• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Terça-feira, 17 de Outubro de 2017
ISSN 1980-4288

Juíza nega indenização a modelo que encenou crucificação na parada do orgulho LGBT

A modelo afirmava que, após encenar a crucificação de Jesus na Parada do Orgulho LGBT, teria sofrido ameaças pelas redes sociais.

Fonte: TJSP

Comentários: (0)


Reprodução: pixabay.com

A juíza Letícia Antunes Tavares, da 14ª Vara Cível Central da Capital, negou pedido de indenização proposto por uma modelo transexual contra um senador, que também é pastor evangélico. A modelo afirmava que, após encenar a crucificação de Jesus na Parada do Orgulho LGBT, teria sofrido ameaças pelas redes sociais. Atribuía o fato a declarações do senador na mídia, que associariam sua imagem a atos de intolerância religiosa.


Já o senador argumentou que não houve declaração de ameaça ou ofensa à autora, uma vez que as críticas foram dirigidas aos atos que teriam debochado de símbolos considerados sagrados para o cristianismo, e não à modelo.


Na decisão, a juíza afirmou que a encenação foi amparada pela garantia constitucional da liberdade de expressão e, certamente, a autora atingiu seus objetivos, atraindo a atenção do público para a causa que representa. No entanto, destacou que o exercício consciente do direito de liberdade deve corresponder ao dever em arcar com o ônus e a popularidade (ou impopularidade) que a fruição desta liberdade representa. “Não se encontram presentes os requisitos para configuração da responsabilidade civil, pois o exercício do direito de crítica por parte do requerido é lícito e não há provas de que este tenha violado a honra ou imagem da autora, nem de que a ameaçou.”


Cabe recurso da decisão.


Processo nº 1061405-89.2015.8.26.0100

Palavras-chave: Indenização Danos Morais Ameaças Rede Social Parada do Orgulho LGBT

URL Encurtada

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/juiza-nega-indenizacao-a-modelo-que-encenou-crucificacao-na-parada-do-orgulho-lgbt

0 Comentários