STJ nega pedido de desaforamento a réu acusado de matar a esposa

Julgamento de Hilário Antônio Gomes Muniz, acusado de matar a esposa, filha de um empresário e fazendeiro do município de São Francisco de Itabapoana, no Rio de Janeiro, não será transferido para outro local.

Fonte: STJ

Comentários: (0)




Julgamento de Hilário Antônio Gomes Muniz, acusado de matar a esposa, filha de um empresário e fazendeiro do município de São Francisco de Itabapoana, no Rio de Janeiro, não será transferido para outro local. A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o habeas corpus com o qual o acusado pretendia conseguir o desaforamento (a transferência de processo do fórum de origem para outra jurisdição). O crime ocorreu em março de 2006, na casa dos pais da vítima.

Inicialmente, a defesa fez o pedido de desaforamento ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), que o indeferiu. Os advogados, então, recorreram ao STJ. O argumento apresentado pela defesa foi de que existiria perigo à segurança pessoal do réu e, também, dúvida sobre a imparcialidade dos jurados, uma vez que o crime teve grande repercussão na imprensa local e o pai da vítima é considerado ?pessoa de grande influência na cidade?. A defesa alegou, ainda, que um casal preso em cidade vizinha afirmou estar disposto a ?pôr fim à vida do acusado?.

De acordo com o relator do processo, ministro Arnaldo Esteves Lima, o desaforamento é uma medida considerada ?excepcionalíssima?, somente permitida quando comprovada a existência de interesse da ordem pública, de dúvida sobre a imparcialidade do júri ou, ainda, sobre a segurança pessoal do acusado.

O ministro afirmou que não encontrou, nos autos, demonstração de que o fato de o pai da vítima ser fazendeiro e comerciante (ele possui uma farmácia no município) pode levar à imparcialidade dos jurados. ?A alegação baseia-se na simples suposição de que a condição pessoal e profissional desse pai seria capaz de ferir o pressuposto da imparcialidade?, enfatizou. Além disso, para o ministro relator, apesar de o crime ter sido veiculado na imprensa, não há nada que comprove que tenha gerado grande repercussão na comunidade local.

Da mesma forma, a afirmação de um casal, preso em uma outra cidade, de que estaria incumbido de matar o acusado não pode levar à conclusão, por si só, de que a segurança na comarca de origem esteja em risco ? motivo pelo qual o ministro relator afirmou que negou a ordem.

Em setembro de 2006, a mesma Quinta Turma do STJ, por unanimidade, revogou a prisão preventiva decretada contra o réu. O voto do ministro Arnaldo Esteves Lima já foi publicado no Diário da Justiça Eletrônica do STJ.

Processo relacionado
HC 150095

Palavras-chave: réu

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/stj-nega-pedido-de-desaforamento-a-reu-acusado-de-matar-a-esposa

0 Comentários

Conheça os produtos da Jurid