• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Sexta-feira, 20 de Outubro de 2017
ISSN 1980-4288

Comissão especial do Senado vota relatório do impeachment de Dilma nesta sexta-feira

Parecer de Anastasia recomenda continuidade do processo contra Dilma. Para ser aprovado, texto precisa de, pelos menos, 11 votos.

Fonte: G1

Comentários: (0)


Senado Federal. Reprodução: fotospublicas.com

O conselho especial do impeachment no Senado se reúne nesta sexta-feira (6), a partir das 10h, para votar o relatório que recomenda a continuidade do processo contra a presidente Dilma Rousseff.


O parecer foi apresentado na última quarta-feira (4) pelo senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), que disse que a denúncia contra Dilma está de acordo com as leis.


LEIA A ÍNTEGRA DO RELATÓRIO


Para ser aprovado, o relatório precisa da maioria simples dos votos – 11.


Independentemente do resultado, ele seguirá para o plenário. Se na próxima semana o plenário concordar com o relator e aprovar o parecer, Dilma será afastada por até 180 dias e o vice-presidente Michel Temer assumirá.


A votação no plenário deve ocorrer no dia 11. Isso porque, depois da votação na comissão, o parecer terá de ser lido na sessão de segunda-feira (9) do Senado, quando começará a contar o prazo de 48 horas para ser apreciado pelos senadores.


Como será a votação


Antes da votação, líderes partidários terão direito a cinco minutos de exposição para encaminhamento de bancadas. O presidente da comissão, Raimundo Lira (PMDB-PB) estima que 10 líderes devem usar esse tempo. Assim, a votação deve começar entre meio-dia e 13h.


“Acho que vai ser uma sessão tranquila como foi a de hoje [quinta-feira], sempre com muita cordialidade”, disse Lira.


Depois do encaminhamento dos líderes, os senadores votarão por meio de sistema eletrônico (sim, não ou abstenção). A votação é aberta, ou seja, os votos de cada senador serão de conhecimento público.


O presidente da comissão não descarta dar “alguns segundos” para que os senadores comentem os seus votos. Lira antecipou que não deverá acatar questões de ordem na sessão desta sexta.


Relatório de Anastasia


Os senadores debateram por sete horas nesta quinta-feira (5) o relatório apresentado por Anastasia. No início da sessão, o advogado-geral da União, ministro José Eduardo Cardozo, apresentou a defesa da presidente Dilma sobre o parecer. Na avaliação de Cardozo, Anastasia se deixou levar por "paixões partidárias", em razão de o senador ser de uma sigla de oposição.


Para a base governista, o advogado-geral conseguiu rebater os argumentos de Anastasia e mostrar que a presidente Dilma não cometeu crime de responsabilidade. Os senadores da oposição voltaram a elogiar o relatório e falaram sobre os efeitos das ações de Dilma na economia do país.


Veja os principais pontos do relatório:


- A denúncia contra Dilma está de acordo com a Constituição e deve ser aceita.


- O processo não é golpe, porque seguiu as leis e teve direito a ampla defesa.


- Existe previsão legal para o impeachment, para evitar um "poder absoluto do governante".


- Há indícios de materialidade e autoria das "pedaladas fiscais" de decretos de abertura de créditos suplementares.


- É possível, sim, julgar contas que ainda não foram avaliadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU).


- Não houve "vício" na abertura do processo na Câmara, que foi motivada, principalmente, por questões técnicas.


- Não houve irregularidades na votação na Câmara.


- Não há irregularidade na eleição de Anastasia para relatoria da comissão especial do Senado.

Palavras-chave: Comissão Especial Senado Votação Impeachment Dilma Rousseff "Pedaladas Fiscais"

URL Encurtada

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/comissao-especial-do-senado-vota-relatorio-do-impeachment-de-dilma-nesta-sexta-feira

0 Comentários