• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Sexta-feira, 23 de Junho de 2017
ISSN 1980-4288

"Eles podem ir para o céu, o papa ou o diabo", diz Gilmar Mendes sobre recurso do governo ao STF

Mandado de segurança da AGU pede nulidade do processo de impeachment

Fonte: O Globo

Comentários: (0)


Ministro Gilmar Mendes. Reprodução: fotospublicas.com

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), menosprezou a tentativa do governo tentar anular o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff por vias judiciais. Nesta terça-feira, a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com mandado de segurança no tribunal pedindo a nulidade do processo, porque Eduardo Cunha (PMDB) teria cometido desvio de finalidade na condução do caso.


— Ah, eles podem ir para o céu, o papa ou o diabo! — disse Gilmar.


O ministro também ironizou a decisão do presidente interino da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA). Ontem, o parlamentar anulou o processo de impeachment. Em seguida, ele revogou o próprio ato, deixando o caminho livre para o Senado votar amanhã o recebimento da denúncia contra Dilma.


— É interessante, né (risos)? Hoje eu vi uma notícia dizendo que isso foi regado a muita pinga, vinho. Isso até explica um pouco, né? É, está muito engraçado isso. Muito estranho — comentou.


JUDICIALIZAÇÃO DO PROCESSO


O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, disse nesta segunda-feira que ainda não está definido se o tribunal poderá ou não julgar recurso sobre o mérito do processo de impeachment. No mês passado, Lewandowski tinha dito que o tribunal poderia julgar esse tipo de recurso diante de eventual condenação ou absolvição no Congresso. Segundo o ministro, até agora o Congresso cumpriu as regras fixadas pelo STF, com base na Constituição Federal e na Lei de Impeachment.

Palavras-chave: AGU Mandado de Segurança Impeachment Dilma Rousseff STF

URL Encurtada

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/eles-podem-ir-para-o-ceu-o-papa-ou-o-diabo-diz-gilmar-sobre-recurso-do-governo-ao-stf

0 Comentários