• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Domingo, 24 de Setembro de 2017
ISSN 1980-4288

STF convoca sessão extraordinária para julgar ações que tentam barrar impeachment

Ministros se reunirão nesta quinta 914) para discutir pedidos do governo e de aliados.

Fonte: Folha de S.Paulo

Comentários: (0)


Reprodução: fotospublicas.com

O STF (Supremo Tribunal Federal) se reúne no fim da tarde desta quinta-feira (14) para discutir ações do governo e de aliados que tentam barrar a votação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara, que está marcada para domingo.


O STF recebeu na manhã de hoje cinco ações que questionam o parecer do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), que recomendou a admissibilidade da denúncia por crime de responsabilidade da petista, ou a ordem de votação do processo fixada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que previa a chamada inicial pelos deputados do Sul, o que poderia favorecer o impedimento –o deputado anunciou uma nova ordem de votação nesta tarde.


Os ministros decidiram cancelar a sessão desta tarde e acertaram que ficarão em seus gabinetes para estudar os processos. A expectativa é de que o plenário se reúna por volta das 17h30 para discutir os casos.


O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, argumentou que a sessão extraordinária se justifica pelo momento que o país enfrenta.


"Situações excepcionais exigem medidas excepcionais. O plenário da corte está interpretando o regimento nesse sentido. Determino à secretaria que intime todas as partes e interessados e distribua as iniciais das ações para todos os ministros no prazo mais curto possível", disse o ministro.


O ministro Luiz Edson Fachin é relator dos pedidos para anular o relatório de Jovair. Luís Roberto Barroso e Marco Aurélio Mello vão avaliar os pedidos para mudar a ordem de votação do processo.


Fachin defendeu que a decisão seja tomada pelo colegiado. "Acho que, em uma questão dessa envergadura e repercussão para o país, a decisão deva ser colegiada também e com a maior brevidade possível", disse o ministro.


Marco Aurélio reforçou o discurso. "No caso que está sob a minha relatoria e na minha ótica, a decisão só pode ser colegiada. Não teria campo para atuar monocraticamente", disse.


Dos 11 ministros, apenas Dias Toffoli não está presente.


O governo e o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) recorreram ao STF pedindo que seja concedida uma liminar (decisão provisória) para impedir que o processo seja analisado pelo plenário da Câmara. A sessão está marcada para começar nesta sexta (15), mas a votação deve ocorrer na tarde de domingo (17).


Os pedidos argumentam que há uma série de irregularidades no parecer do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), que recomendou a admissibilidade da denúncia por crime de responsabilidade da presidente Dilma Rousseff, que impediram o amplo direito de defesa da petista na comissão.


O texto, de 55 páginas, requer que o Supremo anule o processo desde o início da fase de debates da Comissão Especial da Câmara que discutiu o afastamento, quando foi juntada ao processo a delação premiada do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS), ex-líder do governo, que implicou Dilma, afirmando que agiu para atrapalhar as investigações da Lava Jato.


Segundo a AGU, ao tratar das acusações da colaboração de Delcídio, o parecer ultrapassou "limites" da denúncia contra a presidente, que tratava de questões orçamentárias, como as pedaladas fiscais.


Outra reclamação é sobre a participação dos autores do pedidos de impeachment na comissão, os juristas Janaina Pascoal e Hélio Bicudo, que teriam tratado de assuntos estranhos ao pedido em suas falas.


Para a AGU, o parecer de Jovair traz "diversas imputações e considerações de cunho persuasivo, totalmente desconectadas do teor da denúncia, em flagrante e inconstitucional ampliação do espectro das imputações das quais foi a ora impetrante intimada para se defender, o que redunda na construção de um processo em que se inviabiliza a construção de uma defesa substancialmente adequada".

Palavras-chave: STF Impeachment Dilma Rousseff Votação Câmara dos Deputados

URL Encurtada

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/stf-convoca-sessao-extraordinaria-para-julgar-acoes-que-tentam-barrar-impeachment

0 Comentários