exclusiva da igreja. Assim, depois da conclusão de um curso universitário o graduado se intitulava doutor e tinha o direito de ensinar na academia. Até então a profissão de médico era aprendida de maneira informal e os termos ?????? (iátros) ou medicus eram encontrados na literatura. No ano de 1221 quando o imperador Frederico II, da Itália declarou que ninguém poderia se tornar médico sem ser examinado publicamente pelos mestres de Salerno. Era um curso de 5 anos e como de praxe na época os laureados recebiam o título de Doutor Medicinae. A partir daí o termo de doutor começou a ser usado para designar médicos. É uma relação histórica que data da incorporação da medicina à universidade. Há 900 anos se usa o termo Doutor em Medicina para o graduado em medicina. Só no século XIX que o termo doutor começou a designar os portadores de doutorado. Os outros cursos de saúde datam do século XIX não havendo relação histórica com o uso do Dr. como no caso da medicina, já se adequavam à nova norma universitária. O mesmo vale para o Direito e todos os cursos que datam dos tempos da escolástica. Então da próxima vez que ouvirem que doutor é quem tem doutorado, expliquem que já eram chamados de doutores desde antes da existência do atual doutorado.

Daniel Phd em cirurgia oncológica pela Universidade de Harvard Médico30/07/2013 20:07 Responder

Desnecessária a discussão. Colegas médicos, se preocupem mais com seus pacientes do que com o que precede seu nome; advogados, lutem por uma reforma em nosso código penal, pois vocês detêm este conhecimento; Se pararmos de pensar apenas no que tange nosso umbigo, faremos os ambientes de nosso trabalho bem mais agradável, afinal todo Dr. advogado um dia precisará de um médico (nem que seja para assinar seu atestado de óbito) e todo bom Dr. médico terá um advogado nem que seja para a \\\"causa mais ganha\\\". Um abraço a todos! Saudades do Brasil!

Josh sua profissão09/08/2013 16:27 Responder

advogado defende tese ,o trabalho dele é defender teses . Logo ......Médico temos como tradição ,e Dr .prof ..esse acadêmico . Não sou advogado nem pretendo ser porem gosto muito de pesquisar . Abraços

Marcelo Economista18/08/2013 0:54 Responder

Eu acho que as profissões liberais no Brasil deveriam ser pós-graduações. E.g., para cursar medicina seria necessária uma graduação antes tal como biologia ou química ou, ainda, ciências moleculares, para cursar direito antes seria necessário cursar filosofia, letras ou sociologia. Deste modo, seria um doutorado profissional. E, vamos convir, seriam bem melhor formados.

Ana Lucia Reder Soares Funcionária Pública15/11/2013 14:55 Responder

O título de doutor foi concedido aos advogados por Dom Pedro I, em 1827. Título este que não se confunde com o estabelecido pela Lei nº 9.394/96 (Diretrizes e Bases da Educação), aferido e concedido pelas Universidades aos acadêmicos em geral. A Lei do Império de 11 de agosto de 1827: ? cria dois cursos de Ciências Jurídicas e Sociais; introduz regulamento, estatuto para o curso jurídico; dispõe sobre o título (grau) de doutor para o advogado?. A referida Lei possui origem legislativa no Alvará Régio editado por D. Maria I, a Pia (A Louca), de Portugal, que outorgou o tratamento de doutor aos bacharéis em direito e exercício regular da profissão, e nos Decreto Imperial (DIM), de 1º de agosto de 1825, pelo Chefe de Governo Dom Pedro Primeiro, e o Decreto 17874A de 09 de agosto de 1827.

Marcos Novaes Arquiteto e Urbanista / Engenheiro de Seguran?a do Trabalho 02/04/2014 12:20

Isso jamais existiu... Leia e compreenda o que está claro! http://por-leitores.jusbrasil.com.br/noticias/1682209/doutor-e-quem-faz-doutorado

Saco cheio Pastor de ovelhas 02/08/2016 0:51

Não fale besteiras. Leia o texto sugerido e aprenda algo. E aos demais médicos, advogados, fisioterapeutas, mediocridades em geral: Aguentem! Doutor só fazendo doutorado.

João Carvalho Estudante22/01/2014 7:17 Responder

Acho que muitos aqui, estão confundindo doutor (título acadêmico) com doutor (forma de tratamento). Essas são palavras homônimas, e não sinônimas. Como por exemplo, manga (fruta) e manga (de um camisa). Até hoje, todos os médicos que conheci, não exigiram que eu os chamassem de doutor. Mas, se o paciente quiser chamá-lo de doutor, que mal tem?! Acho que toda essa discussão em torno de uma simples palavrinha, um tanto quanto demasiada e desnecessária.

Marcos Novaes Arquiteto e Urbanista / Engenheiro de Segurança do Trabalho02/04/2014 12:13 Responder

Para os advogados e médicos de plantão: http://por-leitores.jusbrasil.com.br/noticias/1682209/doutor-e-quem-faz-doutorado No momento em que nós do Ministério Público da União nos preparamos para atuar contra diversas instituições de ensino superior por conta do número mínimo de mestres e doutores, eis que surge (das cinzas) a velha arenga de que o formado em Direito é Doutor. A história, que, como boa mentira, muda a todo instante seus elementos, volta à moda. Agora não como resultado de ato de Dona Maria, a Pia, mas como consequência do decreto de D. Pedro I. Fui advogado durante muitos anos antes de ingressar no Ministério Público. Há quase vinte anos sou Professor de Direito. E desde sempre vejo \\\"docentes\\\" e \\\"profissionais\\\" venderem essa balela para os pobres coitados dos alunos. Quando coordenador de Curso tive o desprazer de chamar a atenção de (in) docentes que mentiam aos alunos dessa maneira. Eu lhes disse, inclusive, que, em vez de espalharem mentiras ouvidas de outros, melhor seria ensinarem seus alunos a escreverem, mas que essa minha esperança não se concretizaria porque nem mesmo eles sabiam escrever. Pois bem! Naquela época, a história que se contava era a seguinte: Dona Maria, a Pia, havia \\\"baixado um alvará\\\" pelo qual os advogados portugueses teriam de ser tratados como doutores nas Cortes Brasileiras. Então, por uma \\\"lógica\\\" das mais obtusas, todos os bacharéis do Brasil, magicamente, passaram a ser Doutores. Não é necessária muita inteligência para perceber os erros desse raciocínio. Mas como muita gente pode pensar como um ex-aluno meu, melhor desenvolver o pensamento (dizia meu jovem aluno: \\\"o senhor é Advogado; pra que fazer Doutorado de novo, professor?\\\"). 1) Desde já saibamos que Dona Maria, de Pia nada tinha. Era Louca mesmo! E assim era chamada pelo Povo: Dona Maria, a Louca! 2) Em seguida, tenhamos claro que o tão falado alvará jamais existiu. Em 2000, o Senado Federal presenteou-me com mídias digitais contendo a coleção completa dos atos normativos desde a Colônia (mais de quinhentos anos de história normativa). Não se encontra nada sobre advogados, bacharéis, dona Maria, etc. Para quem quiser, a consulta hoje pode ser feita pela Internet. 3) Mas digamos que o tal alvará existisse e que dona Maria não fosse tão louca assim e que o povo fosse simplesmente maledicente. Prestem atenção no que era divulgado: os advogados portugueses deveriam ser tratados como doutores perante as Cortes Brasileiras. Advogados e não quaisquer bacharéis. Portugueses e não quaisquer nacionais. Nas Cortes Brasileiras e só! Se você, portanto, fosse um advogado português em Portugal não seria tratado assim. Se fosse um bacharel (advogado não inscrito no setor competente), ou fosse um juiz ou membro do Ministério Público você não poderia ser tratado assim. E não seria mesmo. Pois os membros da Magistratura e do Ministério Público tinham e têm o tratamento de Excelência (o que muita gente não consegue aprender de jeito nenhum). Os delegados e advogados públicos e privados têm o tratamento de Senhoria. E bacharel, por seu turno, é bacharel; e ponto final! 4) Continuemos. Leiam a Constituição de 1824 e verão que não há \\\"alvará\\\" como ato normativo. E ainda que houvesse, não teria sentido que alguém, com suas capacidades mentais reduzidas (a Pia Senhora), pudesse editar ato jurídico válido. Para piorar: ainda que existisse, com os limites postos ou não, com o advento da República cairiam todos os modos de tratamento em desacordo com o princípio republicano da vedação do privilégio de casta. Na República vale o mérito. E assim ocorreu com muitos tratamentos de natureza nobiliárquica sem qualquer valor a não ser o valor pessoal (como o brasão de nobreza de minha família italiana que guardo por mero capricho porque nada vale além de um cafezinho e isto se somarmos mais dois reais). A coisa foi tão longe à época que fiz questão de provocar meus adversários insistentemente até que a Ordem dos Advogados do Brasil se pronunciou diversas vezes sobre o tema e encerrou o assunto. Agora retorna a historieta com ares de renovação, mas com as velhas mentiras de sempre. Agora o ato é um \\\"decreto\\\". E o \\\"culpado\\\" é Dom Pedro I (IV em Portugal). Mas o enredo é idêntico. E as palavras se aplicam a ele com perfeição. Vamos enterrar tudo isso com um só golpe?! A Lei de 11 de agosto de 1827, responsável pela criação dos cursos jurídicos no Brasil, em seu nono artigo diz com todas as letras: \\\"Os que frequentarem os cinco anos de qualquer dos Cursos, com aprovação, conseguirão o grau de Bachareis formados. Haverá tambem o grau de Doutor, que será conferido àqueles que se habilitarem com os requisitos que se especificarem nos Estatutos que devem formar-se, e só os que o obtiverem poderão ser escolhidos para Lentes\\\". Traduzindo o óbvio. A) Conclusão do curso de cinco anos: Bacharel. B) Cumprimento dos requisitos especificados nos Estatutos: Doutor. C) Obtenção do título de Doutor: candidatura a Lente (hoje Livre-Docente, pré-requisito para ser Professor Titular). Entendamos de vez: os Estatutos são das respectivas Faculdades de Direito existentes naqueles tempos (São Paulo, Olinda e Recife). A Ordem dos Advogados do Brasil só veio a existir com seus Estatutos (que não são acadêmicos) nos anos trinta. Senhores. Doutor é apenas quem faz Doutorado. E isso vale também para médicos, dentistas, etc, etc. A tradição faz com que nos chamemos de Doutores. Mas isso não torna Doutor nenhum médico, dentista, veterinário e, mui especialmente, advogados. Falo com sossego. Afinal, após o meu mestrado, fui aprovado mais de quatro vezes em concursos no Brasil e na Europa e defendi minha tese de Doutorado em Direito Internacional e Integração Econômica na Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Aliás, disse eu: tese de Doutorado! Esse nome não se aplica aos trabalhos de graduação, de especialização e de mestrado. E nenhuma peça judicial pode ser chamada de tese, com decência e honestidade. Escrevi mais de trezentos artigos, pareceres (não simples cotas), ensaios e livros. Uma verificação no sítio eletrônico do Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq) pode compravar o que digo. Tudo devidamente publicado no Brasil, na Dinamarca, na Alemanha, na Itália, na França, Suécia, México. Não chamo nenhum destes trabalhos de tese, a não ser minha sofrida tese de Doutorado. Após anos como Advogado, eleito para o Instituto dos Advogados Brasileiros (poucos são), tendo ocupado comissões como a de Reforma do Poder Judiciário e de Direito Comunitário e após presidir a Associação Americana de Juristas, resolvi ingressar no Ministério Público da União para atuar especialmente junto à proteção dos Direitos Fundamentais dos Trabalhadores públicos e privados e na defesa dos interesses de toda a Sociedade. E assim o fiz: passei em quarto lugar nacional, terceiro lugar para a região Sul/Sudeste e em primeiro lugar no Estado de São Paulo. Após rápida passagem por Campinas, insisti com o Procurador-Geral em Brasília e fiz questão de vir para Mogi das Cruzes. Em nossa Procuradoria, Doutor é só quem tem título acadêmico. Lá está estampado na parede para todos verem. E não teve ninguém que reclamasse; porque, aliás, como disse linhas acima, foi a própria Ordem dos Advogados do Brasil quem assim determinou, conforme as decisões seguintes do Tribunal de Ética e Disciplina: Processos: E-3.652/2008; E-3.221/2005; E-2.573/02; E-2067/99; E-1.815/98. Em resumo, dizem as decisões acima: não pode e não deve exigir o tratamento de Doutor ou apresentar-se como tal aquele que não possua titulação acadêmica para tanto. Como eu costumo matar a cobra e matar bem matada, segue endereço oficial na Internet para consulta sobre a Lei Imperial: www.planalto.gov.br/ccivil_03/revista/Rev_63/Lei_1827.htm Os profissionais, sejam quais forem, têm de ser respeitados pelo que fazem de bom e não arrogar para si tratamento ao qual não façam jus. Isso vale para todos. Mas para os profissionais do Direito é mais séria a recomendação. Afinal, cumprir a lei e concretizar o Direito é nossa função. Respeitemos a lei e o Direito, portanto; estudemos e, aí assim, exijamos o tratamento que conquistarmos. Mas só então. PROF. DR. MARCO ANTÔNIO RIBEIRO TURA , 41 anos, jurista. Membro vitalício do Ministério Público da União. Doutor em Direito Internacional e Integração Econômica pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Mestre em Direito Público e Ciência Política pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor Visitante da Universidade de São Paulo. Ex-presidente da Associação Americana de Juristas, ex-titular do Instituto dos Advogados Brasileiros e ex-titular da Comissão de Reforma do Poder Judiciário da Ordem dos Advogados do Brasil

Doutor de verdade Magistrado 02/08/2016 0:48

Excelente!!!! Notou que quando colocou esse texto todos se calaram? Admiro muito esse jurista. Teve a coragem de brilhantemente atacar essas mentiras que venderam por anos. Doutor é que faz doutorado e ponto final. Engulam isso, medíocres.

Dr.Francisco Pentesdo Bacharel em Direito 16/12/2016 23:55 Responder

O Rio de Janeiro é pauco ultimamente de bobagens. ..Essa é uma delas..