• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017
ISSN 1980-4288

Natura multada em R$ 21 milhões por biopirataria

Penalidade foi imposta por acessos, supostamente irregulares, à biodiversidade

Fonte: Espaço Vital

Comentários: (4)


A Natura foi multada em R$ 21 milhões pelo Ibama por supostos à biodiversidade supostamente irregulares.

 
A empresa vai recorrer da decisão e tem prazo até o dia 24 deste mês. Os autos de infração somam 64 páginas, segundo Lucilene Prado, diretora de assuntos jurídicos da empresa.

 
Guilherme Leal, um dos sócios da empresa, foi candidato a vice-presidente na chapa de Marina Silva (PV), ex-ministra do Meio Ambiente no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Leal foi o principal doador à campanha de Marina (R$ 11,9 milhões) e figura como um dos homens mais ricos do Brasil, segundo a revista "Forbes". À Justiça Eleitoral, declarou ser dono de um patrimônio de R$ 1,2 bilhão.

 
Segundo Rodolfo Guttilla, diretor de assuntos corporativos e relações governamentais da Natura, o que ocorre são discordâncias em etapas do processo de autorização de acesso à biodiversidade.

 
- Essa legislação cria barreira para inovação, pesquisa aplicada, pesquisa pura. Trata-se de uma falta de entendimento - diz Guttilla.

 
O executivo afirmou que a empresa cumpre os princípios fundamentais da Convenção da Diversidade Biológica (CDB), tratado internacional firmado na Rio Eco-92 com o objetivo de promover a conservação e o uso sustentável da biodiversidade, e concorda com eles. Entre esses princípios, estão anuência prévia dos provedores, formalização de contratos e repartição justa de benefícios.

 
- Na Natura, 3% da receita liquida são investimentos em pesquisas e desenvolvimento de produtos. E continuaremos a buscar ativos para novos produtos na biodiversidade brasileira - afirma Guttilla.

 
O Ibama não foi encontrado para comentar o assunto.

Palavras-chave: Biodiversidade Natura Multa Biopirataria Penalidade

URL Encurtada

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/natura-multada-em-r-21-milhoes-por-biopirataria

4 Comentários

Luiz Dário Rocha Advogado18/11/2010 15:22 Responder

O IBAMA não tem mais o que ser ridículo. Seguramente, são os verdadeiros ecochatos. É uma vergonha para um país que se diz grande, quer e precisa de desenvolvimento sustentável, agora começar perseguição à Natura.

Maria Helena Cabrera contabilista/advogada18/11/2010 17:01 Responder

Sou consumidora Natura há vários anos! Sei que seus sócios estão riquíssimos, e parte deste dinheiro eu ajudei a obter! N ão acho que o Ibama é ridículo, pois apenas cumpre o seu papel. As mesma bôcas falariam se ele fôsse inoperante! É gratificante ver um órgão público que \\\"faz\\\"! Os que ganham dinheiro com a exploração da biodiversidade deveriam curvar suas prepotentes cabeças, e agradecer por termos instituições cuidando nossa BIOdiversidade, isto é, nossa vida no planêta, e a vida das futuras gerações! Em frente, IBAMA!

Emerson Vitor de Souza Estudante18/11/2010 21:37 Responder

Agora deu pra entender a força da campanha de candidata Marina. Seu vice é muito mais ambisioso que pensava minha humilde cabeça. Como todo político aqui no Brasil, jogo de interesses próprios são os motivos para quererem um cargo ou o poder...

Ana Cristina estudante 11/12/2010 2:45

... é e esse vice poderia até prejudicar a imagem da Marina, pq creio que ela tem um grande potencial, concordo plenamente com sua opnião e tb do juiz q discorreu algumas linhas a baixo, falando da má atuação do órgão fiscalizador.

Roger Juiz Federal19/11/2010 15:14 Responder

Como Juiz Federal não entendo ser aplicável tamanha multa, uma vez, que a Natura é uma empresa responsável e séria e o IBAMA não é um órgão tão confiável assim, pois já julguei, e não foi uma vez só, alguns casos em que agentes do próprio IBAMA faziam caçadas a animais ameaçados de extinção, já julguei um caso em que os agentes utilizavam madeira de extração ilegal para a construção de suas casas e outras eles vendiam e muitos outros eventos danosos a natureza ocasionados pro agentes que possuem como prerrogativa a defesa à natureza, sem contar com a aceitação de suborno que recebem. Isso não é regra, mas sim eventos.