• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Sábado, 23 de Setembro de 2017
ISSN 1980-4288

Ex-presidente da Andrade Gutierrez muda versão e nega propina à chapa Dilma-Temer em 2014

Otávio Azevedo prestou novo depoimento à Justiça Eleitoral nesta quinta. Informação é dos advogados que representam Dilma, Temer e PSDB.

Fonte: G1

Comentários: (0)


Dilma Rousseff e Michel Temer. Foto: Lula Marques

O ex-presidente da Andrade Gutierrez Otávio Marques de Azevedo retificou um depoimento dado em setembro à Justiça Eleitoral e afirmou, nesta quinta-feira (17), em novo depoimento, que não houve pagamento de propina, por parte da empresa, à chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer na campanha presidencial de 2014.


A informação é dos advogados de Dilma, de Temer e do PSDB (acusação) que atuam no processo aberto pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para apurar se a chapa vencedora recebeu propina oriunda do esquema de corrupção que atuou na Petrobras. Na ação, o PSDB pede a cassação da chapa.


O advogado de Otávio Azevedo, Juliano Breda, também presente ao depoimento, não quis falar à imprensa.


Segundo os advogados de defesa e de acusação, Azevedo, um dos delatores da Operação Lava Jato, disse que se confundiu ao declarar que havia repassado R$ 1 milhão ao PT, quantia que, posteriormente, segundo ele, havia abastecido a campanha da ex-presidente Dilma.


A doação, disse à época, seria fruto de pressão e parte de um acordo para que a construtora repassasse 1% de propina de cada contrato com o governo federal.


O novo depoimento, desta quinta, foi pedido, então, pelos advogados de Dilma após a própria defesa apresentar documentos segundo os quais a doação de R$ 1 milhão da Andrade Gutierrez à campanha de 2014, supostamente fruto de propina, chegou à chapa eleita por meio do PMDB, na conta de Michel Temer, então candidato a vice.


O que disseram os advogados


Após o depoimento, o advogado de Dilma no processo, Flávio Caetano, afirmou que Otávio Azevedo havia mudado a versão sobre a doação de R$ 1 milhão.


"Hoje [quinta, 17] o depoente [Azevedo] fez uma retratação, ou seja, ele reconheceu claramente que não existiu nenhuma propina e nenhuma irregularidade na campanha presidencial de Dilma Rousseff e Michel Temer. Portanto, hoje ele se retratou perante a Justiça Eleitoral e retirou a acusação que tinha feito no seu depoimento anterior", disse o advogado.


Segundo Caetano, das 25 testemunhas que falaram até agora no processo, Otávio de Azevedo era o único que havia confirmado pagamento de propina nas doações eleitorais, principal acusação do PSDB no processo. "Hoje, cai por terra toda e qualquer acusação de irregularidade na arrecadação de campanha de Dilma e Michel Temer", completou.


Na sequência, o responsável pela defesa de Michel Temer no processo, o advogado Gustavo Guedes também confirmou a retificação no depoimento. "Nenhum valor de propina foi para a eleição de 2014. Nem para a Dilma nem para o PT. Nem para a Dilma nem para o PMDB nem para a chapa", afirmou.


Para Guedes, o que ele chamou de "equívoco" do ex-presidente da Andrade ocorreu porque todos os recibos eleitorais da chapa eram emitidos pelo tesoureiro da campanha de Dilma, o ex-ministro Edinho Silva (prefeito eleito de Araraquara-SP), ainda que tenham sido direcionadas a Temer.


Em seguida, o advogado do PSDB no caso, José Eduardo Alckmin, também confirmou a mudança no depoimento, mas avaliou que o "conjunto da obra" poderá mostrar a presença de propina na campanha.


"Tem que ser ver o conjunto da obra. O fato é que houve, durante muito tempo, dinheiro de caixa dois, inclusive abastecendo o partido da [ex-] presidente Dilma e aí, realmente, causa a necessidade de um exame bem apurado para ver se esse dinheiro, que nem foi contabilizado, uma parte dele, se isso não terá incidido na campanha eleitoral", disse.

Palavras-chave: TSE Chapa Dilma-Temer Propina Campanha Presidencial 2014 Andrade Gutierrez Doação

URL Encurtada

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/ex-presidente-da-andrade-gutierrez-muda-versao-e-nega-propina-a-chapa-dilma-temer-em-2014

0 Comentários