• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Domingo, 17 de Junho de 2018
ISSN 1980-4288

Superior Tribunal de Justiça nega prisão domiciliar a advogado acusado de matar a mãe

3ª seção da Corte entendeu que sala onde causídico cumpre preventiva está de acordo com o que prevê Estatuto da OAB.

Fonte: STJ

Comentários: (0)


Reprodução: pixabay.com

Nesta quarta-feira, 13, a 3ª seção do STJ julgou improcedente reclamação ajuizada pela defesa de um advogado gaúcho acusado de matar a própria mãe. Ele pleiteava o direito de cumprir prisão preventiva em domicílio, sob a alegação de que local em que está preso não está de acordo com o exigido pelo Estatuto da OAB, que prevê sala de Estado Maior.


A defesa sustentou que o juízo responsável pela execução estaria descumprindo decisão da 6ª turma proferida no HC 425.066/RS, em que foi determinada a conversão da prisão preventiva em domiciliar, enquanto não providenciada sala de Estado Maior.


Relator da reclamação no STJ, o ministro Nefi Cordeiro pontuou que, em cumprimento ao que foi decidido no referido habeas, o magistrado responsável pela execução determinou a realocação do causídico para a sala de Estado Maior, ou aposento de características semelhantes, na qual fosse preservada a dignidade do acusado em virtude da profissão.


Desta forma, a administração da penitenciária mudou o advogado para uma sala onde antes funcionava um almoxarifado. O juiz inspecionou o local posteriormente e considerou que a sala atendia a todos os requisitos estabelecidos pelo Estatuto da OAB.


Diante destas informações, o relator entendeu não ser o caso de descumprimento do que decidido pela 6ª turma e julgou improcedente a reclamação. O voto foi acompanhado por unanimidade pelos ministros da 3ª seção.


Processo: Rcl 35.762

Palavras-chave: Conversão Prisão Preventiva Prisão Domiciliar Estatuto da OAB Habeas Corpus Homicídio

URL Encurtada

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/superior-tribunal-de-justica-nega-prisao-domiciliar-a-advogado-acusado-de-matar-a-mae

0 Comentários