• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1980-4288

Mantida decisão do Tribunal do Rio de Janeiro que absolveu Eduardo Cunha em ação de improbidade

O Ministério Público estadual denunciou Eduardo Cunha por improbidade administrativa em razão de supostas irregularidades em licitação da Companhia Estadual de Habitação do Rio de Janeiro (Cehab), quando ele ocupava a presidência da empresa (1999).

Fonte: STJ

Comentários: (0)


Eduardo Cunha. Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão da Justiça do Rio de Janeiro que inocentou o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha em ação de improbidade administrativa.


O Ministério Público estadual denunciou Eduardo Cunha por improbidade administrativa em razão de supostas irregularidades em licitação da Companhia Estadual de Habitação do Rio de Janeiro (Cehab), quando ele ocupava a presidência da empresa (1999).


O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) entendeu pela ausência de dolo e de dano ao erário e absolveu o ex-deputado. Segundo o acórdão, não foi demonstrado que a conduta dos envolvidos no processo licitatório “tenha sido orientada pelo dolo de frustrar a competição”.


Súmula 7


No STJ, o relator, ministro Herman Benjamin, destacou o entendimento da corte de que, para que seja reconhecida a conduta de improbidade administrativa, é necessária a demonstração de dolo para os tipos previstos no artigo 9º e artigo 11 da Lei 8.429/92 e, ao menos, de culpa nas hipóteses do artigo 10.


O relator votou, então, pelo não conhecimento do recurso do Ministério Público, uma vez que modificar a conclusão a que chegou o TJRJ demandaria o reexame de provas, o que é vedado em recurso especial, por aplicação da Súmula 7 do STJ.

Palavras-chave: Eduardo Cunha Improbidade Administrativa Cehab Súmula STJ Irregularidades Licitação

URL Encurtada

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/mantida-decisao-do-tribunal-do-rio-de-janeiro-que-absolveu-eduardo-cunha-em-acao-de-improbidade

0 Comentários