Uma conversa de sangue latino - sobre Graduação em Direito na Colômbia

A entrevistada de hoje é Sara Sánchez Arango, estudante da UNAULA (Universidad Autónoma Latinoamericana) e minha afilhada acadêmica*, a quem, a pedidos, convidei para um “bom papo” em língua portuguesa [1].

Fonte: Milena Márcia de Almeida Alves

Comentários: (0)




Por: Milena Márcia de Almeida Alves


Apesar do distanciamento social ora instaurado pela pandemia do “novo coronavírus”, o início do semestre letivo 2020.1 na Universidade Federal de Pernambuco foi caloroso: contou com muitos apertos de mão e abraços de boas-vindas entre estudantes brasileiros e colombianos.


Dos 14 intercambistas vinculados aos cursos de graduação da UNAULA (Universidad Autónoma Latinoamericana), quatro vieram ao Brasil para estudar Direito na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), via mobilidade acadêmica. A oportunidade tem rendido bons frutos, possibilitando intensas trocas de experiências sobre as peculiaridades dos sistemas jurídico e de ensino nos dois países sul-americanos, como vemos na entrevista a seguir:


Oi, Sara, bom dia! Vamos iniciar a conversa falando sobre o processo de ingresso nas universidades colombianas?! Gostaria que você contasse um pouco sobre como se deu a sua entrada na Graduação em Direito na UNAULA… 


(Sara) - Bom dia para você também, quero agradecer o convite para participar da entrevista.


Para começar, quero lhe dizer que na Colômbia existem apenas dois requisitos a serem cumpridos se você desejar ingressar em um programa de ensino superior: cumprir o nível secundário e realizar o Exame Estadual. [2]


Após cumprirem esses requisitos, os interessados devem realizar os exames de admissão que estão de acordo com cada instituição, principalmente nas universidades públicas, pois são estabelecimentos de maior renome e prestígio. Finalmente, a entrevista pessoal e os testes específicos por áreas de estudo serão outras etapas a serem seguidas no processo de admissão de instituições de nível superior.


Haverá uma diferença a destacar em relação às universidades privadas, como acontece na UNAULA. Minha entrada na universidade [3] foi simplesmente ter cumprido os dois requisitos acima mencionados  [cumprir o nível secundário e realizar o Exame Estadual] e, em seguida, passado por uma entrevista conduzida pelos professores do meu curso e, por último, aguardado a aceitação da instituição.


Entendi… E, na sua opinião, quais são os cursos de Graduação mais procurados pelos jovens na Colômbia? Direito é um deles?


(Sara) - Considero que ciências da saúde [4], engenharia e direito são os cursos que os jovens mais procuram na Colômbia.


Outro ponto importante é o formato das aulas no curso de Direito. Elas costumam ser apenas expositivas, ou possuem um formato que também estimula a participação dos estudantes?


(Sara) - O curso de direito na Colômbia, em primeiro lugar, se concentra na preparação para a oralidade, depois estimula a participação dos alunos de várias maneiras, desde as salas de aula com as contribuições de cada um, às cadeiras com tópicos de oralidade ou consultorias [5] onde põe em prática o desenvolvimento integral dos alunos.


Aqui no Brasil, fala-se muito que as aulas, em geral, dão bastante ênfase na leitura de Códigos (ex: Código de Processo Civil, Código Penal, etc…), na Colômbia também é assim?


(Sara) - Sim, é muito semelhante, eles se concentram principalmente na leitura dos códigos, mas também contamos com sentenças e jurisprudência.


A propósito, qual a duração da Graduação em Direito na UNAULA? Além disso, quais são as matérias do curso de Direito na faculdade de vocês? Existem, além do tronco obrigatório, também cadeiras eletivas?


(Sara) - A duração de todo o curso é de 5 anos, com um total de 10 semestres; as principais matérias são Direito Penal, Civil, Administrativo, Comercial e do trabalhador.


E, sim, eletivas existem, temos uma diversidade de cadeiras eletivas, mas devemos levar pelo menos três deles [em conversa informal, ela explicou que o número mínimo de eletivas a serem cursadas é três].


E o direito digital? Os professores falam muito de tecnologia lá?


(Sara) - Eu realmente ouvi muito sobre isso e, principalmente, que a tecnologia é diária no ambiente de trabalho, mas não há uma cadeira focada especialmente no direito digital, isso varia de acordo com o tópico ou a área em que está sendo discutido.


Durante esse pouco tempo estudando na Faculdade de Direito do Recife (FDR-UFPE), existe algo que você achou muito diferente da Colômbia?


(Sara) - Na verdade, acho que é muito parecido com minha faculdade na Colômbia, quanto à metodologia dos professores e à sua maneira de avaliar.


Certo, agora uma pergunta sobre mercado de trabalho: das opções de atuação para as pessoas que se formam em Direito na Colômbia, qual parece ser a mais almejada por seus colegas de classe?


(Sara) - São muitos, depende da especialização… Advogado, juiz, fiscal, assessor ou consultor, mediador, gestor administrativo, tradutor jurídico… Mas os mais procurados são Promotor e Defensor.


Para finalizar a entrevista, você gostaria de dizer alguma coisa que considere interessante sobre estudar Direito na Colômbia? Ou sobre os motivos que a trouxeram ao Brasil?


(Sara) - Considero que estudar na Colômbia ou no Brasil tem muitas diferenças quanto a seu sistema jurídico e à jurisprudência, mas em termos de formação profissional é muito semelhante. Mas as razões que me trouxeram a este belo país, para ser honesta, não foram tanto a área acadêmica. Quero dizer, sim, estava interessada em conhecer e aprender um pouco da lei, sua estrutura e como ela é aplicada, também seria interessante estudar direito comparado entre os dois países, mas o que eu gostaria principalmente era de conhecer o Brasil. Sua cultura, costumes e tradições.


Notas:


Sou Milena Márcia de Almeida Alves, graduanda em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco e madrinha acadêmica da estudante Sara. O Programa de Apadrinhamento de Estudantes Estrangeiros, que proporcionou nosso contato, é coordenado pela Diretoria de Relações Internacionais (DRI) da UFPE.


[1] A entrevista foi realizada em Língua Portuguesa, em meio escrito, preservando-se ao máximo o português escrito da entrevistada (correções pontuais).


[2] Na Colômbia, o “nível secundário” compreende o “Ensino Fundamental 2” e o “Ensino Médio” brasileiros. O “Exame Estadual” consiste em uma prova obrigatória feita no último ano escolar que objetiva avaliar o ensino básico em todo o país. Os estudantes que pontuam alto no exame comumente recebem bolsas de estudos em universidades privadas, mas não se trata de um Vestibular.


[3] A UNAULA (https://www.unaula.edu.co/) é uma universidade privada colombiana, localizada na cidade de Medellín.


[4] Ciências da Saúde, na Colômbia, é um curso para aspirantes a médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, biólogos, biomédicos e etc.


[5] Em conversa informal, Sara explicou que as “consultorias” são disciplinas obrigatórias da Graduação em Direito na UNAULA. Ao cursá-las, os estudantes devem colaborar em processos judiciais ou trabalhar como “advogados” sob a supervisão do professor.

Palavras-chave: Entrevista Conversa Sangue Latino Gradução em Direito Colômbia

Deixe o seu comentário. Participe!

colunas/entrevistas/uma-conversa-de-sangue-latino-sobre-graduacao-em-direito-na-colombia

0 Comentários

Conheça os produtos da Jurid