• facebook-footer
  • twitter-footer
  • googleplus-footer
Quinta-feira, 19 de Outubro de 2017
ISSN 1980-4288

Dilma diz que governo Temer é ilegítimo e lamenta falta de mulheres e negros no ministério

Presidente afastada concedeu entrevista a jornalistas estrangeiros nesta sexta-feira.

Fonte: O Globo

Comentários: (2)


Dilma Rousseff. Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

A presidente afastada Dilma Rousseff lamentou nesta quinta-feira a falta de negros e mulheres no novo ministério e classificou o governo de Michel Temer como "provisório" e "ilegítimo". Dilma falou a jornalistas estrangeiros no Palácio do Alvorada. É a primeira vez que a petista concede entrevista à imprensa após a aprovação de seu afastamento por 180 dias pelo Senado.


— Lamento que não haja mulheres e negros no ministério. Mulheres têm se mostrado competentes em todas as áreas. Tudo indica que o governo Temer será liberal na economia e conservador nas políticas sociais. Há um governo interino e ilegítimo em termos de votos — afirmou.


A falta de mulheres e negros no governo Temer é alvo de críticas de ativistas de causas sociais e em defesa das minorias. Frente à repercussão negativa, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, manifestou-se nesta sexta-feira sobre o tema indicando que as mulheres ocuparão secretarias.


Na entrevista, Dilma também disse que sofreu “sabotagem” na hora de governar e que sua saída é "jurídica e política". Ela voltou a defender uma reforma política.


— Poucos partidos têm uma unidade nacional em que um líder fala por todos. O Brasil tem fragmentação política, precisa de uma profunda reforma política — defendeu.


A petista informou que irá a todos os lugares que for convidada para responder sobre as razões do afastamento.


— Teremos que nos defender também politicamente, porque esse é um juízo jurídico e político.


Dilma disse que vai lutar, também, para recuperar a base parlamentar:


— O que tem hoje no Brasil é um governo provisório, um governo interino. E uma presidente eleita por 54 mihlões. Você tem, portanto, um governo interino e ilegítimo do ponto de vista de seus votos. Nós lutaremos para voltar. E além de lutar para voltar, obviamente nós lutaremos para recompor uma base parlamentar no futuro.


Dilma comentou ter receio de que o novo governo recorra a métodos violentos para tentar conter manifestações.


— Não sei se não existe risco de reações violentas (a protestos). Um governo ilegítimo sempre precisa de mecanismos ilegítimos para se manter no poder.


Ao tratar do tema, Dilma ressaltou que, durante todas as manifestações que ocorreram em 2013, nunca se reprimiu atos contrários ao governo.


— É um governo que reflete um lado bastante claro, vai ser um governo liberal na economia e extremamente conservador na área cultural, social. Está mostrando isso na sua formação — afirmou a presidente afastada.

Palavras-chave: Dilma Rousseff Michel Temer Impeachment Governo 'Ilegítimo" Reforma Política

URL Encurtada

Deixe o seu comentário. Participe!

noticias/dilma-diz-que-governo-temer-e-ilegitimo-e-lamenta-falta-de-mulheres-e-negros-no-ministerio

2 Comentários

Antonio Carlos Mendes aposentado16/05/2016 21:32 Responder

Diante desse quadro de caos, eis que a pauta dos jornais é a ausência de mulheres e negros no ministério ou o fim do Ministério da Cultura! É tudo muito absurdo, chocante. Essa elite da esquerda caviar vive numa bolha, não tem sensibilidade, não enxerga o povo. Quem liga para mulheres ou negros no ministério? De verdade? Não é o povão. Dilma era mulher, tinha várias mulheres em torno, e negros nos infindáveis ministérios inúteis. E daí? Que bem isso fez ao país? Em que isso melhorou a vida de Maria e José, que perdem três horas por dia no trânsito caótico e correm o risco de perder seus empregos? Temos um país para resgatar, reconstruir. E ele foi destruído, caso não lembrem, por uma mulher com outras mulheres e também negros, sob o aplauso de muitos desses artistas. Não foi pelo fato de ser mulher, tampouco por ter ministros negros, que toda essa desgraça aconteceu. Isso é o óbvio. Mas como podem ignorar isso para focar, de repente, na falta de mulheres e negros nos ministérios, ou na “cultura”, quando estamos diante de uma catástrofe iminente? Quantos não defenderam a responsável pela tragédia por ser mulher?

LEA MELLO Aposentada17/05/2016 8:55 Responder

Cala a boca "Magda"