MEC vai proibir pós sem graduação

A Sesu informou que está elaborando o documento que será avaliado pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) em abril.

Fonte: JFMS

Comentários: (1)




A Secretaria de Educação Superior (Sesu) quer proibir que estudantes com diplomação superior, originários dos cursos sequenciais (que não forma para uma profissão, mas para uma função), frequentem a pós-graduação lato sensu (especialização).

A Sesu informou que está elaborando o documento que será avaliado pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) em abril.

Para o órgão, é inaceitável que universidades ofereçam a pós a universitários ainda não graduados. ?Somente egressos dos cursos de graduação e com a colação de grau comprovada podem cursar a pós-graduação lato sensu?, disse Paulo Wollinger, diretor de Regulação e Supervisão da Sesu.

A decisão foi tomada depois que o Jornal da Tarde publicou, no domingo, reportagem mostrando que universidades particulares da capital fornecem certificações intermediárias, durante os cursos regulares, que não possuem valor no mercado de trabalho.

Com a diplomação superior - um dos certificados emitidos -, as instituições oferecem ao aluno a chance de cursar a pós-graduação antes de concluir a graduação regular de 4 ou 5 anos em média.

Embora não houvesse permissão, também não havia regras que impedissem essa prática. A resolução n.º 1, de 8 de junho de 2007, do CNE, estabelece que ?os cursos de pós-graduação lato sensu são abertos a candidatos diplomados em cursos de graduação ou demais cursos superiores?.

Para Wollinger, o texto abriu uma brecha que serviu para ?algumas universidades oportunizarem um retorno financeiro mais rápido?.

O Ministério da Educação (MEC) considera como cursos superiores de graduação o bacharelado, a licenciatura e o tecnólogo. ?O curso sequencial comprova capacidade de ocupação (de uma função) e não de profissionalização?, prossegue Wollinger.

?(O certificado) Mostra que a pessoa está um pouco mais qualificada e não graduada para exercer a profissão?, diz o diretor.

Os cursos sequenciais são de formação específica, cujo aprendizado está restrito a uma especialidade do saber e não ao conjunto de conhecimento e de habilidades necessários para exercer uma atividade profissional.

O MEC, porém, não é contrário à emissão de certificados durante os cursos regulares, ao contrário dos conselhos regionais de classe, como dos advogados, enfermeiros e fisioterapeutas, ouvidos pelo JT na reportagem publicada anteontem.

?O MEC não tem nada contra?, afirma o diretor de Regulação e Supervisão da Sesu. Segundo ele, as instituições de ensino superior podem fornecer um documento comprovando que o aluno recebeu um conjunto de informações que o habilite a exercer determinada função no mercado de trabalho ou mesmo eliminar créditos em caso de mudança de curso.

Palavras-chave: MEC

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/mec-vai-proibir-pos-sem-graduacao

1 Comentários

Luiz Antonio Ferreira Nazareth Junior Advogado e Professor Universitário17/03/2010 21:41 Responder

Finalmente as autoridades educacionais abriram os olhos para essa "farra" das escolas particulares; afinal nada pode ser "pós" se não houve o "antes"; ademais, tais cursos prometem um "certificado" em curtíssimo espaço de tempo a fim de que a vítima, digo, o aluno, ingresse mais cedo no mercado de trabalho. Se já é quase impossível conseguir um emprego quando se possui uma formação acadêmica sólida, que dirá com um estelionato acadêmico desses. Sinceramente, no meu escritório eu não contrataria.

Conheça os produtos da Jurid