• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Quarta-feira, 23 de Agosto de 2017
ISSN 1980-4288

Mantida liminar que suspendeu taxa de fiscalização de transporte coletivo urbano

A decisão do colegiado foi unânime.

Fonte: STJ

Comentários: (0)


Reprodução: pixabay.com

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou pedido do município de Ribeirão Preto (SP) para suspender liminar da Justiça de São Paulo que afastou a exigência da taxa de gerenciamento e fiscalização de transporte coletivo urbano. A decisão do colegiado foi unânime.


A concessão da liminar pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) atendeu a pedido de uma das concessionárias de transporte coletivo da cidade do interior paulista, que alegou que o município, por meio da Empresa de Trânsito e Transporte de Ribeirão Preto (Transerp), cobra irregularmente 2% sobre o seu faturamento mensal a título de taxa de gerenciamento e fiscalização.


Na decisão liminar, o TJSP entendeu que o percentual cobrado pelo município das empresas concessionárias coincide com a base de cálculo do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), o que seria inconstitucional.


O município recorreu ao STJ sob o argumento de que o pagamento seria imprescindível por ser a única fonte de receita para o custeio operacional da Transerp, que tem a incumbência legal de fiscalizar os contratos de concessão de serviço público de transporte coletivo urbano de Ribeirão Preto. Além disso, segundo o município, a taxa paga pela concessionária já compõe o valor da passagem cobrada do usuário do transporte coletivo.


Interesse público


Como relatora do pedido, a presidente do STJ, ministra Laurita Vaz, ressaltou que a legislação que regula a possibilidade de suspensão de sentenças e liminares contra o poder público tem como objetivo evitar a ocorrência de grave lesão à ordem, à saúde, à segurança ou à economia, cabendo ao autor do pedido demonstrar a necessidade de preservação do interesse social.


“A principal razão apresentada pelo requerente – comprometimento sério e irreversível da gestão do sistema de transporte de passageiros de Ribeirão Preto – constitui-se alegação genérica e sem comprovação, pois não foi demonstrado, de forma efetiva, o reflexo da suspensão da taxa no oferecimento do serviço de transporte coletivo de passageiros para a coletividade”, apontou a ministra Laurita Vaz.


Para a relatora, “o município não logrou êxito em demonstrar violação a qualquer dos bens tutelados pela lei de regência que justifique a suspensão dos efeitos da decisão”, motivo pelo qual foi mantida a liminar do TJSP.

Palavras-chave: Liminar Suspensão Taxa de Gerenciamento Fiscalização Transporte Coletivo

URL Encurtada

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/mantida-liminar-que-suspendeu-taxa-de-fiscalizacao-de-transporte-coletivo-urbano

0 Comentários